07 agosto 2016

Resenha Crítica: "Gorbaciof" (2010)

 Com uma mancha na pele inerente a uma malformação capilar que lhe valeu a alcunha de Gorbaciof, (a remeter para Mikhail Gorbachev, o oitavo e último líder da União Soviética, um indivíduo que tinha uma marca semelhante), uma personalidade introvertida e um enorme vício pelo jogo, Marino Pacileo (Toni Servillo) é um caixeiro solitário, que trabalha num estabelecimento prisional situado em Poggioreale. Pacileo é o protagonista de "Gorbaciof", um drama que tanto tem de delicado como de violento, onde os gestos e os olhares contam com tanta ou mais importância do que as parcas palavras que ouvimos a serem emitidas pelo personagem principal ou Lila (Yang Mi). Esta é uma imigrante chinesa que se encontra a trabalhar no restaurante do pai (Hal Yamanouchi), um local onde decorrem jogos de póquer ilegais, com a jovem a despertar a atenção do protagonista, embora Lila não saiba uma única palavra de italiano. A dinâmica entre Pacileo e Lila é trabalhada de forma sublime por Stefano Incerti, com o cineasta a atribuir uma enorme atenção aos gestos destes personagens, enquanto beneficia da capacidade de Toni Servillo e Yang Mi conseguirem expressar-se facilmente através das expressões corporais, com o actor e a actriz a convencerem em relação aos estranhos e ternos sentimentos que se formam entre esta dupla. Yang Mi concede uma candura e sensibilidade a Lila que nos desarma com facilidade, com esta personagem a deparar-se com uma realidade nem sempre agradável no interior do território de Nápoles, com o próprio pai a parecer ter planos pouco recomendáveis para o futuro da jovem. Toni Servillo surge imponente, construindo um personagem que tanto tem de problemático como de sensível, com o actor a conseguir transmitir que estamos diante de uma figura que se encontra numa zona cinzenta, deambulando entre o bem e o mal. Gorbaciof tanto é capaz de roubar dinheiro e envolver-se em assaltos como proteger Lila e protagonizar alguns momentos de enorme candura ao lado da jovem, com a dupla a parecer complementar-se praticamente na perfeição. Ele é solitário, fala pouco, habita num espaço decorado de forma simples e não tem grandes amizades. Ela é bastante observadora, não fala italiano, apresenta uma sensibilidade latente e parece curiosa em relação a Pacileo. O momento-chave para o início desta peculiar relação de amizade - que parece conter no seu interior outro tipo de sentimentos - acontece quando Lila é alvo de comentários insultuosos por parte de dois clientes, com Pacileo a defendê-la e a avançar com violência contra a dupla. Diga-se que Pacileo conta uma compleição física relativamente imponente e uma força capaz de meter respeito, com o protagonista a não ter problemas em envolver-se em situações de pancadaria, embora demonstre por diversas vezes alguns sinais de fraqueza. O vício pelo jogo é a maior fraqueza de Pacileo, com este a contar com uma rotina monótona e solitária, pelo menos até conhecer Lila. A rotina de Pacileo centra-se sobretudo em dirigir-se de casa para o trabalho e, ao sair do espaço prisional, deslocar-se para diversos locais de jogo, tais como o restaurante chinês do pai de Lila, um estabelecimento onde decorrem jogos de póquer ilegais. Os jogos são organizados por um advogado (Geppy Gleijeses) moralmente corrupto, que conta quase sempre com a companhia de um capanga para recolher as verbas em falta, enquanto tudo decorre no interior de uma sala recôndita do restaurante. Muito dinheiro é colocado em jogo, enquanto as cartas ditam o azar ou a sorte de alguns jogadores, com Pacileo e o pai de Lila a perceberem da pior maneira que tudo pode mudar rapidamente de um momento para o outro.

 Mais do que jogar para ganhar dinheiro ou enriquecer, Pacileo parece jogar devido ao vício que formou em relação à jogatana, com este indivíduo a furtar regularmente o dinheiro do cofre da prisão, embora devolva o mesmo de forma amiúde, pelo menos enquanto ganha. Por sua vez, o pai de Lila mete-se numa enrascada que pode colocar a jovem em perigo, embora Gorbaciof exiba um instinto protector latente em relação à sua "protegida". A personagem interpretada por Yang Mi é uma das muitas jovens que partem da China sem saberem uma única palavra da língua do país para onde se deslocam, parecendo um "peixe fora de água" no interior deste território napolitano. O restaurante chinês onde Lila trabalha conta com um ambiente semelhante a tantos outros espaços do género com que nos deparamos pelas ruas, com o trabalho a nível da decoração do cenário e a atmosfera criada em volta do mesmo a contribuírem para essa sensação. Não falta a música genérica, a decoração muito própria dos restaurantes chineses baratos, embora o estabelecimento acabe por servir para outro tipo de actividades ilegais. A cinematografia adapta-se com sobriedade àquilo que o filme pede, com a câmara a tanto contribuir para adensar o sentido de urgência e intensidade em volta de alguns episódios, tais como o momento em que o pai de Lila perde um jogo e fica subentendido que o advogado encara a jovem como um bem que está em disputa, ou para incrementar a estranha ternura de alguns trechos protagonizados pelos personagens interpretados por Toni Servillo e Yang Mi. Diga-se que o trabalho de câmara é ainda essencial para nos apresentar de forma rápida e prática a alguns cenários, algo notório quando Gorbaciof entra no restaurante, a câmara de filmar desloca-se ligeiramente para a esquerda para exibir a sala onde se encontram sentados os clientes, até avançar pela cozinha e pelo espaço que permite chegar ao local de jogo, com o personagem interpretado por Toni Servillo a ser quase sempre acompanhado por Stefano Incerti e Pasquale Mari (director de fotografia). O restaurante encontra-se localizado num espaço de Nápoles, em particular, na Campânia, conhecido pela sua natureza multiétnica, com a presença asiática a ser sentida. Veja-se quando encontramos um grupo de origem asiática a jogar às cartas numa rua, ou o restaurante do pai de Lila. A personalidade dura de alguns italianos, tais como Pacileo, remete para a dureza deste espaço algo periférico, com o protagonista a contactar de perto com uma realidade pontuada pela crueza. Esta situação é desde logo visível pela forma muitas das vezes rude e directa como Pacileo dialoga, com o passado deste indivíduo a nem sempre ter sido fácil, com a ida a um cemitério para visitar o túmulo de um familiar a indicar isso mesmo (o próprio facto de dormir numa cama de casal pode indicar que este é viúvo, ou simplesmente que este blogger é um nabo a interpretar filmes). Diga-se que o quotidiano de Pacileo passa por matar a fome com comida rápida, jogar (seja em máquinas, no bingo ou póquer) e trabalhar, com os seus desfalques a prometerem trazer-lhe problemas, sobretudo quando começa a perder no póquer e a contrair empréstimos. Os momentos de maior felicidade de Pacileo acontecem quando este se encontra ao lado de Lila, com a banda sonora, o argumento, o trabalho dos actores e de Stefano Incerti a contribuírem para incutir uma enorme naturalidade e estranha ternura a esta dinâmica entre os personagens interpretados por Toni Servillo e Yang Mi, algo que contribui para que sejamos conquistados por esta dupla. Veja-se quando encontramos Lila e Pacileo a divertirem-se numa loja e no espaço do aeroporto, ou quando visitam o jardim zoológico durante a noite.

 Os passeios protagonizados por Lila e Pacileo permitem aumentar a intimidade entre estes dois personagens, com a relação de proximidade entre ambos a ser construída à base de gestos, olhares, silêncios e emoções, enquanto Stefano Incerti desenvolve a dinâmica destas duas figuras de forma sublime. A certa altura de "Gorbaciof", torna-se praticamente impossível não torcer para que Pacileo e Lila encontrem a felicidade e ultrapassem as adversidades, embora esse desejo pareça improvável ou praticamente impossível de ser concretizado. Pacileo envolve-se por um caminho negro, sobretudo a partir do momento em que se endivida junto de um guarda prisional corrupto (Nello Mascia) e do advogado, para além de furtar divisas do cofre da prisão, ou seja, o percurso problemático que percorre não augura nada de bom para o seu futuro. A juntar a tudo isso, a violência permeia o quotidiano de Pacileo, com o próprio a envolver-se em confusões escusadas que prometem colocar em perigo o objectivo de ser feliz ao lado de Lila. No final, o poder dos close-ups fica paradigmaticamente representado quando ficamos quer diante do olhar de Pacileo, quer de Lila. O estado de espírito de ambos os personagens é distinto, embora estejam a pensar um no outro, enquanto ficamos com a certeza do sucesso de Stefano Incerti na construção destes dois elementos e das suas dinâmicas. Com um sorriso que a espaços traz à memória o personagem interpretado por Conrad Veidt em "The Man Who Laughs", com o riso do protagonista a nem sempre ser sinónimo de alegria, Gorbaciof permite a Toni Servillo ter espaço para compor um personagem que capta facilmente a nossa atenção, mesmo quando comete actos pouco recomendáveis. Por sua vez, Yang Mi consegue exprimir o mistério, ingenuidade e ternura de Lila, uma jovem que desperta a atenção do protagonista, com muito a ser sentido e pouco a ser dito entre esta e Pacileo. Já elementos secundários como Geppy Gleijeses (o advogado corrupto unidimensional que permite explanar a teia de corrupção que existe neste território), Hal Yamanouchi (como um indivíduo que parece pouco preocupado com a filha), Nello Mascia (como o polícia corrupto que promete envolver o protagonista numa enrascada ainda maior) não têm grande espaço para sobressair, apesar das acções dos personagens que interpretam contarem com alguma relevância para o destino de Lila e Pacileo. Stefano Incerti quase que nos brinda com um filme praticamente sem diálogos, com as falas de Lila e Pacileo a serem reduzidas ao máximo, algo que permite explanar quer o talento de Yang Mi, quer de Toni Servillo, com a actriz e o actor a conseguirem exprimir de forma sublime aquilo que vai no interior da alma dos personagens que interpretam ao longo deste drama bastante recomendável. 

Título original: "Gorbaciof".
Realizador: Stefano Incerti.
Argumento: Stefano Incerti e Diego De Silva.
Elenco: Toni ServilloYang Mi, Geppy Gleijeses, Nello Mascia, Hal Yamanouchi.

Sem comentários: