09 abril 2017

Resenha crítica: "Smetto quando voglio - Masterclass"

 Pontuado por situações delirantes como uma perseguição e fuga em plena Villa Adriana, uma dinâmica convincente entre os diferentes personagens, uma banda sonora enérgica, uma capacidade muito italiana de encontrar o humor em momentos muitas das vezes desesperantes ou dramáticos, "Smetto quando voglio - Masterclass" surge como uma comédia cheia de ritmo, estilizada, pronta a divertir o espectador sem ferir a inteligência do mesmo, enquanto comprova que a commedia all'italiana está viva, de boa saúde e recomenda-se. "Smetto quando voglio - Masterclass" efectua alguns comentários de foro social sobre temáticas relacionadas com o desemprego, a dificuldade dos licenciados em integrarem ou serem inseridos no mercado de trabalho, o tráfico de drogas, entre outras, embora o foco esteja no humor, acção e aventura, com Sydney Sibilia a realizar uma obra cinematográfica pontuada por imensos ingredientes do género. O argumento aposta na familiaridade entre o espectador e os personagens, bem como nas dinâmicas destes últimos, ou os eventos que se desenrolam em "Smetto quando voglio - Masterclass", o segundo capítulo da trilogia "Smetto quando voglio", não tivessem como protagonistas a quadrilha de criminosos com o “quociente de inteligência mais alto de sempre". Liderada por Pietro Zinni (Edoardo Leo), um indivíduo formado em neurobiologia, esta equipa conta com os seguintes elementos: Alberto Petrelli (Stefano Fresi), um especialista em química computacional; Andrea De Sanctis (Pietro Sermonti), um antropólogo; Mattia Argeri (Valerio Aprea) e Giorgio Sironi (Lorenzo Lavia), dois latinistas; Bartolomeo Bonelli (Libero De Rienzo), um especialista em macroeconomia dinâmica; Arturo Frantini (Paolo Calabresi), um arqueólogo. Em "Smetto quando voglio", Pietro reuniu estes elementos para formar um negócio ilegal relacionado com o fabrico e venda de smart drugs. Ou seja, a quadrilha de Pietro é constituída por elementos que contam com imenso conhecimento sobre diversas áreas, embora não tenham experiência nos meandros do tráfico de substâncias estupefacientes, algo que não os impediu de criar uma smart drug que se revela um sucesso de vendas. No entanto, a falta de preparação dos diversos integrantes do grupo acaba não só por conduzir a que Pietro Zinni seja detido, mas também a que o negócio termine de forma inglória. "Smetto quando voglio - Masterclass" reúne estes personagens e insere uma série de novas figuras que se encaixam relativamente bem no interior desta obra cinematográfica cheia de estilo e ritmo, tais como Paola Coletti (Greta Scarano), uma inspectora da divisão de narcóticos que se prepara para utilizar o gang de Pietro para o combate às smart drugs.


 Perante a incapacidade das autoridades em travarem a proliferação destes estupefacientes, em grande parte devido às contingências inerentes à burocracia legal, Paola decide formar uma equipa à margem da polícia, algo que a conduz a contactar com Pietro, tendo em vista a efectuar uma oferta quase irrecusável. Greta Scarano imprime um cunho aparentemente decidido e frontal a Paola, com a actriz a inserir-se relativamente bem no interior do elenco desta obra cinematográfica e a ter algum espaço para sobressair, sobretudo quando a personagem que interpreta se reúne com o grupo de génios falhados. A proposta de Paola passa por Pietro descobrir trinta substâncias consideradas legais, que são utilizadas como smart drugs, e encontrar a proveniência das mesmas, algo que permitiria anular parte deste mal pela raiz. Em troca, Paola oferece um acordo que supostamente permitirá que Pietro consiga sair em liberdade, bem como que os elementos do grupo fiquem com o cadastro limpo, assim que a missão for concluída com sucesso. A juntar a tudo isto, enquanto a operação estiver a decorrer, Pietro pode entrar e sair da prisão quando quiser, quer para visitar Giulia (Valeria Solarino), a namorada, que se encontra grávida de um rapaz, quer para cumprir as obrigações inerentes a esta missão. Nesse sentido, Pietro não só consegue reunir a quadrilha, com boa parte dos elementos a encontrarem-se em situações tão precárias como no período anterior a terem conhecido alguma prosperidade com o negócio das smart drugs, como traz novos elementos para a equipa. Esta reunião do grupo permite que diversos elementos do elenco sobressaiam, tais como Stefano Fresi, com o actor a incutir um estilo meio neurótico a Alberto, um indivíduo que se procura libertar do vício das drogas e apresenta um talento enorme a identificar as substâncias das smart drugs. Entre os novos integrantes do bando encontram-se Giulio Bolle (Marco Bonini), um anatomista que foi condenado por exercer medicina de forma "criativa" ou, se preferirem, ilegal, que agora vive na Tailândia, onde participa em vários combate; Lucio Napoli (Giampaolo Morelli), um "senhor da guerra low cost", que vende armas eco-sustentáveis ​​para guerrilheiros e fornece uma série de armamento peculiar ao grupo; Vittorio, um advogado especialista em direito canónico. Ou seja, tanto os novos elementos do grupo como os mais antigos apresentam conhecimentos em áreas relevantes, embora não contem com uma situação profissional estável. A liderar este grupo peculiar, pontuado por diversas idiossincrasias, encontra-se Pietro, com Edoardo Leo a revelar um enorme carisma e talento para controlar os timings dos momentos de humor como esta espécie de Danny Ocean trapalhão e propenso a envolver-se em problemas. 


 A referência a Danny Ocean não é efectuada ao acaso, com "Smetto quando voglio - Masterclass" a parecer ter bebido alguma da sua inspiração quer nas obras da saga "Ocean's Eleven", quer nos filmes de franquias "Indiana Jones" (note-se os momentos relacionados com o comboio que transporta um carregamento de pílulas, ou a presença dos veículos nazis), "James Bond" (a perseguição e fuga na Villa Adriana, ou as armas fabricadas por Lucio), bem como nas comédias à italiana e em algumas fitas de Guy Ritchie (como "Lock, Stock and Two Smoking Barrels": o tráfico de droga, o humor negro, a atmosfera estilizada, o bando que se envolve numa enrascada). Algumas destas referências já tinham sido utilizadas em "Smetto quando voglio", com Sydney Sibilia a repetir uma fórmula que resultou para levar estes personagens a novas situações e a colocá-los à prova, enquanto a quadrilha procura encontrar smart drugs e retirá-las de circulação. Desde idas a armazéns e lares de idosos, passando por estabelecimentos comerciais e discotecas, os elementos do grupo deslocam-se a diversos locais enquanto procuram smart drugs e os espaços onde são fabricadas. A maior parte das vezes conseguem encontrar as substâncias e o local de produção de forma rápida, com o argumento a falhar em conseguir atribuir um sentido de dificuldade e perigo em volta das missões desta quadrilha, com excepção quando estes elementos tentam descobrir a proveniência e a tipologia da Sopox, uma das smart drugs mais vendidas. Essa falta de sentimento de perigo (até pela violência aparecer muitas das vezes matizada pelas situações humorísticas), não implica que "Smetto quando voglio - Masterclass" esteja desprovido de alguns momentos de fulgor e acção, algo latente em episódios tão delirantes como a mencionada perseguição e fuga em plena Villa Adriana, ou trecho em que Pietro e alguns elementos do grupo se deslocam em veículos nazis em plena cidade de Roma. São duas situações completamente alucinadas, que comprovam a saudável loucura dos envolvidos, com o filme a piscar o olho quer à realidade italiana (desde as temáticas ao aproveitamento dos espaços de Roma), quer ao cinema comercial anglófono, enquanto tenta envolver o espectador no interior deste grupo peculiar e aproveita as especificidades dos seus integrantes. Temos ainda a inclusão de um trecho de animação que desafia a expectativa dos espectadores, com Sydney Sibilia a procurar divertir o público a todo o custo, pese o mencionado problema da facilidade com que boa parte da missão do grupo se desenrola, para além do final demasiado em aberto para dar espaço para a sequela e dos filtros manhosos que já nem se usam no Instagram. Pelo meio não falta uma entrada em cena de Luigi Lo Cascio quase a fazer recordar Jason Statham em "Furious 6", bem como a procura de Pietro em tentar que Giulia não saiba desta missão, enquanto a personagem interpretada por Valeria Solarino desespera com as atitudes do namorado. Sydney Sibilia não dá uma masterclass de como efectuar uma sequela praticamente à altura do primeiro filme mas anda lá perto.

Título original: "Smetto quando voglio - Masterclass".
Realizador: Sydney Sibilia.
Argumento: Sydney Sibilia, Luigi Di Capua, Francesca Manieri.
Elenco: Edoardo Leo, Greta Scarano, Stefano Fresi, Valerio Aprea, Libero De Rienzo, Paolo Calabresi, Lorenzo Lavia, Luigi Lo Cascio, Giampaolo Morelli, Rosario Lisma, Valeria Solarino.

Sem comentários: