06 maio 2016

Resenha Crítica: "Mundo Cão" (2016)

 Recheado de reviravoltas, raptos, mortes, situações intensas, uma banda sonora pronta a adequar-se aos ritmos do enredo, "Mundo Cão" surge como um thriller competente, salpicado por elementos de drama, acção e humor negro, com Marcos Jorge a desenvolver uma obra cinematográfica inquietante e envolvente, pontuada por interpretações de bom nível de Babu Santana e Lázaro Ramos. Tudo começa com um mal-entendido, com o excesso de zelo no cumprimento da lei a contribuir para o abate de um rottweiler que pertencia a Nenê (Lázaro Ramos), um antigo polícia, agora gangster, que se encontra ligado ao jogo ilegal. Quem recolhe o cão é Santana (Babu Santana), bem como Ramiro (Paulinho Serra), dois funcionários do Departamento de Combate às Zoonoses, com o personagem interpretado por Babu Santana a confrontar Nenê, após este último exibir um comportamento exaltado e violento quando descobre que o seu rottweiler foi alvo de eutanásia. A lei permite que os cães que se encontrem nas ruas sejam abatidos no espaço de três dias, a não ser que alguém reclame a posse do canídeo, algo que conduz à eliminação do animal de estimação de Nenê. Este não considera os cães como meros animais de estimação, com Nenê a adorar o convívio com os mesmos, para além de utilizá-los como armas contra potenciais inimigos ou traidores. Veja-se desde logo no prólogo quando encontramos Nenê a confrontar um indivíduo que o traiu, com o gangster a utilizar dois dobermans para penalizar o traidor. Lázaro Ramos incute um estilo temível, exagerado e imprevisível a Nenê, embora no último terço exiba um lado mais frágil do personagem, em particular, quando o jogo vira e este passa de uma posição de poder para uma situação onde o seu destino se encontra em jogo. A imprevisibilidade é uma das características que marcam a personalidade de Nenê, algo notório quando rapta o filho do protagonista, com "Mundo Cão" a manter inicialmente a dúvida em relação ao futuro do jovem, enquanto Marcos Jorge, o realizador, se prepara para nos conceder uma narrativa recheada de reviravoltas. Após o prólogo, a narrativa recua nove meses, até ao episódio no qual o cão de Nenê é morto, algo que desperta a fúria deste último. Quem tem de lidar com a fúria do gangster é Santana, algo que promete mudar a vida deste funcionário do canil. Babu Santana incute um estilo afável e calmo ao personagem que interpreta, um indivíduo que procura fugir aos confrontos, que apenas pretende cumprir os afazeres da sua profissão e regressar para casa, onde mora com a sua esposa e os dois filhos.

Dilza (Adriana Esteves), a esposa de Santana, é uma mulher conservadora, evangélica, que vende roupa interior fabricada pela própria e procura proteger os filhos, com Marcos Jorge a expor desde os momentos iniciais que estamos diante de uma família relativamente feliz, de classe média, religiosa, que conta com algumas discussões, mas nada fora do comum. Antonio Santana e Dilza têm dois filhos, João (Vini Carvalho), o mais novo e, Isaura (Thainá Duarte), uma adolescente surda-muda, que se encontra perto de atingir a maioridade. Dilza é uma mãe extremamente zelosa, que procura evitar que Isaura saia à noite ou utilize roupas mais ousadas, para além de tentar que João não assista a um jogo de futebol no estádio, devido a considerar que o ambiente nestes recintos é perigoso. João é adepto do Palmeiras, enquanto que Santana torce pelo Corinthians, algo que gera alguns momentos de humor. A relação entre estes quatro elementos é saudável, pelo menos até Nenê decidir raptar João, tendo em vista a vingar a morte do seu cão, algo que promete mexer com o quotidiano do núcleo familiar de Santana. A dinâmica entre Santana e a família é relativamente convincente, algo que contribui para compreendermos a dor deste homem quando Nenê e o destino começam a "corroer" o seu lar. Babu Santana e Lázaro Ramos são os elementos do elenco que mais se destacam. Santana como um pai de família que gosta de tocar bateria, bem disposto e calmo, que começa a perder a ponderação quando se depara com o rapto do filho e a ocorrência de outro episódio trágico. Ramos como um gangster de gestos a espaços exagerados, temível, imprevisível e impulsivo, que não tem problemas em amedrontar os seus colaboradores, parecendo apenas gostar dos seus cães. Este conta com o apoio de elementos como Cebola (Milhem Cortaz num papel muito secundário, que não faz justiça ao talento do intérprete), um polícia corrupto, que mantém uma enorme lealdade para com Nenê. O gangster treina os seus cães para obedecerem às suas ordens, com o filme a demonstrar que a violência de alguns animais pode estar ligada aos donos e aos actos irracionais de alguns seres humanos. A partir do rapto de João, um jovem que ainda se encontra na escola primária, a narrativa ganha contornos distintos e mais uma série de reviravoltas que prometem surpreender o espectador ou, pelo menos, dinamizar o enredo. Nem sempre tudo faz sentido, nem parece existir um esforço para atribuir mais profundidade ao enredo, com Marcos Jorge a procurar acima de tudo criar um thriller intenso, onde os episódios exibidos são sentidos e o último terço ganha contornos claustrofóbicos e inquietantes, algo adensado pelo trabalho de câmara.

Marcos Jorge procura ainda efectuar uma crítica a alguns problemas que continuam a ocorrer no Brasil, algo que se torna relativamente visível no comentário final de "Mundo Cão": "Em São Paulo, a eutanásia indiscriminada de animais cessou em 2008. Os outros crimes continuam acontecendo". Veja-se a burocracia necessária para que a polícia inicie o registo do desaparecimento de João; a celeridade com que o cão de Nenê é eliminado (o enredo decorre em 2007); a relação promiscua entre as autoridades e alguns elementos ligados ao crime organizado; a crítica à inoperância do sistema judicial, entre outros exemplos. Nem sempre tudo é devidamente desenvolvido ao longo do filme, mas muito é sentido, em particular a partir do momento em que Santana decide tomar um acto violento, quase irracional, com "Mundo Cão" a colocar-nos diante de uma espécie de jogo entre "causa e efeito", com o personagem interpretado por Babu Santana e Nenê a serem os protagonistas do mesmo. O sentimento de vingança parece soltar os instintos, ou toldar a racionalidade de Nenê e Santana, embora este último hesite num momento decisivo, com Marcos Jorge a parecer querer estabelecer uma espécie de barreira moral entre o primeiro e o protagonista. "Mundo Cão" não efectua uma apologia à "justiça pelas próprias mãos", embora não tenha problemas em criticar a incapacidade da justiça em deter os criminosos, algo que não chega a ser devidamente aprofundado (surpreende que não surja uma subtrama relacionada com a procura da polícia em saber como é que o jovem apareceu). Diga-se que "Mundo Cão" não parece ter propósitos maiores a não ser inquietar e entreter o espectador ao longo da sua duração, enquanto nos coloca diante de um enredo cheio de ritmo e algum suspense, marcado por algumas temáticas do foro social (pouco desenvolvidas) e situações que nos deixam quer diante da perspectiva do antagonista, quer do protagonista. Até onde estaríamos dispostos a ir para vingar a morte do nosso animal de estimação? O que faríamos se descobríssemos o elemento que raptou o nosso filho? A primeira questão é colocada a Nenê e respondida pelo mesmo, enquanto a segunda serve para Santana, com estes dois personagens a protagonizarem um jogo intenso, que promete terminar mal para alguma das partes, ou para ambas (não vamos aqui revelar o final de "Mundo Cão"). Diga-se que Lázaro Ramos e Babu Santana não são os únicos integrantes do elenco que sobressaem em "Mundo Cão". Thainá Duarte assume uma proeminência crescente na narrativa, algo latente no último terço, com esta e Lázaro Ramos a iniciarem um jogo ambíguo que termina de forma inesperada. Pontuado por emoções fortes, vinganças violentas, reviravoltas e interpretações competentes de Babu Santana e Lázaro Ramos, "Mundo Cão" surge como um thriller envolvente, com Marcos Jorge a gerir os ritmos da narrativa de forma certeira e competente.

Título original: "Mundo Cão".
Realizador: Marcos Jorge .
Argumento: Marcos Jorge e Luca Silvestre.
Elenco: Lázaro Ramos, Babu Santana, Adriana Esteves, Milhem Cortaz, Thainá Duarte, Vini Carvalho.

Sem comentários: