11 julho 2016

Resenha Crítica: "I nostri ragazzi" (2014)

 Como reagir à notícia de que um familiar cometeu um crime? Encobrir o familiar ou denunciar o mesmo à polícia? O que conduziu esse familiar a cometer um crime? Os protagonistas de "I nostri ragazzi" têm de lidar com estas questões, com Ivano De Matteo a conseguir estabelecer de forma simples e eficaz a personalidade dos personagens principais, bem como as suas dinâmicas, até nos tirar o tapete ao expor como tudo muda em situações de desespero. Os personagens que pareciam funcionar como um barómetro moral acabam por evidenciar características mais egoístas e agressivas, enquanto outros que indicavam alguma frieza e imoralidade surpreendem pela forma intensa como são consumidos pelas dúvidas relacionadas com aquilo que devem ou não fazer para ficarem em paz consigo próprios. O argumento é inteligente e bem construído, com "I nostri ragazzi" a afastar-se de soluções ou caminhos fáceis, enquanto procura explorar as motivações de ambos os lados da contenda e dar espaço para os intérpretes sobressaírem. O elenco exibe-se em bom nível, com Alessandro Gassman a fazer justiça ao apelido, embora nomes como Luigi Lo Cascio, Giovanna Mezzogiorno, Barbora Bobulova, Jacopo Olmo Antinori, Rosabell Laurenti Sellers, também mereçam alguns adjectivos positivos, com Ivano De Matteo a saber construir a teia narrativa que une os personagens principais, enquanto nos surpreende com alguns episódios que permitem abordar uma série de temáticas e levantar uma miríade de questões. Desde as relações entre pais e filhos, passando pela forma como os primeiros conhecem ou não os segundos e as divergências entre irmãos, até à forma como a violência nos meios televisivos e online pode ou não influenciar os adolescentes, "I nostri ragazzi" aborda uma série de temáticas de relevo, enquanto nos deixa diante de uma família que se depara com uma situação intrincada. Tudo começa com uma altercação no meio do trânsito, com dois indivíduos a iniciarem uma discussão que termina da pior maneira, ou seja, com um assassinato. Um dos interlocutores é polícia, apesar de contar com uma personalidade pouco ponderada e provocadora. O outro indivíduo conta com o filho no interior do carro, embora não tenha problemas em sair do veículo e ameaçar o seu interlocutor. O polícia sente-se ameaçado, algo que o conduz a disparar na direcção do seu interlocutor. Este acto resulta no assassinato do elemento que ameaçava o polícia, bem como no ferimento do petiz, com o jovem a encontrar-se em risco de ficar paraplégico. Por sua vez, a progenitora do jovem fica em choque, com a viúva a procurar que se faça justiça em tribunal, embora o polícia conte com um advogado de prestígio. O advogado do polícia é Massimo (Alessandro Gassman), um profissional experiente que é conhecido por defender todo o tipo de casos, independentemente dos seus clientes serem culpados ou inocentes. O destino pode ser irónico, ou uma dupla de argumentistas, que o diga Paolo (Luigi Lo Cascio), um pediatra ponderado e afável que é designado para tratar de Stefano, o jovem que foi ferido. O personagem interpretado por Luigi Lo Cascio é irmão de Massimo, com os dois familiares a apresentarem personalidades francamente distintas, pelo menos no início de "I nostri ragazzi", com o caso do assassinato do polícia e do ferimento do jovem a ser fundamental para Ivano De Matteo dar a conhecer um pouco do pediatra e do advogado, embora estes nos surpreendam ao longo do filme, com a moralidade do primeiro a ser colocada em jogo, bem como o pragmatismo do segundo.

 Paolo é casado com Chiara (Giovanna Mezzogiorno), uma guia de um museu situado em Roma, com quem tem um filho adolescente. Michele (Jacopo Olmo Antinori), o filho de Paolo e Chiara, tem dezasseis anos de idade, passa boa parte do seu tempo a ver vídeos violentos, atravessa uma fase menos positiva na escola, conta com uma personalidade problemática e uma relação de amizade com Benedetta (Rosabell Laurenti Sellers), a sua prima. Benedetta é filha de Massimo, com a adolescente a ser mimada pelo pai e Sofia (Barbora Bobulova), a madrasta, apresentando uma personalidade rebelde e uma postura despreocupada em relação às consequências dos actos que comete. Michele e Benedetta são dois adolescentes problemáticos, fãs de "Jackass" e da série online "Next Stop", com a dupla a encarar os programas como um exemplo, uma situação que se revela problemática. "I nostri ragazzi" não condena ou diaboliza estes programas, embora exiba o poder negativo de ambos quando interpretados de forma incorrecta pelos espectadores, sobretudo quando quem se encontra a ver os mesmos são dois adolescentes dotados de alguma rebeldia e sadismo. Tanto Michele como Benedetta contam com progenitores protectores, embora quer Massimo, quer Paolo disponibilizem pouco tempo para os rebentos. Massimo passa boa parte do dia no seu escritório, enquanto Paolo tem de cumprir uma miríade de turnos, ou seja, os dois irmãos estão pouco informados sobre os filhos. Paolo e Massimo procuram reunir-se uma vez por mês, com a companhia das respectivas esposas, no mesmo restaurante de sempre, embora estejam longe de apresentar uma grande intimidade, com estes encontros a parecerem acima de tudo uma tradição que mantêm de forma burocrática. Veja-se quando Paolo e Chiara exibem o desprezo para com estes encontros, ou a discussão entre o primeiro e Massimo, com o médico a questionar os valores morais do advogado. Paolo exibe algum desconforto por Massimo representar o polícia que assassinou um inocente e feriu gravemente uma criança, enquanto o irmão assume uma postura aparentemente fria em relação ao caso, apesar das palavras do familiar não lhe serem indiferentes. Alessandro Gassman e Luigi Lo Cascio conseguem transmitir as personalidades distintas dos personagens que interpretam, com o primeiro a incutir um tom mais pragmático e altivo a Massimo, embora a situação se altere com o avançar da narrativa, enquanto o segundo demonstra a simplicidade e os fortes valores morais de Paolo, apesar de "I nostri ragazzi" fazer questão de exibir que este último também está longe de ser infalível. Massimo e Paolo apresentam uma situação financeira segura, algo que se torna notório quando observamos as suas habitações, contam com casamentos pontuados pela solidez, embora o médico e o advogado pareçam reger-se por valores distintos. No entanto, um episódio violento altera por completo a percepção que temos destes personagens, bem como o modo como estes encaram a vida. O episódio acontece após Michele e Benedetta abandonarem uma festa, com o primeiro a beber mais do que a conta, enquanto a segunda acompanha-o, com ambos a saírem ao mesmo tempo. Não sabemos ao certo aquilo que aconteceu nos momentos que antecederam à chegada de Michele e Benedetta às respectivas casas, pelo menos até Chiara visionar o seu programa preferido e assistir a um vídeo de segurança relacionado com um casal de adolescentes que agrediu brutalmente uma sem-abrigo.

 Chiara desconfia que Michele e Benedetta são os agressores da sem-abrigo, confrontando o filho com esta situação, embora o adolescente rechace inicialmente as acusações da mãe. Por sua vez, Benedetta dialoga com o pai sobre a possibilidade deste defender dois amigos que supostamente cometeram o crime, com Massimo a perceber que a filha e Michele são culpados. A piorar tudo isto, a sem-abrigo morre após ter estado em coma, uma situação adversa que promete despertar o lado mais selvagem de alguns personagens, com Ivano De Matteo a saber explorar as tensões familiares de forma exímia, beneficiando e muito do bom argumento do próprio e de Valentina Ferlan (inspirado no livro "Het diner" de Herman Koch), bem como de um elenco competente. Luigi Lo Cascio consegue explorar e transmitir os sentimentos contraditórios do personagem que interpreta, com a ponderação e o bom humor de Paolo a darem lugar a um sentimento de culpa e raiva, enquanto o médico começa a descarregar as suas frustrações em tudo e todos. Se no início do filme encontrámos Paolo a criticar o irmão por defender um criminoso, já no último terço a situação muda de figura, com o médico a parecer esperar que o advogado assuma uma postura suja. Alessandro Gassman é o actor que mais se destaca, com Ivano De Matteo a parecer divertir-se a desfazer a ideia que formámos inicialmente em relação a Massimo, enquanto o intérprete transmite essas transformações de forma orgânica. Massimo é um advogado que gosta de desfrutar de alguns luxos, pratica boxe e frequenta bons restaurantes, embora passe pouco tempo em casa, apesar de amar a esposa e as suas duas filhas, com o protagonista a ter uma filha ainda bebé, fruto do casamento com Sofia. Tudo e todos esperam que Massimo utilize as suas artimanhas para deixar os jovens livres de perigo, embora o advogado assuma uma postura inesperada e complexa, parecendo querer que os adolescentes percebam o crime que cometeram. O rosto de Alessandro Gassman exibe as dúvidas que assolam a alma de Massimo, com o modo de falar do actor a apresentar uma certa fragilidade, enquanto o advogado entra em mais discussões com Chiara e Paolo. Chiara procura desculpar a atitude do filho, atirando constantemente as culpas para Benedetta ao mesmo tempo que exibe o seu desprezo para com Sofia. Tal como Luigi Lo Cascio e Alessandro Gassman, também Giovanna Mezzogiorno tem de incutir uma mudança de postura na personagem que interpreta, com Chiara a começar a exibir as suas opiniões de forma frontal, enquanto transmite uma estranha frieza a lidar com os actos dos jovens, procurando desculpabilizar o filho por ter assassinado uma sem-abrigo quando estava alcoolizado, embora pareça que esta mulher está em negação. Sofia assume quase sempre uma postura ponderada, de poucos confrontos, com Barbara Boulova a interpretar a personagem que parece mais estável ao longo de toda a narrativa, mesmo quando Chiara assume todo o desprezo em relação à cunhada, com as duas figuras femininas a contarem com uma relação afastada. O trabalho dos actores é de grande nível, sobretudo quando Ivano De Matteo reúne Massimo, Paolo, Chiara e Sofia e coloca estes personagens a dialogarem em cenários fechados, com estes elementos a travarem-se de razões e a exporem aquilo que os une e separa. 

 O amor aos filhos é algo que une estes dois casais, bem como o desafogo financeiro, embora Massimo, Paolo, Sofia e Chiara apresentem personalidades claramente distintas, algo que dificulta e muito as reuniões familiares. "I nostri ragazzi" aborda a forma como uma situação-limite pode alterar por completo o modo como o ser humano encara as situações e o meio que o rodeia. Veja-se o caso de Paolo, com o médico a não ter problemas em condenar o irmão por contribuir para que criminosos não sejam presos, embora seja o primeiro a ameaçar Massimo quando este pondera denunciar os adolescentes. Paolo parece claramente transtornado pelo acto violento protagonizado pelo filho e pela sobrinha, com Luigi Lo Cascio a transmitir os sentimentos contraditórios deste pediatra que tem de decidir entre manter os seus valores ou abdicar dos mesmos para proteger o rebento. Já Jacopo Olmo Antinori e Rosabell Laurenti Sellers assumem a postura quase sempre despreocupada dos personagens que interpretam, com Michele e Benedetta a surgirem como dois adolescentes aburguesados e mimados, que conseguem tudo aquilo que querem. Num determinado momento de "I nostri ragazzi", encontramos Massimo a ouvir um diálogo entre Michele e Benedetta no qual os jovens assumem uma postura francamente inadmissível em relação ao assassinato, enquanto demonstram que sabiam aquilo que faziam. Os adolescentes confiam que Massimo vai fazer de tudo para livrá-los de possíveis problemas, embora o advogado fique diante de um dilema moral. Nesse sentido, Ivano De Matteo consegue surpreender-nos em relação às características dos personagens, exibindo o verdadeiro carácter dos mesmos a partir do momento em que os coloca em situações adversas, enquanto desfaz gradualmente as percepções que tínhamos em relação a certos elementos e deixa-nos na dúvida sobre qual seria a nossa reacção numa situação semelhante. Esconder a verdade ou denunciar um familiar? Aos poucos, os ânimos exaltam-se, as animosidades antigas surgem ao de cima, as personalidades de alguns protagonistas assumem características até então desconhecidas, enquanto Ivano De Matteo conduz os actores e actrizes como um grande maestro dirige a sua orquestra, com o cineasta a saber gerir os ritmos das revelações, a desenvolver assertivamente as dinâmicas entre os personagens e a conseguir que o espectador reflicta e se envolva nas questões que apoquentam Massimo, Paolo, Chiara e Sofia. 
 
Título original: "I nostri ragazzi".
Realizador: Ivano De Matteo.
Argumento: Ivano De Matteo e Valentina Ferlan.
Elenco: Alessandro Gassman, Luigi Lo Cascio, Giovanna Mezzogiorno, Barbora Bobulova, Jacopo Olmo Antinori, Rosabell Laurenti Sellers.

Trailer de "I nostri ragazzi":



Sem comentários: