02 junho 2014

"Maleficent" divide a crítica mas destaca-se nas bilheteiras

"Maleficent" estreou no passado dia 30 de Maio nas salas de cinema dos EUA, bem como em vários países ao redor do Mundo. O filme permitiu a Angelina Jolie ter a melhor receita de abertura da carreira, embora tenha dividido a crítica internacional, algo visível quando visitamos sites agregadores de críticas, tais como o Rotten Tomatoes. Nesse sentido, aproveitamos este post para destacar algumas dessas críticas a "Maleficent", um filme realizado pelo estreante Robert Stromberg, através do argumento de Linda Woolverton ("The Lion King"). O filme conta no elenco com Angelina Jolie ("Salt"), Sharlto Copley ("District 9"), Imelda Staunton ("Harry Potter and the Order of the Phoenix"), Miranda Richardson ("Harry Potter and the Goblet of Fire"), Sam Riley ("On the Road"), Lesley Manville ("Another Year"), Elle Fanning ("Bomb"), entre outros.

 "Maleficent" apresenta a história das origens da personagem do título e os motivos que a levaram a amaldiçoar Aurora em "A Bela Adormecida". O filme tem a seguinte sinopse: "Maleficent” é a história ainda não contada da vilã mais icónica do clássico “Sleeping Beauty” (1959). Outrora bela e com um coração puro, Maleficent tinha uma vida idílica e pacífica na floresta do Reino, até um exército invasor ameaçar a harmonia do território. Maleficent torna-se a maior protectora do Reino, mas sofre uma traição impiedosa - um acto que começa a transformar o seu coração puro em pedra. Empenhada em vingar-se, Maleficent enfrenta uma épica batalha contra o sucessor do Rei invasor, colocando uma maldição na sua filha recém-nascida, a jovem Aurora. Aos poucos Aurora cresce e Maleficent percebe que esta detém a chave para a paz do Reino - e talvez para a verdadeira felicidade de Maleficent.

Passemos agora para as críticas: 

Jonathan Romney do "The Guardian" deu ao filme uma estrela em cinco possíveis, tendo comentado: "Like the stage musical Wicked, it's a revisionist tale of a mythical femme maudite who turns out simply to be mistreated and misunderstood. Like Jessica Rabbit, Angelina Jolie's fairy is not bad, just drawn that way".

Peter Travers da Rolling Stone também não ficou muito agradado com o filme, tendo atribuído uma estrela e meia em quatro possíveis: "Even the true love's kiss that can awaken Aurora takes a feminist slant. Jolie comes to this party ready to bite, but the movie muzzles her".

Matthew Kassel do New York Observer deu duas estrelas em cinco possíveis: "Why tell the Sleeping Beauty story anew? With this half-hearted film, Mr. Stromberg, the visual effects wizard behind such big-budget blockbusters as Oz the Great and Powerful, Alice in Wonderland and Avatar, can’t provide an answer".

Kristy Puchko do Cinema Blend também deu 2 estrelas em 5: "In the end, I regret seeing Maleficent, and to preserve my love of the original version--who was evil, but a great deal of fun to watch--I will actively work to forget this movie as fast as possible". 

Peter Bradhsaw do The Guardian deu três estrelas em cinco possíveis e elogiou o trabalho de Angelina Jolie: "Her performance has a vinegary touch of panto, something to compare with her role as Alexander the Great's mum in Oliver Stone's Alexander (2004) and Grendel's mum in Robert Zemeckis's Beowulf (2007). I'd forgotten what a fierce screen presence Jolie is: she is becoming the Sophia Loren of our age. Now I want to see her in a grownup film". 

Pablo Villaça também deu três estrelas a "Maleficent", tendo salientado que "Faltou apenas um diretor que conseguisse converter todos estes elementos em um novo clássico".

Natália Bridi do Omelete deu três estrelas em cinco: "Depois de Alice no País das Maravilhas e Frozen, foi vez da rainha das vilãs revelar ao público que existem outras formas de “amor verdadeiro” além daquelas que oferecem os príncipes encantados. Ainda que a intenção seja louvável, na pressa para criar uma nova moral, Malévola esqueceu de contar uma boa história".

James Berardinelli do Reelviews deu três estrelas em quatro, tendo destacado que "The marriage between the actress' capabilities and the director's experience results in a satisfying and successful motion picture". 

Steven Rea do The Philadelphia Inquierer também deu três estrelas em quatro possíveis ao filme: "But these are more complicated times. Empathy for such an enchantress? Why not?".

Por fim, Manohla Dargis do New York Times escreveu uma crítica relativamente positiva ao filme, tendo salientado que: "Consciously or not, coherently or not, “Maleficent” tells a new kind of story about how we live now, not once upon another time. And it does so by suggesting, among other things, that budding girls and older women are not natural foes, even if that’s what fairy tales, Hollywood and the world like to tell us".

"Maleficent" obteve 170 milhões de dólares globalmente em receitas de bilheteira, ao longo dos seus primeiros três/quatro dias em exibição. O orçamento do filme ainda não é conhecido, embora estes valores estejam longe de ser negativos, esperando-se que "Maleficent" venha a ser mais um sucesso para a Disney. "Maleficent" estreia em Portugal a 5 de Junho de 2014 com o título "Maléfica". Podem acompanhar o Rick's Cinema no Facebook em: https://www.facebook.com/RicksCinema

Sem comentários: