12 abril 2018

Crítica: "Surbiles" (2017)

Se nem sempre convence, também não deixa de ser notório que "Surbiles" tem o mérito de deixar-nos muitas das vezes desarmados e inquietos, com o realizador Giovanni Columbu a fazer com que deslizemos pelo interior desta obra que se movimenta pelas franjas do documentário e da ficção. A sua atmosfera é próxima à de um sonho, ou de uma assombração, enquanto ficamos diante de uma miríade de situações relacionadas com as criaturas do título. Observe-se o episódio que é exibido logo nos momentos iniciais, nomeadamente, quando somos colocados perante uma mulher a perambular pelas ruas durante a noite e a bater à porta de várias habitações. O trabalho de câmara reforça o mistério e as características quase labirínticas dos espaços por onde esta figura circula, enquanto os receios dos moradores (expostos em fora de campo) e a parca iluminação nocturna adensam a inquietação em volta dos objectivos desta estranha personagem. Será que estamos diante de alguém que quer ajuda ou de uma Surbile?

Estes seres são apresentados no início da obra e na sinopse disponibilizada pelo site da Festa do Cinema Italiano, onde "Surbiles" integra a secção Altre visione: "Surbiles são criaturas femininas lendárias, muito semelhantes aos vampiros, que pertencem há séculos à fantasia popular da Sardenha. Aparentemente como as outras, estas mulheres abandonam o seu corpo entre o pôr-do-sol e a madrugada, enquanto dormem ou quando recorrem a drogas, entrando nas casas para sugar o sangue das crianças. No passado, estas mulheres foram culpadas pela morte súbita e inexplicável de muitas crianças nas aldeias da Sardenha Central". Giovanni Columbu utiliza um estilo quase documental para apresentar as surbiles e algumas histórias relacionadas com as mesmas. Veja-se os depoimentos prestados por uma idosa que salienta que quando era mais nova ninguém lhe falara sobre as criaturas, algo que se repete com outra senhora vetusta. Diga-se que o cineasta ainda recolhe depoimentos de outras figuras, enquanto desperta a dúvida em relação à autenticidade dos testemunhos. Estaremos perante discursos genuínos ou diante de algo puramente ficcional? A segunda hipótese parece ser mais provável, embora "Surbiles" procure não abrir o jogo.

A fronteira entre a ficção e a realidade é esbatida por diversas vezes ao longo de "Surbiles", algo que contribui para a adensar o ambiente de mistério em redor dos episódios que são apresentados, com Giovanni Columbu a saber criar inquietação, sobretudo com o poder da sugestão. Observe-se o trecho em que encontramos uma idosa a virar uma cadeira ao contrário e a demonstrar alguma agitação, tendo dois jovens como companhia. O fora de campo é usado com acerto, ou não chegassem barulhos lá de fora que inquietam esta mulher, bem como falas sibilinas que adensam a dúvida em relação à identidade de quem está no exterior. Por sua vez, a câmara movimenta-se ao ritmo das vozes, percorre os rostos e os objectos ao mesmo tempo que reforça o receio que permeia os três elementos que estão no interior da casa, com o trio a protagonizar um dos trechos mais precisos e eficazes do filme. Ao longo de "Surbiles" ficamos ainda diante dos efeitos das acções provocadas pelos seres do título, bem como das repercussões das medidas de prevenção contra os mesmos, sempre com recurso a um estilo documental, muito cru e eivado de uma atmosfera de incerteza. 

O elenco é competente a respeitar a faceta documental desta obra que se envolve pelo interior dos mitos, enquanto a banda sonora sublinha com precisão a tensão e o mistério que perpassa pelo enredo. No entanto, a espaços é notório que falta mais calor a "Surbiles", que precisamos de mais diálogos, de ficar a conhecer mais as figuras que pontuam o filme e as criaturas (e os seus nomes) e até de algum dinamismo e conteúdo, com Giovanni Columbu a apostar em demasia numa impenetrabilidade que nem sempre funciona a favor da obra. É filme que pretende aquilo que estamos dispostos a dar e o que não queremos oferecer, ou não podemos, com os silêncios e o mistério a transformarem-se regularmente em omissões ou lacunas. Esperamos mais de "Surbiles", mas este muitas das vezes faz questão de oferecer menos. E nem sempre menos é mais.

Observação: Filme visionado no âmbito da cobertura da 11ª edição da Festa do Cinema Italiano

Título original: "Surbiles". 
Realizador: Giovanni Columbu.
Argumento: Giovanni Columbu e Maria Grazia Perria.
Elenco: Simona Bussu, Zuvanna Bussu, Zina Bussu, Maria Anna Bussu, Teresa Lostia, Ida Cottu.

Sem comentários: