14 abril 2016

Breve balanço da cobertura da edição de 2016 do 8 ½ Festa do Cinema Italiano

 Este ano disse que não voltaria a cobrir festivais. Ponderei se deveria terminar de vez com o blog, ou dar uma pausa de longa duração, algo que cheguei a comentar com algumas pessoas. A certa altura, disse a mim mesmo que deveria cobrir o 8 ½ Festa do Cinema Italiano. Comecei com a publicação de uma série de textos sobre filmes italianos, até tomar a decisão de enviar um mail a confirmar que iria à conferência de imprensa do Festival, bem como ao visionamento de "Suburra" e à antestreia de "Maraviglioso Boccaccio". A ideia inicial passava por cobrir alguns filmes em estreia, bem como algumas obras cinematográficas da secção Amarcord. Nada de entrevistas, ou pelo menos, era o que eu pensava. No final, deixei-me levar pelo entusiasmo e acabei com cinco entrevistas conduzidas, transcritas e publicadas, bem como com onze críticas publicadas (doze filmes vistos, embora não tenha escrito sobre "Lo chiamavano Jeeg Robot" devido a questões de ordem pessoal). Alguns filme foram vistos durante o festival, outros em visionamento, outros online (a maioria legalmente, pois eu precisava de ver os filmes para preparar as entrevistas com alguma antecedência), embora poucos tenham despertado o efeito de "L'attesa", o filme que marca a estreia de Piero Messina na realização de longas-metragens. É um filme que me encantou e marcou de forma indelével, que exibiu de forma paradigmática a relevância dos festivais de cinema para contactar com obras cinematográficas que, noutra ocasião, poderia ignorar. Diga-se que a programação desta edição do festival primou pela qualidade, ou pelo menos, pelas surpresas agradáveis, algo latente em casos como "L'attesa", "Alaska", "Non essere cattivo", "Suburra", entre outros.

Ao ritmo de Missing dos The XX, ou de Untitled dos Interpol, entre outras músicas, fui preparando entrevistas, desafiando as minhas expectativas e contando com ajudas preciosas. A Sofia Santos a rever a entrevista à Greta Scarano, o José Carlos Maltez a preencher os trechos que se perderam na tradução na entrevista ao Piero Messina, a Vanessa Rosa a editar a minha entrevista ao Claudio Cupellini. No final, fiz mais do que esperava, embora tenha ficado desiludido por não ter conseguido ver mais filmes. Nem tudo me satisfez (o formato da entrevista a Luca Marinelli comprova isso), mas as entrevistas ao Piero Messina e ao Claudio Cupellini foram das experiências mais agradáveis que tive nos últimos tempos (neste espaço). Boa parte do mérito de ter conseguido cobrir o 8 ½ Festa do Cinema Italiano também é de quem se encontra na assessoria do Festival. Desde a confiança depositada na marcação das entrevistas (estar numa fila para entrevistar o Piero Messina, onde os meios que se encontravam eram o DN, o JN e o... Rick's Cinema diz imenso do excelente tratamento dado aos bloggers), passando por deixarem que os tempos das mesmas se estendessem (em alguns casos), até à presença de tradutora, tudo decorreu de forma exemplar por parte de quem organiza. Foram sete ou oito dias sem treinar, mas que me deram um prazer imenso, algo que espero repetir na cobertura do Festin. Pelo meio algum pânico e receio, algumas decisões difíceis que tiveram de ser tomadas, embora todos os textos estejam (finalmente) publicados. O tempo agora é de ver alguns filmes e séries, colocar a leitura em dia, ou seja, o blog vai abrandar imenso o ritmo, até ao Festin. Obrigado a quem acompanhou a cobertura, um obrigado ainda maior a quem me ajudou em alguns textos específicos sem pedir nada em troca, bem como aos elementos do Festival. Ficou a faltar mais feedback da parte de quem lê (para o bem e para o mal), mas a experiência de mais uma cobertura foi extremamente gratificante.

Os textos publicados são os seguintes:

Sobre a programação: Nona edição do 8½ Festa do Cinema Italiano - Breve texto sobre a programação

Entrevistas (ordem de publicação):

- Entrevista a Greta Scarano sobre "Suburra"
- Entrevista a Piero Messina sobre "L'attesa" (A Espera)
- Entrevista a Claudio Santamaria sobre "Lo chiamavano Jeeg Robot"
- Entrevista a Luca Marinelli sobre "Lo chiamavano Jeeg Robot" e "Non essere cattivo"
- Entrevista a Claudio Cupellini sobre "Alaska"

Críticas (ordem de publicação):

- Resenha Crítica: "Il racconto dei racconti" (O Conto dos Contos)
- Resenha Crítica: "A Bigger Splash" (Mergulho Profundo)
- Resenha Crítica: "Suburra" (2015)
- Resenha Crítica: "Asino Vola" (Donkey Flies)
- Resenha Crítica: "L'attesa" (A Espera)
- Resenha Crítica: "Nessuno si salva da solo"
- Resenha Crítica: "Latin Lover" (2015)
- Resenha Crítica: "Alaska" (2015)
- Resenha Crítica: "Non essere cattivo" (2015)
- Resenha Crítica: "Sangue del mio sangue" (2015)
- Resenha Crítica: "Per amor vostro" (Anna)

Sem comentários: