07 junho 2014

Resenha Crítica: "My Favorite Wife" (1940)

 Provavelmente um dos exemplos mais brilhantes da safra de screwball comedies dos EUA, "My Favorite Wife" tem tudo o que podemos esperar deste subgénero, remetendo para as tramas onde um casal se separa e um dos cônjuges inicia outra relação, acabando no final por regressar para junto da sua cara metade, algo visível em películas como "The Philadelphia Story". No caso de "My Favorite Wife", a separação é forçada, visto que Ellen (Irene Dunne), a esposa de Nick Arden (Cary Grant), desapareceu durante sete anos, quando se encontrava numa expedição antropológica, onde trabalhava como fotógrafa. Este desaparecimento deve-se a um acidente natural, com Nick a fazer de tudo para encontrar a mãe dos seus dois filhos, Tim e Chinch. Sete anos depois, Nick decide casar com Bianca (Gail Patrick), algo aceite pelo peculiar juiz Bryson, após dar Ellen como falecida. Nesse mesmo dia do casamento, Ellen regressa a casa, tendo sido transportada por um cargueiro português que se encontrava 12 milhas fora da sua rota. Os filhos não conhecem Ellen, mas a sogra logo a reconhece, bem como Nick, sobretudo quando esta o vai visitar no hotel onde o personagem interpretado por Cary Grant vai passar a lua de mel com Bianca. Geram-se os primeiros mal entendidos, com o dono do hotel a pensar que este tem um caso com duas mulheres, algo que não deixa de ser verdade, embora a história seja bem mais intrincada. Nick não esconde o seu amor por Ellen, embora também não queira magoar Bianca, acabando pelo caminho por descobrir que a mulher esteve isolada durante estes sete anos com Stephen Burkett (Randolph Scott), algo que lhe vai despertar enormes ciúmes. A chegada de Ellen coloca a vida de Nick num turbilhão de sentimentos e situações, resultando em alguns momentos de humor geniais, com Cary Grant e Irene Dunne a criarem dois personagens prontos a nos conquistarem com enorme facilidade. O argumento ajuda muito o trabalho da dupla, mas também a realização de Garson Kanin, com o cineasta a colocar-nos perante uma história aparentemente simples, mas que facilmente cria uma enorme empatia, marcada por muito bom humor e algum romantismo. 

Cary Grant é exímio neste tipo de personagens, bem como a protagonizar estas screwball comedies. Veja-se os seus trabalhos em "Holiday", "The Philadelphia Story", "The Awful Truth" (onde dividiu o protagonismo com Dunne), "His Girl Friday", entre outras. Em "My Favorite Wife", Grant interpreta um marido entre duas mulheres, que se vê na caricata situação de ter dois casamentos, procurando a todo o custo não magoar ninguém. Inicialmente tenta esconder a verdade de Bianca, algo que gera alguns momentos divertidíssimos, tais como no hotel, mas também quando Ellen se encontra em casa de Nick fingindo ser uma amiga de infância. Os momentos de Grant com Dunne são sublimes, com ambos a nunca esconderem um enorme à vontade, trocando falas afiadas, outras românticas, existindo pelo caminho alguma mordacidade e humor a envolver os mesmos. Veja-se por exemplo quando Ellen inventa um "Stephen" quando Nick já sabia da existência do verdadeiro, algo que conduz este último a criar um encontro a três, gerando-se um certo desconforto entre ambos, ao longo de uma obra muito marcada pelo humor de situação. O momento em que Nick encontra Stephen é sublime, com este a deparar-se com um homem atlético, galanteador e confiante, distante da insegurança do protagonista, um advogado que reencontra o amor da sua vida quando se encontrava prestes a iniciar um novo casamento. Garson Kanin não poupa nos momentos de humor entre Nick e Ellen, envolvendo pelo caminho Bianca e Stephen, mas também o juiz do tribunal, embora não esqueça algumas cenas mais sérias que permitem dar alguma espessura aos personagens, algo visível quando a personagem interpretada por Irene Dunne revela aos filhos que é a sua mãe. É um momento de enorme ternura, ao longo de uma obra marcada por muito humor e romance, sobressaindo a magnífica dupla de protagonistas. Cary Grant e Irene Dunne revelam-se exímios no timing das piadas, apresentam uma enorme química e criam uma dupla de protagonistas que facilmente nos conquista, ao longo de uma obra marcada por alguns momentos de humor memoráveis, diálogos inteligentes, uma banda sonora adequada ao tom do filme, com Garson Kanin a realizar uma comédia a não perder.

Título original: "My Favorite Wife".
Título em Portugal: "A Minha Mulher Favorita"
Realizador: Garson Kanin.
Argumento:  Leo McCarey, Samuel e Bella Spewack, Garson Kanin, John McClain.
Elenco: Irene Dunne, Cary Grant, Randolph Scott, Gail Patrick.

Sem comentários: