10 setembro 2017

1917 no Ecrã: "Neobychainye priklyucheniya mistera Vesta v strane bolshevikov" (As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques)

 O Ciclo 1917 no Ecrã abriu na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema com "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques" (Neobychainye priklyucheniya mistera Vesta v strane bolshevikov), uma obra cinematográfica realizada por Lev Kuleshov. Com acompanhamento ao piano de Mário Laginha e apresentação de Peter Bagrov, a sessão contou com uma sala bem composta e bom cinema, ou não estivéssemos diante de uma obra cinematográfica de inestimável valor, que continua a manter uma vitalidade impressionante e a fazer sorrir o público. Estamos perante uma sátira à ignorância de alguns cidadãos dos EUA em relação à União Soviética, com Mr. John West (Porfiri Podobed), o protagonista, a surgir como a face mais visível desse desconhecimento. Este parte para a União Soviética na companhia do cowboy Jeddy (Boris Barnet), um amigo, funcionário e guarda-costas que tem uma habilidade inata para se envolver em confusões e desferir um número considerável de tiros. A preparação para a viagem conta com algumas situações hilariantes. Note-se as revistas que oferecem a Mr. West para alertá-lo sobre os bolcheviques (todos representados como figuras cavernículas com grandes bigodaças e enormes foices e martelos), ou os receios excessivos de Madge, a esposa do protagonista, ou o treino que Jeddy efectua para sobreviver na Rússia, nomeadamente, praticar o disparo. Na União Soviética, os destinos de Jeddy e Mr. West separam-se temporariamente. O primeiro protagoniza uma perseguição hilariante e uma fuga onde a mestria de Lev Kuleshov fica demonstrada. O segundo é alvo de um golpe por parte de um grupo de malfeitores de características peculiares. É a oportunidade para Lev Kuleshov utilizar elementos dos filmes dos EUA, sejam os westerns, as comédias, as obras que envolvem golpes, ou o burlesco, enquanto ficamos diante das aventuras de Jeddy e Mr. West no "País dos Bolcheviques". Mr. West e Jeddy chegam cheios de preconceitos, sobretudo o primeiro, mas, aos poucos, começam a conhecer este país para além dos clichés e a soltar-se dos lugares-comuns que guardavam no interior das suas mentes.


 Esse receio em relação ao desconhecido a espaços quase que atribui um tom intemporal ao filme (lançado originalmente em 1924), ou o medo do outro não continuasse na ordem do dia. Estamos perante uma obra cinematográfica falsamente simples, que resulta quer pela forma notável como os intérpretes gerem os seus gestos e expressões ao serviço do humor, quer pelo acerto na exposição das temáticas, quer pela montagem precisa e dinâmica, quer pela montanha-russa de emoções que contém no seu interior, quer pela atenção aos pormenores. Note-se a forma sublime como alguns objectos são inseridos no interior do enredo e utilizados ao serviço do humor. Entre esses objectos encontra-se uma mala que é colocada descuidadamente no cimo de um veículo, ou uma escultura que mais cedo ou mais tarde vai ser partida. Temos ainda a exibição da pistola de Jeddy, que sabemos desde uma fase prematura do enredo que vai causar reboliço na Rússia. Tudo parece ter sido pensado ao pormenor, com "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques" a jogar com as nossas expectativas e a superar as mesmas ao mesmo tempo que nos compele a seguir estes personagens peculiares. Regressemos à perseguição e fuga protagonizada por Jeddy. Após uma das malas de Mr. West cair do carro, Jeddy decide saltar do veículo, apanhar o objecto e tentar regressar à companhia do primeiro. Jeddy envolve-se em tiroteios, rouba um veículo, persegue o carro errado, lança a confusão nas ruas, desperta a atenção das autoridades, ou seja, acaba por protagonizar uma série de situações rocambolescas. A neve marca uma parte considerável dos cenários por onde Jeddy circula, mas a frieza está longe de assolar os sentimentos, bem pelo contrário, com as emoções a encontrarem-se ao rubro. Existe muito humor físico, uma série de gags memoráveis e a certeza de que Boris Barnet compõe um personagem extremamente peculiar e apelativo. Boris Barnet parece ter um enorme prazer a dar vida ao guarda-costas de Mr. West e faz com que tenhamos um sentimento semelhante ao observarmos o intérprete a incutir uma série de expressões e gestos bem vivos ao cowboy de trazer por casa. O actor insere um estilo exagerado e truculento a Jeddy, pelo menos até ficarmos a conhecer um pouco mais sobre este personagem, ou a utilização e a diluição dos estereótipos não surgissem como ingredientes que condimentam uma parte significativa do filme.


Quem também protagoniza uma epopeia rocambolesca é Mr. West, o nosso protagonista, uma figura com um visual à "Harold Lloyd", que tem uma enorme propensão para se envolver em enrascadas e em expressar o seu desconhecimento. Com meias decoradas com motivos relacionados com a bandeira dos EUA, óculos ovais, expressões faciais propositadamente peculiares, Porfiri Podobed tem em Mr. West um personagem digno de atenção, que representa o estereótipo do americano ignorante (se o filme tivesse sido lançado nos dias de hoje é provável que estivéssemos aqui a abordar os EUA de Donald Trump). É certo que Mr. West aos poucos começa a contactar com uma porção da realidade da União Soviética e a conhecer uma cultura distinta, mas primeiro tem de protagonizar algumas situações sui generis, ou não estivesse toldado pelo preconceito. Esse receio conduz Mr. West a assumir uma postura crédula, quase parola, ao ponto de cair no esquema do grupo de vigaristas que pretendem roubá-lo. O grupo é liderado por Zhban, um indivíduo que se aproveita do preconceito de Mr. West para extorqui-lo, com Vsevolod Pudovkin a incutir um tom deliciosamente trafulha e falsamente obsequioso a este criminoso pouco confiável. Outra das intérpretes que tem espaço para exibir o seu carisma e o seu talento para o humor físico é Aleksandra Khokhlova como a Condessa von Saks. De gestos e corpo esguio, carisma e capacidade de sedução, a Condessa von Saks procura seduzir o protagonista e enganá-lo, enquanto Aleksandra Khokhlova e Porfiri Podobed protagonizam alguns momentos de humor. Atente-se ao momento em que a falsa Condessa toca com os pés em Mr. West, ou a cena em que o segundo observa envergonhadamente as formas corporais da interlocutora. Diga-se que a câmara de filmar concede uma enorme atenção aos gestos destas figuras, seja em planos fechados a acompanhar os seus pés num caricato momento de sedução, ou a isolar os rostos e a deixá-los exprimirem aquilo que vai na mente dos personagens. Também a iluminação é utilizada com acerto. Veja-se as cenas em que Mr. West e a Condessa estão aprisionados, com as sombras a transmitirem uma sensação de prisão. A título de curiosidade, importa salientar que uma parte significativa destes intérpretes, tais como Boris Barnet, Aleksandra Khokhlova e Vsevolod Pudovkin também viriam a contar com carreiras assinaláveis na realização cinematográfica, com este último a assumir ainda a função de director de arte de "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques".


 As interpretações destes actores e actrizes contam com uma dimensão bastante física, com "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques" a surgir como um exemplo paradigmático do sucesso do trabalho que Lev Kuleshov desenvolveu com os intérpretes. Esse trabalho de Lev Kuleshov com os actores é mencionado pelo próprio em algumas passagens do livro "Kuleshov on Film: Writings", onde aborda diversos temas, tais como alguns assuntos relacionados com os ensaios: "In working on West we developed a very interesting semi-rehearsal method (...). I went to the shooting set and rehearsal of West as the 'chief observer' or 'chief-in-command,' while Pudovkin, Khokhlova, Obolensky, Jomarov, and Podobed created sets with various decorations. Each of them separately rehearsed in the course of a day or two their assigned part of a scene or an entire scene. I went from one set from another in the studio and observed how these rehearsels progressed, and directed the work. To their most minute detail, all the scenes are staged in this manner by various people, various co-directors, various assistants, but solely under my direction. In this fashion, alredy with Mr. West, the rehearsal method was applied, but the entire work was not rehearsed in advance - rather, individual scenes were". É algo que remete também para o laboratório sobre o trabalho do actor de cinema que Lev Kuleshov organizou, mas também para a necessidade do cineasta reforçar que a Sétima Arte exige uma escola específica de interpretação. Note-se a citação atribuída ao realizador que se encontra na folha da Cinemateca: "(...) O filme tinha de ser feito para descobrir se tínhamos razão e para provar que as escolas de teatro eram insatisfatórias para o cinema e que este exigia uma escola específica. Muito pouca gente aderia a esta ideia. Toda a gente defendia a teatralização do cinema, o Teatro de Arte de Moscovo era a referência absoluta. O mais difícil foi demonstrar que os novos actores, treinados especificamente para trabalhar no cinema, eram muito melhores do que as vedetas vindas do teatro psicológico". Lev Kuleshov teorizou sobre o trabalho dos actores e a montagem (sim, não podemos escrever este texto sem mencionar o efeito Kuleshov), tendo em "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques" uma obra cinematográfica onde encontramos de forma paradigmática alguns desses cuidados. Em "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques", Lev Kuleshov parte do receio e preconceito em relação ao desconhecido para satirizar estes medos, enquanto compele o espectador a seguir uma obra cinematográfica cheia de ritmo, humor, interpretações marcantes, momentos memoráveis, ecos da Revolução Russa e um americano a descobrir os bolcheviques.


Título original: "Neobychainye priklyucheniya mistera Vesta v strane bolshevikov".
Título em Portugal: "As Extraordinárias Aventuras de Mr. West no País dos Bolcheviques".
Realizador: Lev Kuleshov.
Argumento: Nikolai Aseyev e Vsevolod Pudovkin.
Elenco: Porfiri Podobed, Boris Barnet, Aleksandra Khokhlova, Vsevolod Pudovkin.

Sem comentários: