30 outubro 2014

Resenha Crítica: "Unknown Pleasures" (Ren xiao yao)

 A juventude sem rumo aparente e inconsequente volta a estar em destaque numa obra de Jia Zhangke, com este a colocar-nos sobretudo perante três jovens de Datong, um local da província de Shaanxi, longe dos grandes espaços citadinos, onde a modernidade e a tradição se parecem reunir de forma complicada e as transformações nem sempre se parecem traduzir numa melhoria de qualidade de vida para os seus habitantes. Bin Bin (Zhao Weiwei) é um jovem de dezanove anos, recentemente desempregado, que pondera inscrever-se no exército. Este vive com a sua mãe, uma mulher que pertence ao grupo Falun Gong, tendo em Xiao Ji (Wu Qiong) o seu melhor amigo. Xiao Ji é ainda mais inconsequente do que este, vivendo com o pai, tendo na actividade de andar de mota algo que lhe parece dar um certo prazer. Este apaixona-se por Qiao Qiao (Zhao Tao), uma cantora e dançarina da companhia Mongolian King Liquor, uma jovem belíssima que conhece durante uma audição para seleccionar membros para participarem no espectáculo da mesma. Qiao Qiao tem uma relação com Qiao San (Li Zhubin), um agiota poderoso, que a trata quase como um objecto, embora lhe proporcione os luxos que poucos lhe podem dar. Este trio de protagonistas parece ter poucos objectivos para a vida. Qiao Qiao canta, dança e encanta os homens, vagueando entre os valores modernos e tradicionais da mulher, começando aos poucos a contactar com Xiao Ji, sobretudo quando o progenitor desta é internado no hospital. Xiao Ji não sabe bem o que pretende da vida, tal como Bin Bin. Este último ainda namora com Yuan Yuan (Zhou Qingfeng), uma das poucas personagens que parece apresentar objectivos para o futuro, pretendendo ir estudar para Pequim, algo que contrasta e muito com os elementos que rodeiam o enredo, uma situação que explica o facto desta nunca aparecer em conjunto com os outros dois elementos. Todos estes elementos são filhos únicos, com Jia Zhangke a abordar temáticas relacionadas com esta geração do "controle de nascimentos", com cada um destes personagens a parecer viver uma crise existencial, com a chegada à idade adulta a parecer trazer mais desilusões do que alegrias e certezas. Bin Bin é um elemento relativamente magro, algo apático, que mantém uma relação algo distante com a namorada, apesar de se notar que a ama, descobrindo padecer de hepatite, algo que coloca em risco o seu futuro já por si pouco promissor. O personagem interpretado por Zhao Weiwei envolve-se ainda em negócios menos claros com Xiao Wu (Wang Hongwei), um criminoso que lhe empresta dinheiro, com este último a obrigá-lo a vender filmes piratas, incluindo "Xiao Wu", "Platform" (as duas primeiras longas-metragens de Jia Zhangke) e "Love Will Tear Us Apart" (realizado por Yu Lik-wai, o director de fotografia), com o filme a subtilmente e com algum humor à mistura evidenciar como os primeiros trabalhos de Zhangke foram ganhando popularidade graças ao meio undergrond devido à sua exibição ser proibida na China. Diga-se que as referências cinematográficas não se vão ficar por aqui, com Xiao Ji a comentar com Qiao Qiao sobre a cena de um assalto em "Pulp Fiction" de Quentin Tarantino, indo posteriormente imitar com esta a dança dos personagens interpretados por Uma Thurman e John Travolta, algo revelador desta mescla de culturas entre o Ocidente e o Oriente, entre a modernidade e a tradição, que parece causar uma crise de identidade.

Xiao Ji parece algo impulsivo. Deseja Qiao Qiao mas sabe que esta situação o pode colocar em perigo, num território marcado por esta geração de jovens que parece algo à parte da sociedade do seu tempo. Querem impor-se mas não parecem saber como, enquanto Jia Zhangke volta a dar espaço para explorar questões ligadas com os personagens das margens e a forma como as transformações culturais, sociais e económicas assolam as gentes destes espaços distantes das grandes metrópoles e nem sempre trazem vantagens para as mesmas. Estes têm acesso a elementos capitalistas e supostamente até alguma diversão como é visível na discoteca e nos espectáculos da Mongolian King Liquor, mas a solidão e a pobreza nem por isso deixa o quotidiano destes elementos, onde as assimetrias sociais são visíveis. Seja a pobreza financeira, seja a pobreza de objectivos, seja a pobreza de valores, ao mesmo tempo que parecem esconder alguma violência que mais tarde ou mais cedo se pode evidenciar. Veja-se os momentos finais do filme, com Jia Zhangke a deixar-nos ainda perante a dicotomia entre os elementos mais favorecidos como Qiao San e os mais desfavorecidos, em particular o trio de protagonistas, ao mesmo tempo que explora temáticas como a identidade. Quem são estes jovens e o que pretendem para a vida? Muito provavelmente nem estes sabem, numa China em mudança, onde assistimos ao anúncio da atribuição da organização dos Jogos Olímpicos em Pequim, embora estas transformações não se verifiquem em todos os locais. Veja-se as parcas condições do hospital onde se encontram as vítimas de um atentado numa fábrica, bem como as habitações de Xiao Ji e Bin Bin, degradadas e longe do glamour de lojas como a da Pierre Cardin que podemos encontrar a permear o cenário. Diga-se que este cenário é uma mescla estranha de se observar. Espectáculos típicos tradicionais misturam-se com elementos ocidentais, fábricas e lojas de luxo reúnem-se pelas proximidades, dólares e yuans são utilizados, os contrastes entre ricos e pobres evidenciam-se cada vez mais, com Jia Zhangke a deixar-nos perante uma série de dicotomias que evidenciam um pouco o pessimismo que rodeia o quotidiano destes personagens. O elenco é bastante competente, com Jia Zhangke a voltar a reunir-se com Zhao Tao, a sua esposa e musa. A personagem desta é uma mulher dada aos luxos que não parece gostar de ser tratada como objecto mas também não quer perder o poder que o dinheiro lhe dá, proporcionando algumas peculiares cenas com Xiao Ji, onde o fumo dos cigarros permite exprimir uma troca de sentimentos. Jia Zhangke explora com algum realismo, beleza e crueza esta obra marcada por contrastes, de prazeres escondidos, onde os planos de longa duração são utilizados com mestria e a cinematografia é capaz de explorar este espaço industrial onde a desesperança parece reinar pela juventude.

 Será esta falta de objectivos culpa destes jovens ou do espaço que os rodeia? A resposta não parece ser fácil, com o cineasta a abordar temáticas que atravessam as suas obras, tais como as mudanças no território da China e a influência que estas têm na juventude, a exploração de temas ligados aos territórios das margens, com "Unknown Pleasures" a deixar-nos perante um grupo de personagens que parecem proibidos de sonhar. A crise de identidade atravessa-os e ao território, com o filme a abordar ainda algumas questões da época, tais como alguns conflitos diplomáticos com os EUA e o exército como um meio de escape para a miséria. Bin Bin vê no exército uma saída para o beco escuro onde se encontra profissionalmente e emocionalmente, com Zhao Weiwei a evidenciar a incapacidade deste personagem em sair de uma espécie de letargia que até já vem da sua própria mãe. Este trio que nos é apresentado está longe de surgir como filhos de pais abonados, algo que ainda lhes corta mais os seus sonhos e objectivos, sobretudo se tivermos em linha de conta que estamos perante uma sociedade ainda bastante estratificada. A câmara de filmar segue estes personagens, acompanha-os atentamente e ao território, ao mesmo tempo que vemos gradualmente esvairem-se as esperanças que estes poderiam ter de conseguirem ser consequentes. Em certa parte até nos fazem lembrar a juventude de alguns filmes de Godard dos anos 60. Veja-se o jovem idealista mas inconsequente interpretado por Jean-Pierre Léaud em "Masculin Féminin", numa obra ainda aparentemente inspirada no neorrealismo. Nem se pode falar que este comportamento dos protagonistas se deve a uma total falta de informação. A cultura cinematográfica chega-lhes ainda que de forma pirateada, a televisão expõe alguns casos de relevo da actualidade, mas estes parecem pouco preocupados com tudo o que os rodeia. Em certa parte até existe um certo egoísmo, ou melhor, uma incapacidade destes personagens em formarem uma personalidade vincada perante um fluxo diferente de informação e cultura, vivendo tempos de mudança para os quais ainda não estão adaptados. A esperança parece pouca para estes personagens. Já os filmes de Jia Zhangke, esses transportam-nos para outra realidade, tendo a meritória capacidade de nos fazer reflectir e embrenhar para o interior dos enredos que nos apresenta.

Título original: "Ren xiao yao".
Título em inglês: "Unknown Pleasures".
Realizador: Jia Zhangke.
Argumento:  Jia Zhangke.
Elenco: Zhao Weiwei, Wu Qiong, Zhao Tao.

Sem comentários: