30 setembro 2015

Seis clips de "Suffragette" (As Sufragistas)

 Já se encontram online seis clips de "Suffragette" (As Sufragistas). O filme é realizado por Sarah Gavron ("Brick Lane"), através do argumento de Abi Morgan ("Shame"). "Suffragette" conta no elenco com Ben Whishaw, Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Anne-Marie Duff, Brendan Gleeson, Meryl Streep, entre outros.

Sinopse: AS SUFRAGISTAS é um drama intenso que acompanha a história das ativistas que estiveram no início do movimento feminista, mulheres que foram forçadas à clandestinidade ao entrar num perigoso jogo do gato e do rato com um Estado cada vez mais brutal, enquanto lutavam pelo direito de voto. Essas mulheres não eram maioritariamente das classes educadas, mas sobretudo das classes operárias e que tinham assistido ao falhanço do protesto pacífico. Radicalizadas e recorrendo à violência como a única via para mudar, elas estavam dispostas a perder tudo na luta pela igualdade - os seus empregos, as suas casas, os seus filhos e as suas vidas. Maud (Carey Mulligan) era uma dessas ativistas. A história da sua luta pela dignidade é comovente e inspiradora.

"Suffragette" estreia a 23 de Outubro de 2015 nos EUA. "As Sufragistas" estreia em Portugal a 5 de Novembro de 2015.














Trailer e poster de "The Choice"

 Já se encontram online o poster e o trailer da adaptação cinematográfica de "The Choice", um livro de Nicholas Sparks. O filme é realizado por Ross Katz, através do argumento de Bryan Sipe. "The Choice" conta no elenco com Tom Welling, Alexandra Daddario, Maggie Grace, Teresa Palmer, Benjamin Walker, Tom Wilkinson, entre outros. O trailer pode ser visionado no Huffington Post.

"The Choice" foi publicado em Portugal com o título "Uma Escolha por Amor". O livro tem a seguinte sinopse (via Wook): Passado na costa da Carolina do Norte, o mais recente livro de Nicholas Sparks aborda as consequências de diversas escolhas feitas por Travis Parker, um veterinário, e pela sua vizinha Gabrielle Holland, assistente médica. Travis levava uma vida tranquila até Gaby fazer parte dela. E o mesmo se poderá dizer de Gaby que mantinha uma relação de longa data com o namorado até se apaixonar perdidamente por Travis. Que decisão irá ela tomar? Permanecer ao lado do homem que já conhece ou lançar-se numa nova aventura com um desconhecido? Durante a primeira parte do romance acompanhamos o processo de escolha de Gabby, e os efeitos que terá na vida de ambos. A segunda parte da história tem lugar onze anos depois, quando Travis tem de tomar uma decisão de vida ou morte no seguimento de um acidente de viação. Uma Escolha por Amor confronta-nos com a questão mais profunda de todas: até onde iria para manter viva a esperança do amor? Um livro comovente, ao melhor estilo de Nicholas Sparks.

"The Choice" estreia a 5 de Fevereiro de 2016 nos EUA. 

Trailer internacional de "El botón de nácar" (O Botão de Pérola)

 Foi divulgado um trailer internacional do documentário "El botón de nácar" (O Botão de Pérola), um filme realizado pelo cineasta chileno Patricio Guzmán. Vale a pena recordar que "El botón de nácar" venceu o Urso de Prata (Melhor Argumento) na edição de 2015 do Festival de Berlim. Imagem via The Playlist.

Sinopse (via Midas Filmes): O oceano contém toda a história da Humanidade, as vozes da terra e as que vêm do espaço. A água é também a maior fronteira do Chile e guarda o segredo de dois botões que foram encontrados nas suas profundezas. Com 2670 milhas de costa, o Chile é o maior arquipélago do mundo e tem paisagens espectaculares: vulcões, montanhas e glaciares. Também aí se ouvem as vozes dos primeiros indígenas da Patagónias, os primeiros colonos ingleses e as dos prisioneiros políticos. Alguns dizem que a água tem memória. Este filme mostra que também tem voz.

"O Botão de Pérola" estreia em Portugal a 3 de Dezembro de 2015. 

Poster final de "The Hunger Games: Mockingjay - Part 2"

 Foi divulgado o poster final de "The Hunger Games: Mockingjay - Part 2". Via Jennifer Lawrence.

O filme é realizado por Francis Lawrence, através do argumento de Peter Craig e Danny Strong. "The Hunger Games: Mockingjay - Part 2" conta no elenco com Natalie Dormer, Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Woody Harrelson, Elizabeth Banks, Philip Seymour Hoffman, Jeffrey Wright, Stanley Tucci, Donald Sutherland, Jena Malone, entre outros.

O argumento de "The Hunger Games: Mockingjay - Part 2" é baseado no livro "The Hunger Games: Mockingjay", escrito por Suzanne Collins. O filme tem a seguinte sinopse: Com a nação de Panem em guerra, Katniss defronta o President Snow (Donald Sutherland) num desafio final. Com a ajuda dos seus amigos mais próximos, Gale (Liam Hemsworth), Finnick (Sam Claflin),e Peeta (Josh Hutcherson), Katniss enceta uma missão com a unidade do Distrito 13, arriscando as vidas para libertar os cidadãos de Panem e tentar o assassinato do Presidente Snow que está cada vez mais obcecado em destruí-la. Armadilhas mortais, inimigos e escolhas morais aguardam Katniss num derradeiro desafio, mais difícil do que qualquer arena dos Jogos da Fome.

"The Hunger Games: Mockingjay - Part 2" estreia a 20 de Novembro de 2015 nos EUA.

Estreias da semana - 1 de Outubro de 2015

Boa-tarde, caros leitores, e bem-vindos a mais um post das estreias da semana.

A partir de amanhã, dia 1 de Outubro, teremos cinco novos filmes nas salas de cinema portuguesas, todos aparentemente diferentes entre si. Como de costume, começarei por diferenciá-los conforme a sua nacionalidade, para ser mais pragmático.

Assim sendo, começo pelos norte-americanos, que são os mais numerosos. Em primeiro lugar temos "Perdido em Marte", uma obra ambiciosa realizada por Ridley Scott e protagonizada por Matt Damon, e em segundo "O Estagiário", uma comédia suportável com Robert De Niro e Anne Hathaway.

Teremos ainda uma obra francesa, nomeadamente "Barbecue", uma comédia de Eric Lavaine.

As duas estreias restantes são co-produções internacionais. "A Surpresa" é uma comédia romântica proveniente da Holanda, Bélgica, Alemanha e Irlanda, e "Lendas de Oz: O Regresso de Dorothy" provém dos Estados Unidos e da Índia.

Realço em seguida as estreias que, por um motivo ou por outro, chamaram mais a nossa atenção.

De todas estas estreias, aquela que destacamos antes de mais é "Perdido em Marte", um obra de ficção-científica realizada por Ridley Scott que tem sido apreciada pela crítica e pelo público norte-americanos, e que eventualmente havemos de visionar num futuro próximo, ou pelo menos é isso que esperamos.

O filme foi realizado por Ridley Scott, através do argumento de Drew Goddard.

"The Martian" conta no elenco com Matt Damon, Jessica Chastain, Kristen Wiig, Jeff Daniels, Michael Peña, Sean Bean, Kate Mara, Sebastian Stan, Aksel Hennie, Chiwetel Ejiofor.

O argumento de "The Martian" é baseado no livro homónimo de Andy Weir. O filme tem a seguinte sinopse: Durante uma missão tripulada a Marte, o Astronauta Mark Watney (Matt Damon) é dado como morto após uma tempestade e deixado para trás pela sua tripulação. Mas Watney sobreviveu e encontra-se preso e só num planeta hostil. Com escassos mantimentos, ele terá que contar com a sua criatividade, inteligência e espírito de sobrevivência para encontrar uma maneira de enviar para a Terra um sinal de que está vivo. A milhões de quilómetros de distânica, a NASA e uma equipa de cientistas internacionais trabalham incansavelmente para trazer Watney de volta, enquanto, simultaneamente os seus colegas de tripulação planeiam uma ousada – se não impossível – missão de resgate. Com a revelação destas histórias de incrível coragem, o mundo une-se por uma causa – o seguro regresso de Watney.

Trailer





Realço em seguida a estreia de "A Surpresa", uma comédia romântica que o Aníbal já viu e considerou agradável, tendo-lhe mesmo escrito um texto que termina da seguinte forma: «Cornald cuidara da propriedade de Jacob com enorme zelo, com esta mansão a surgir como um espaço de largas dimensões que, quando o protagonista fica a sós, após dispensar os seus funcionários, ainda adensa mais a sua solidão. Temos ainda momentos estranhamente ternos, tais como o protagonista a dar a mão a Anne quando espera que um camião se dirija em direcção aos mesmos, acabando por sentir um calor humano que não esperava, num trecho de estranho romantismo ou não estivéssemos diante de uma obra cinematográfica que flutua sobretudo pelas águas do romance. O argumento é relativamente eficaz, tendo sido inspirado num conto da autoria de Belcampo, com Mike van Diem a criar uma obra agradável de acompanhar, que se encontra longe de surpreender mas é convincente o suficiente para nos prender, sobretudo devido à sua dupla de protagonistas e às situações peculiares em que Anne e Jacob são envolvidos.»

O filme foi escrito e realizado por Mike van Diem, e conta no elenco com Jeroen van Koningsbrugge, Georgina Verbaan, Jan Decleir, Henry Goodman, entre outros.

Sinopse: Jacob, um multimilionário, está pela primeira vez na vida enamorado e tudo lhe parece um sonho. Mas conhece a bela e cativante Anne em circunstâncias difíceis de conceber: ambos contrataram uma empresa que põe fim à vida dos clientes que não têm coragem para fazê-lo com as suas próprias mãos e de forma a que morte os surpreenda… o problema é que depois de assinado o contrato pouco ou nada há a fazer…

Trailer

A SURPRESA - Trailer Legendado from Cinemundo on Vimeo.



Por fim destaco a estreia de "O Estagiário", uma obra protagonizada por Robert De Niro e Anne Hathaway, que o nosso crítico também já visionou. A crítica que ele lhe escreveu conclui-se precisamente desta maneira: «Não falta ainda product placement à bruta, seja ao Starbucks, seja à Apple, seja às batatas Pringles, entre outras empresas que são introduzidas quase a pedido ao longo do enredo deste filme marcado por alguns momentos de humor que Nancy Meyers a espaços faz com que funcionem. Com alguns momentos demasiado açucarados e diálogos nem sempre subtis, "The Intern" sobressai não só pelas interpretações agradáveis de Anne Hathaway e Robert De Niro, uma dupla que apresenta uma dinâmica assinalável ao longo do enredo, mas também por um elenco secundário que sabe estar à altura dos acontecimentos, num filme que raramente surpreende ou desafia o espectador, tendo na sua leveza e nos intérpretes dos protagonistas os seus maiores trunfos

A obra foi escrita por Nancy Meyers, a partir de um argumento da própria.

A obra tem no seu elenco Robert De Niro, Anne Hathaway, Rene Russo, Adam DeVine, Zack Pearlman, entre outros.

O enredo de "The Intern" centra-se na dona de um serviço de e-business ligado ao mundo da moda, que participa num programa de incentivo para receber estagiários na empresa. Esta acaba por receber um viúvo de setenta anos (De Niro) como o seu novo estagiário.

Trailer

Resenha Crítica: "Tirez sur le pianiste" (1960)

 Charlie Kohler (Charles Aznavour), o protagonista de "Tirez sur le pianiste", uma obra cinematográfica realizada por François Truffaut, procura ocultar o seu passado e viver de forma discreta, sem chamar à atenção, nem criar grandes ondas, apresentando uma timidez latente e um enorme talento para tocar piano, apesar de trabalhar num bar com ares de espelunca que pertence a Plyne (Serge Davri) e à sua esposa. É um espaço marcado pelo consumo de álcool e pelo engate, onde tanto podem ocorrer episódios tão naturais como casais a dançarem como surgir um gangster em fuga ou iniciar-se uma discussão que termina numa morte, ou contarmos com música bem audível ou silêncios cortantes. Num flashback descobrimos que Charlie outrora foi um pianista de sucesso, tendo sido casado com Thérèse (Nicole Berger), uma mulher que o traiu para que Lars Schmeel (Claude Heymann), um empresário, desse uma oportunidade ao protagonista. Este episódio irá atormentar Thérèse a ponto de cometer suicídio, com Charlie, até então a utilizar o nome de nascença Edouard Saroyan, a procurar recomeçar a sua vida praticamente do zero como Charlie Kohler. No entanto, se toca piano com uma precisão notável, com Truffaut a colocar-nos por vezes diante do funcionamento das peças do instrumento, já a sua vida promete descontrolar-se por completo quando Chico Saroyan (Albert Rémy), o seu irmão mais velho, entra no bar para fugir de dois gangsters que o perseguem. Já não contactavam há cerca de seis anos, mas o reencontro promete trazer repercussões dolorosas para o protagonista. Albert Rémy interpreta uma figura distinta do protagonista, menos polida a nível dos gestos, pouco dado a viver dentro da legalidade, aparecendo em destaque logo nos momentos iniciais quando se espalha no meio do chão durante a fuga até entrar no bar onde trabalha Charlie. Chico e Richard (Jean-Jacques Aslanian), este último mais um dos irmãos de Charlie, participaram num golpe com Ernest (Daniel Boulanger) e Momo (Claude Mansard), acabando por fugir com todo o dinheiro, algo que conduz estes dois últimos a perseguirem os familiares do protagonista. Charlie, ou melhor, Edouard, que sempre procurou fugir a este estilo de vida dos irmãos, mas acaba por se ver envolvido neste caso após ajudar o familiar a escapar, com Ernest e Momo a perseguirem o protagonista tendo em vista a obterem informações sobre o paradeiro de Chico.

O personagem interpretado por Charles Aznavour vive com Fido (Richard Kanayan), o seu irmão mais novo, num apartamento modesto, onde recebe regularmente a visita de Clarisse (Michèle Mercier), uma prostituta que habita no mesmo prédio, uma mulher que mantém uma relação de relativa proximidade com o pianista. Este é um indivíduo algo introvertido, que procura passar despercebido mas nem por isso deixa de despertar a atenção de Léna (Marie Dubois), a empregada de mesa do bar onde trabalha, uma mulher de enorme beleza e simpatia, acabando também ela por se tornar alvo dos criminosos. O momento em que Léna e Charlie saem juntos do trabalho, pontuado pela pouca iluminação típica dos cenários nocturnos, não só é revelador dos perigos que os rodeiam mas também da timidez do protagonista, com François Truffaut a dar mais uma vez uma enorme atenção aos gestos, algo que vai ser recorrente ao longo de diversas obras cinematográficas, tais como "Jules et Jim" e "La peau douce", com a cinematografia de Raoul Coutard, um colaborador habitual, a sobressair nesse quesito. Veja-se quando temos planos aproximados das mãos do protagonista, enquanto a narração em off permite-nos ficar diante das dúvidas que perpassam a mente de Charlie enquanto está ao lado de Léna, existindo toda uma atenção em explorar os sentidos e os sentimentos do pianista. O protagonista pensa no que dizer a Léna, pensa no que fazer, mas acaba por ver a sua caótica linha de pensamento ser cortada quando Ernest e Momo os perseguem neste espaço citadino nocturno, com Charlie e a colega a terem de se esconder até mais tarde exporem os seus sentimentos. A narração em off, a utilização exímia dos close-ups e dos cenários externos, os jump cuts, a traição, a incerteza relacionada com uma relação do foro sentimental, as referências literárias, são elementos e temáticas que envolvem alguns dos trabalhos de Truffaut, um dos nomes proeminentes da chamada Nouvelle Vague (diversas das técnicas utilizadas são recorrentes nos filmes de cineastas deste movimento) que tem também aqui uma espécie de homenagem aos filmes noir dos EUA. Não falta a presença dos personagens marcados por alguma imoralidade, a atmosfera de malaise, o contraste exímio entre luz e sombras, o clube nocturno, entre outros elementos, com Charles Aznavour a contribuir e muito para nos acreditarmos nas dicotomias do personagem que interpreta. Charles Aznavour interpreta com acerto um indivíduo introvertido, com o seu rosto a ser muitas das vezes contido nas emoções, contando com uma postura dicotómica entre a confiança demonstrada diante do piano e a atitude quase letárgica e fatalista com que muitas das vezes parece encarar a vida. Nem por isso deixa de despertar a atenção das mulheres ou de se envolver com as mesmas, algo notório em relação a Clarisse e Léna, com esta última a considerá-lo diferente dos outros homens.

Marie Dubois explora a faceta simultaneamente frágil e forte da personagem que interpreta, uma mulher que facilmente desperta a atenção dos homens, incluindo de Plyne, com as constantes rejeições a fazerem com que este último revele a sua faceta menos recomendável ao revelar a morada desta e de Charlie aos dois gangsters. Estes surgem quase sempre como representantes de uma ameaça, apesar de François Truffaut não parecer estar interessado em fazer um filme exclusivamente de gangsters, algo que pode explicar momentos peculiares como Momo e Ernest a conversarem sobre mulheres quando se encontram no carro com Charlie e Léna, ou a atitude mais incompetente desta dupla (ou Momo a dizer que a mãe dele caía morta se estivesse a mentir e Truffaut coloca-nos diante da imagem da senhora a ter um colapso), embora os seus efeitos nefastos se venham a fazer sentir de forma dolorosa, sobretudo no último terço da narrativa. Mais do que estar preocupado em criar um filme sobre gangsters, François Truffaut parece acima de tudo procurar explorar o drama humano que envolve o protagonista, a sua personalidade atormentada, a tentativa constante do mesmo em proteger Fido, ou o jovem também não estivesse na mira dos criminosos, bem como a maneira como Léna parece momentaneamente modificar um pouco a sua vida. Um flashback deixa-nos a saber bastante sobre este pianista que quase sempre teve de aprender a lidar com a timidez, procurando fugir à carreira dos seus irmãos no mundo do crime, embora também se envolva inadvertidamente em imbróglios, com Charles Aznavour, um músico que integrou o elenco de diversas obras cinematográficas, a exibir com competência as dúvidas desta figura. A cidade de Paris surge como um local marcado pela insegurança, pelo menos para o protagonista. Veja-se a já citada cena nocturna, quando Charlie se encontra ao lado de Léna, após saírem do trabalho, que é paradigmática dessa situação, numa obra onde mesmo os cenários mais remotos pontuados pela presença da neve estão longe de enregelarem os sentimentos, ou não fosse num local do género onde se encontra a habitação dos irmãos do protagonista, com o realismo a pontuar em alguns momentos a exposição destes cenários. A música tem um papel fulcral ao longo desta narrativa onde as relações nem sempre têm o destino desejado e a felicidade parece soçobrar diante de uma realidade que está longe de ser a mais efusiva, com François Truffaut a atribuir uma atmosfera noir a "Tirez sur le pianiste", uma obra cinematográfica que muito tem dos elementos associados à Nouvelle Vague e ao cineasta, naquela que é mais uma demonstração de talento do mesmo numa fase ainda inicial da sua carreira como realizador.

Título original: "Tirez sur le pianiste".
Título em Portugal: "Disparem Sobre o Pianista".
Realizador: François Truffaut.
Argumento: François Truffaut e Marcel Moussy.
Elenco: Charles Aznavour, Marie Dubois, Nicole Berger, Michèle Mercier, Albert Rémy.

"The Walk" - Billboard art

 Foi divulgada uma nova arte promocional de "The Walk" (anteriormente "To Reach the Clouds"), um filme sobre Philippe Petit, o francês que atravessou as Torres Gémeas, em 1974, enquanto andava num cabo. Via IMP Awards.

"The Walk" é realizado por Robert Zemeckis ("Flight"), através do argumento do próprio e Christopher Browne. O filme conta no elenco com Joseph Gordon-Levitt, Ben Kingsley, Charlotte le Bon, entre outros. Philippe Petit é interpretado por Joseph Gordon-Levitt.

 "The Walk" estreia a 30 de Setembro de 2015 nos EUA.

Poster nacional de "Suffragette" (As Sufragistas)

 Já se encontra online o poster nacional de "Suffragette" (As Sufragistas). O filme é realizado por Sarah Gavron ("Brick Lane"), através do argumento de Abi Morgan ("Shame"). "Suffragette" conta no elenco com Ben Whishaw, Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Anne-Marie Duff, Brendan Gleeson, Meryl Streep, entre outros.

Sinopse: AS SUFRAGISTAS é um drama intenso que acompanha a história das ativistas que estiveram no início do movimento feminista, mulheres que foram forçadas à clandestinidade ao entrar num perigoso jogo do gato e do rato com um Estado cada vez mais brutal, enquanto lutavam pelo direito de voto. Essas mulheres não eram maioritariamente das classes educadas, mas sobretudo das classes operárias e que tinham assistido ao falhanço do protesto pacífico. Radicalizadas e recorrendo à violência como a única via para mudar, elas estavam dispostas a perder tudo na luta pela igualdade - os seus empregos, as suas casas, os seus filhos e as suas vidas. Maud (Carey Mulligan) era uma dessas ativistas. A história da sua luta pela dignidade é comovente e inspiradora.

"Suffragette" estreia a 23 de Outubro de 2015 nos EUA. "As Sufragistas" estreia em Portugal a 5 de Novembro de 2015.

Poster nacional de "The Dressmaker" (A Modista)

  Foi divulgado o poster nacional de "The Dressmaker" (A Modista), um filme baseado no livro homónimo da autoria de Rosalie Ham. The Dressmaker" é realizado por Jocelyn Moorhouse ("Proof"), através do argumento da própria. O filme conta no elenco de Kate Winslet, Sarah Snook, Liam Hemsworth, Hugo Weaving, Judy Davis, entre outros. 

Sinopse: Passado na década de 50, A MODISTA é uma comédia agri-doce sobre uma glamorosa mulher que após diversos anos na Europa, regressa à sua pequena cidade natal na Austrália rural, de forma a endireitar alguns erros do passado. Quando Tilly (Kate Winslet) chega a casa, não só se reconcilia com a mãe (Judy Davis) mas também com a sua máquina de costura. Recorrendo à sua experiência na alta costura, Tilly transforma as mulheres da cidade de tal forma que consegue vingar-se de quem antes lhe tinha feito mal. Simultaneamente, Tilly apaixona-se, o que a leva à sua maior perda e a proceder ao seu ato mais destrutivo de sempre. 

"A Modista" estreia em Portugal a 10 de Dezembro de 2015.

"Mustang" - Novo trailer internacional

 Foi divulgado um novo trailer internacional de "Mustang", um filme realizado por Deniz Gamze Ergüven, através do argumento da própria e Alice Winocour. "Mustang" conta no elenco com Günes Sensoy, Doga Zeynep Doguslu, Elit Iscan, Tugba Sunguroglu, entre outros.

"Mustang" estreia em Portugal na 16ª edição da Festa do Cinema Francês e conta com a seguinte sinopse (via FCF): É o princípio do Verão. Numa aldeia perdida na Turquia, Lale e as suas quatro irmãs voltam da escola a brincar com os rapazes e desencadeiam um escândalo, que virá a ter consequências inesperadas. A casa familiar transforma-se progressivamente numa prisão, as aulas práticas de donas de casa substituem a escola e os casamentos começam a ser tratados. As cinco irmãs, animadas pelo mesmo desejo de liberdade, alteram os limites que lhes foram impostos.

"Mustang" estreou (comercialmente) em França a 17 de Junho de 2015.

Matthew Vaughn vai realizar a adaptação cinematográfica de "I Am Pilgrim"

 O The Hollywood Reporter noticiou que Matthew Vaughn ("Kingsman: The Secret Service") vai realizar a adaptação cinematográfica de "I Am Pilgrim", um livro de espionagem escrito por Terry Hayes. O argumento ficou a cargo de Terry Hayes.

O enredo de "I Am Pilgrim" acompanha um indivíduo que outrora liderou uma unidade dos serviços secretos dos EUA, tendo escrito um livro sobre patologia forense. Embora tenha largado esta carreira, o protagonista acaba por ser chamado para participar numa investigação intrincada que vai resultar numa luta contra o tempo para travar um terrorista e salvar os EUA.

As filmagens começam em 2016.

Andrew Garfield na primeira imagem de "Hacksaw Ridge", o novo filme realizado por Mel Gibson

 Foi divulgada a primeira imagem de "Hacksaw Ridge", um filme inspirado na história verídica de Desmond T. Doss.  A imagem conta com a presença de Andrew Garfield como Desmond T. Doss. Via Collider.

O filme é realizado por Mel Gibson, através do argumento de Robert Schenkkan e Randall Wallace. "Hacksaw Ridge" conta no elenco com Luke Bracey, Andrew Garfield, Vince Vaughn, Sam Worthington, entre outros.

 Doss foi seleccionado para o exército em 1942. Este recusou-se a carregar ou utilizar armas devido às suas crenças religiosas. Doss passou para a divisão de medicina no teatro de Guerra do Pacífico. Este tornou-se numa lenda ao salvar setenta e cinco homens durante a Batalha de Okinawa. O enredo de "Hacksaw Ridge" começa por acompanhar os soldados durante o campo de treino no Sul da Califórnia, onde aprenderam as habilidades básicas de sobrevivência em tempos de Guerra, até serem enviados para o Japão onde participam na Batalha de Okinawa. Bracey interpreta Smitty, o alpha dog do pelotão de Doss (Garfield), um indivíduo que apresenta inicialmente um comportamento antagónico em relação aos valores do protagonista.

"Hacksaw Ridge" ainda não tem uma data de estreia definida. 

29 setembro 2015

"Macbeth" - Michael Fassbender e Marion Cotillard em destaque nos dois novos posters do filme

Foram divulgados mais dois posters da nova adaptação cinematográfica de "Macbeth". Os posters centram-se nos personagens interpretados por Michael Fassbender e Marion Cotillard. Via IMP Awards.
 O filme é realizado por Justin Kurzel ("Snowtown"), através do argumento de Todd Louiso e Jacob Koskoff. "Macbeth" conta no elenco com Paddy Considine ("The Double"), David Thewlis ("The Zero Theorem"), Sean Harris ("The Borgia"), Jack Reynor ("Delivery Man"), Elizabeth Debicki ("The Great Gatsby"), Marion Cotillard ("Rust & Bone") e Michael Fassbender ("Shame").

"Macbeth" é baseado no clássico escrito por William Shakespeare. O livro tem a seguinte sinopse (via Sinopse do Livro): Em Macbeth (1605), a ambição é o motivo que leva à conspiração contra a vida de um rei. Lady Macbeth, movida pelo desejo de vingança e pela ambição de se tornar rainha, seduz Macbeth a cometer o assassinato do Rei Duncan, pretendendo assim herdar o trono. O ambiente é sombrio, fúnebre, como as almas dos personagens e os seus sórdidos planos pela conquista do poder. 

"Macbeth" estreia a 2 de Outubro de 2015 no Reino Unido.

Nat Wolff pode protagonizar adaptação cinematográfica de "Death Note"

 A Variety noticiou que Nat Wolff ("Paper Towns") encontra-se em negociações finais para protagonizar a nova adaptação cinematográfica de "Death Note". O filme vai ser realizado por Adam Wingard ("The Guest"), através do argumento de Jeremy Slatter.

O argumento de "Death Note" é baseado na série de mangas homónima escrita por Tsugumi Ohba e ilustrada por Takeshi Obata. "Death Note" contou com três adaptações cinematográficas no Japão, bem como uma série de anime. Wolff vai interpretar um estudante que descobre um caderno com poderes sobrenaturais. O caderno permite eliminar qualquer ser humano desde que o nome desse homem ou mulher seja escrito no primeiro. Um jogo entre o "gato e o rato" inicia-se quando um polícia solitário decide perseguir o indivíduo responsável pelos assassinatos. 

As filmagens devem começar na Primavera de 2016. 

"I Remember: Ghosts" - Featurette de "Crimson Peak"

 Foi divulgado um novo featurette de "Crimson Peak - A Colina Vermelha". O vídeo promocional tem o título "I Remember: Ghosts" e pode ser visto no final do post.

"Crimson Peak" é realizado por Guillermo Del Toro, através do argumento do próprio e Matthew Robbins. O filme conta no elenco com Charlie Hunnam, Jessica Chastain, Tom Hiddleston, Mia Wasikowska, Jim Beaver, Doug Jones, Gillian Ferrier, entre outros.

Sinopse: Quando o seu coração é roubado por um estranho sedutor, uma jovem é levada para uma casa no topo de uma colina de argila vermelha: um lugar repleto de segredos que a assombrarão para sempre. Entre o desejo e a escuridão, o mistério e a loucura, encontra-se a verdade por detrás de Crimson Peak.

"Crimson Peak" estreia a 16 de Outubro de 2015 nos EUA. "Crimson Peak - A Colina Vermelha" estreia em Portugal a 22 de Outubro de 2015.



Mathieu Amalric e Jeanne Balibar no elenco principal de "Son Corps"

 O AlloCiné noticiou que Mathieu Amalric e Jeanne Balibar vão integrar o elenco principal de "Son Corps", a adaptação cinematográfica de "The Body Artist" (O Corpo Enquanto Arte), um livro escrito por Don DeLillo. O filme vai ser realizado por Benoît Jacquot ("Journal d'une femme de chambre"), através do argumento do próprio e Julia Roy. A produção está a cargo de Paulo Branco.

Sinopse (via Leopardo Filmes): Rey, um famoso cineasta americano, conhece Laura, uma artista que explora o domínio da Body Art. Apaixonam-se de imediato e decidem mudar-se para a enorme e isolada casa de campo de Rey. Mas a sua história de amor é despedaçada quando Rey morre num acidente de viação. Apesar dos incentivos dos familiares, Laura decide ficar pela casa durante mais algum tempo. Mas rapidamente ela se apercebe de que não está sozinha. Existe um intruso na casa, um invasor de origem desconhecida, um ser estranho e incompleto…

As filmagens de "Son Corps" começam em Novembro. 

Três novos posters de "The Good Dinosaur" (A Viagem de Arlo)

Foram divulgados três posters de personagens de "The Good Dinosaur" (A Viagem de Arlo), um filme de animação realizado por Peter Sohn. O argumento ficou a cargo de Enrico Casarosa e Bob Peterson. "The Good Dinosaur" conta no elenco vocal com Anna Paquin, Frances McDormand, Raymond Ochoa, Sam Elliott, Jeffrey Wright, Steve Zahn, entre outros. Os posters centram-se em Arlo e Spot, Shaman e T-Rex.

Sinopse: "A VIAGEM DE ARLO faz a pergunta: Como seria se o asteróide que mudou para sempre a vida na Terra, falhasse completamente o planeta e os dinossauros gigantes nunca tivessem sido extintos? A Pixar Animation Studios leva-o numa aventura épica pelo mundo dos dinossauros onde um Apatossauro chamado Arlo faz um amigo humano improvável. Enquanto viajam através de uma paisagem misteriosa, Arlo aprende o poder de enfrentar os seus medos e descobre do que é realmente capaz".

"The Good Dinosaur" estreia a 25 de Novembro de 2015 nos EUA. "A Viagem de Arlo" estreia nos cinemas portugueses a 26 de Novembro de 2015.



Ellar Coltrane no elenco de "The Circle"

 O The Hollywood Reporter noticiou que Ellar Coltrane ("Boyhood") vai juntar-se a Patton Oswalt, Karen Gillan, John Boyega, Emma Watson e Tom Hanks no elenco da adaptação cinematográfica de "The Circle", um livro escrito por David Eggers.

Coltrane vai dar vida ao ex-namorado da personagem interpretada por Emma Watson. Oswalt vai interpretar Tom Stenton, um dos fundadores do conglomerado do título. Gillan vai dar vida a Annie, uma jovem inteligente e simpática que integra o grupo de membros do The Circle. Boyega vai interpretar Ty Gospodinov, o indivíduo que teve originalmente a ideia de criar a empresa do título. Este forma uma relação com uma funcionária (Watson) da firma, enquanto os perigos de um envolvimento na época digital começam a vir ao de cima.

O filme é realizado por James Ponsoldt ("The Spectacular Now"), através do argumento do próprio. O enredo de "The Circle" centra-se em Mae Holland (Watson), uma mulher que é contratada por uma grande empresa chamada de "Circle". Esta empresa utiliza um sistema operativo que reúne emails, perfis das redes sociais, contas bancárias e transações efectuadas pelos clientes, algo que permite criar uma identidade única online num tempo conhecido pelo civismo e transparência. O filme vai abordar os perigos da era digital, onde a informação pessoal é recolhida com enorme facilidade, tornando a privacidade como algo de obsoleto.

O filme ainda não tem uma data de estreia definida. 

Poster nacional de "Sleeping with Other People" (Sem Compromissos)

 Já se encontra online um poster nacional de "Sleeping with Other People" (Sem Compromissos). "Sem Compromissos" estreia em Portugal a 15 de Outubro de 2015.

"Sleeping With Other People" é realizado por Leslye Headland ("Bachelorette"), através do argumento da própria.  O filme conta no elenco com Amanda Peet, Adam Scott, Jason Mantzoukas, Natasha Lyonne, Alison Brie, Jason Sudeikis, Margarita Levieva, entre outros.

Sinopse: Jake (Jason Sudeikis) e Lainey (Alison Brie) perderam impulsivamente a virgindade um com o outro na faculdade. Quando os seus caminhos se cruzam doze anos mais tarde, em Nova York, percebem que ambos se tornaram especialistas em infidelidade. Unidos pelos seus problemas crónico de compromisso, Jake e Lainey criam uma amizade platónica para se apoiarem mutuamente nas suas missões para o estabelecimento de relações românticas saudáveis. 

"Sleeping With Other People" estreia a 11 de Setembro de 2015 nos EUA.

Poster nacional de "Secret in Their Eyes" (O Segredo dos Seus Olhos)

 Foi divulgado o poster nacional de "Secret in Their Eyes" (O Segredo dos Seus Olhos), o remake do filme argentino "El secreto de sus ojos". O remake é realizado por Billy Ray ("Breach"), através do argumento do próprio. "Secret in Their Eyes" conta no elenco com Dean Norris, Chiwetel Ejiofor, Julia Roberts, Nicole Kidman, Lyndon Smith, entre outros.

"El secreto de sus ojos" venceu o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2009. O filme original tem a seguinte sinopse: Um crime ocorrido há 25 anos ficou indelevelmente marcado na vida e na mente de Benjamin Esposito (Ricardo Darín). Hoje, reformado do departamento da polícia e sem saber muito bem o que fazer aos seus dias vazios, ele é um homem cansado. Para preencher a sua vida com algo mais que solidão, Esposito decide escrever um romance a relatar os eventos que o ligaram a esse crime e como tudo o que ocorreu posteriormente foi alterado por esse trágico acontecimento. Agora, ao relembrar as circunstâncias do que aconteceu, avaliando todos os factores, todas as causas e todas as consequências, vai descobrir uma maneira de reescrever o passado e, quem sabe, o próprio futuro.

"Secret in Their Eyes" estreia a 20 de Novembro de 2015 nos EUA. "O Segredo dos Seus Olhos" estreia em Portugal a 19 de Novembro de 2015.

Novo trailer de "The Revenant"

 Foi divulgado um novo trailer de "The Revenant", um filme realizado por Alejandro González Iñárritu ("Birdman"). O filme conta no elenco com Leonardo DiCaprio, Domhnall Gleeson, Tom Hardy, Will Poulter, entre outros. O argumento do filme é baseado no livro "The Revenant: A Novel of Revenge" de Michael Punke.

Sinopse: Perdido no inexplorado deserto Americano, o caçador Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) é gravemente ferido e deixado como morto por um membro traidor da sua equipa, John Fitzgerald (Tom Hardy). Com a força de vontade como sua única arma, Glass enfrenta um ambiente hostil, um inverno brutal e tribos em guerra, lutando pela sua sobrevivência e motivado pela sede de vingança.

"The Revenant" estreia a 25 de Dezembro de 2015 nos EUA.

Novo poster internacional de "Mustang"

 Foi divulgado um novo poster internacional de "Mustang", um filme realizado por Deniz Gamze Ergüven, através do argumento da própria e Alice Winocour. "Mustang" conta no elenco com Günes Sensoy, Doga Zeynep Doguslu, Elit Iscan, Tugba Sunguroglu, entre outros. Poster via IMP Awards.

"Mustang" estreia em Portugal na 16ª edição da Festa do Cinema Francês e conta com a seguinte sinopse (via FCF): É o princípio do Verão. Numa aldeia perdida na Turquia, Lale e as suas quatro irmãs voltam da escola a brincar com os rapazes e desencadeiam um escândalo, que virá a ter consequências inesperadas. A casa familiar transforma-se progressivamente numa prisão, as aulas práticas de donas de casa substituem a escola e os casamentos começam a ser tratados. As cinco irmãs, animadas pelo mesmo desejo de liberdade, alteram os limites que lhes foram impostos.

"Mustang" estreou (comercialmente) em França a 17 de Junho de 2015.

Resenha Crítica: "Fahrenheit 451" (1966)

 François Truffaut transporta-nos para o interior de um futuro distópico onde os homens e as mulheres são desde cedo educados a não fazerem grandes questões nem a pensarem pela sua própria cabeça, algo que implica a destruição dos livros, com todos aqueles que os possuem a serem considerados criminosos, em "Fahrenheit 451", a primeira e única obra cinematográfica do cineasta falada em inglês. Os bombeiros ao invés de apagarem fogos surgem como agentes vestidos de negro, personalidade fria e gestos praticamente impassíveis que lançam chamas sobre os livros, ou não tivessem como actividade queimar todas as obras literárias existentes (à temperatura Fahrenheit 451), destruir as bibliotecas secretas e prender aqueles que ousam prevaricar a lei ao lerem e pensarem por si próprios. O argumento é baseado no livro "Fahrenheit 451" de Ray Bradbury, remetendo para uma sociedade totalitária onde tudo é controlado, a fazer recordar algumas das ideias de George Orwell em "1984", mas também práticas que (infelizmente) acontecerem ao longo da História, com o filme a trazer à memória muito do que está associado ao regime Nazi, bem como outros episódios que abonam pouco a favor de alguns sectores da Humanidade. Praticamente no início de "Fahrenheit 451" ficamos perante um exemplo da actividade destes bombeiros, com François Truffaut a colocar-nos diante da chegada de um grupo liderado por um capitão (Cyril Cusack) cujo nome nunca chegamos a conhecer, composto por um conjunto de elementos pontuados pela frieza, com os diálogos a serem escassos e a banda sonora de Bernard Herrmann a adensar ainda mais a inquietação e a violência deste acto, com o trabalho do compositor a contribuir e muito para alguma da atmosfera tensa e misteriosa que envolve o enredo. Livros são minuciosamente procurados e queimados, por vezes casas são destruídas pelo caminho, com estes episódios a inicialmente não parecerem afectar Guy Montag (Oskar Werner), um bombeiro que se encontra prestes a ser promovido devido à sua conduta competente e discreta. Este mantém um casamento com Linda (Julie Christie), uma mulher de enorme vacuidade, que passa os seus dias a assistir aos programas televisivos que procuram controlar os corpos e as mentes dos espectadores. A própria casa de Montag é marcada por tonalidades amarelas e uma neutralidade que parece contrastar com a tonalidade vermelha do veículo onde transportam o material necessário para incendiar as obras literárias. Tal como em obras de François Truffaut como "Tirez sur le pianiste", "Jules et Jim" e "La Peau Douce", a entrada em cena de uma personagem feminina promete mudar a vida do protagonista, com Montag a ser contactado num transporte público por Clarisse (Julie Christie), uma mulher na casa dos vinte e poucos anos de idade que é proibida de dar aulas devido às suas ideias serem pouco ortodoxas.

O facto de Clarice e Linda serem interpretadas por Julie Christie permite a François Truffaut explorar os dois lados da mesma moeda, com as duas mulheres a apresentarem personalidades dicotómicas: Clarice é uma jovem de cabelo curto, misteriosa e inteligente, que gosta de ler, apresenta ideias vincadas, questiona a actividade de Montag, tendo um tio que guarda secretamente livros em casa; Linda é uma mulher de cabelos longos, superficial, que pensa mesmo estar a interagir com um programa televisivo, sendo viciada em medicamentos numa sociedade onde as emoções dos seres humanos parecem ser controladas ao máximo. A questão colocada por Clarice se costuma ler os livros antes de os queimar parece despertar o gatilho moral em Montag. Até então este homem parecia um papel em branco, pronto a dizer aquilo que os outros queriam ouvir, sem exprimir as suas ideias e sentimentos, encarando a sua actividade como algo banal, sem questionar o passado e aquilo que lhe dizem. Como este salienta: "(...) é um trabalho com muita variedade. Segunda, queimamos Miller; Terça, Tolstoi; Quarta, Walt Whitman; Sexta, Faulkner; Sábado e Domingo, Schopenhauer e Sartre". Dá aulas a diversos aspirantes a bombeiros, todos eles com fardas semelhantes, numa sociedade onde os seres humanos parecem ser educados para acreditarem nas “verdades irrefutáveis” que são ensinadas, a não pensarem muito nem se distinguirem entre si, algo ainda visível nas suas habitações. A pergunta de Clarice deixa um clique na mente de Montag que resulta num roubo do livro "David Copperfield" de Charles Dickens. A sua vida muda, com Oskar Werner a exibir aos poucos um lado emocionalmente imprevisível do personagem que interpreta, uma figura que gradualmente deixa cair a máscara de frieza, formando uma certa proximidade com Clarice ao mesmo tempo que percebe as atrocidades que se encontra a cometer. A certa altura descobre uma biblioteca secreta na casa de uma amiga de Clarice. O seu capitão fica delirante de alegria pela possibilidade de poder queimar tantas obras. O protagonista logo procura esconder um livro, sendo visto por um colega, enquanto assiste com enorme pânico a uma mulher a imolar-se ao lado dos seus livros. A partir daqui sabemos que a vida deste indivíduo não vai mais ser a mesma, com este a começar a questionar tudo à sua volta e a abraçar a literatura, enquanto François Truffaut nos deixa diante do poder das palavras escritas mas também das imagens em movimento ao criar um filme de ficção científica relevante, pronto a expor os perigos de uma sociedade totalitária onde o conhecimento e a informação são controlados. Julie Christie tem desempenhos eficazes como as personagens que interpreta, embora caiba a Oskar Werner ser o elemento em maior destaque, com o actor a conseguir expressar as mudanças desta figura até então algo letárgica. Também Cyril Cusack tem espaço para se destacar como um capitão da velha guarda, pragmático e pouco dado a aturar grandes leviandades por parte dos seus homens, desprezando o conhecimento e os livros. Não sabemos o seu nome, nem o de muitos dos bombeiros que trabalham com Montag, com essa informação a não parecer relevante já que todos estes parecem diluir a sua individualidade perante uma bizarra e transviada ideia de colectivo. É o paradigma de uma sociedade formatada e totalitária (visível ainda no guarda-roupa e nas habitações, com estes dois elementos a contribuírem para exacerbar esta situação), com François Truffaut a deixar claro que é algo formado desde a infância, com a política do medo a ser instalada junto dos homens e das mulheres, onde a falsa ilusão provocada por alguns bens de consumo permite escamotear a cultura que se elimina.

A certa altura encontramos um indivíduo a ingerir um estimulante antes de colocar uma denúncia numa caixa destinada à função, naquele que é mais um exemplo que nos remete para uma sociedade totalitária onde até as notícias são controladas, com "Fahrenheit 451" a manter uma relevância notória não só pelo seu valor cinematográfico e pela sua mensagem mas também se pensarmos na forma como hoje em dia a informação pode ser muitas das vezes manipulada com recurso às redes sociais onde uma notícia falsa pode tornar-se viral com uma enorme facilidade. Truffaut tem aqui também aquela que é a sua primeira longa-metragem a cores, sobressaindo desde logo as tonalidades vermelhas do veículo dos bombeiros e do exterior do quartel, ou a dicotomia entre o espaço florestal onde se encontram escondidos os homens-livro (seres humanos que decoram livros para manterem a informação dos mesmos) com a impessoalidade e frieza citadina, ao longo de uma narrativa inteligente e intrigante, pontuada por alguma tensão e inquietação, onde nem sempre sabemos o que esperar em relação ao protagonista e ao seu destino. Em certa parte até nos remete para "Alphaville" de Jean-Luc Godard, onde também estávamos diante de uma instituição totalitária, com Truffaut a efectuar uma obra mais convencional do que alguns dos seus trabalhos como "Jules et Jim" mas com diversos traços em comum a alguns dos seus filmes. Desde a figura feminina que altera a vida do protagonista, as referências literárias, a utilização dos jump-cuts, a relevância da banda sonora, numa obra que não se revelou uma experiência totalmente gratificante para o cineasta embora seja um filme bastante recomendável. Entre os problemas encontrava-se o facto do cineasta não dominar a língua inglesa, mas também as divergências com Oskar Werner, algo salientado por Jeff Staford: "Adding an extra layer of aggravation was Oskar Werner who disagreed with Truffaut's interpretation of his character. Werner wanted to emphasize the brutal, fascist side of Montag while Truffaut insisted on focusing on the fireman's vulnerable nature". A crítica recebeu o filme de forma morna, com a passagem do tempo a parecer ter feito bem a uma obra cinematográfica inteligente e relevante, pontuada por uma banda sonora de grande nível e um assertivo trabalho de Nicolas Roeg na cinematografia, com François Truffaut a procurar integrar elementos contemporâneos da sociedade do seu tempo com algumas questões futuristas, resultando em algo que desafia a passagem do tempo. Ficam a faltar algumas explicações, tais como a forma como os personagens aprendem a ler quando quase tudo é ensinado oralmente (veja-se que até os créditos iniciais são expostos de forma sonora ao invés de contarmos com letras a exporem o nome do realizador e da sua equipa), numa obra que anda com um pé na realidade e outro na ficção-científica, parecendo certo que a Truffaut interessa sempre mais a primeira. Pode não ser o melhor filme de François Truffaut mas está longe de não merecer toda a nossa atenção, com diversas das temáticas de "Fahrenheit 451" a continuarem pertinentes e relevantes nos dias de hoje, com o cineasta a abordar as mesmas de forma assertiva. 

Título original: "Fahrenheit 451".
Título em Portugal: "Grau de Destruição".
Realizador: François Truffaut.
Argumento: Jean-Louis Richard e François Truffaut.
Elenco: Oskar Werner, Julie Christie, Cyril Cusack.

28 setembro 2015

Sarah Chalke no elenco de "Mother's Day", o novo filme de Garry Marhsall

 O Deadline noticiou que Sarah Chalke ("Scrubs") vai juntar-se ao elenco de "Mother’s Day", um filme realizado por Garry Marshall. Chalke vai interpretar Gabi, uma mulher que procura cuidar do filho, contando com o apoio de Max (Cameron Esposito), a sua companheira.

"Mother's Day" é realizado por Garry Marshall, através do argumento de Tom Hines, Lily Hollander, Anya Kochoff e Matthew Walker. O filme conta ainda no elenco com Julia Roberts, Jennifer Aniston, Kate Hudson, Britt Robertson, Aasif Mandvi, Jason Sudeikis, Timothy Olyphant, entre outros. O enredo de "Mother's Day" acompanha diversas mães cujos destinos acabam por se cruzar no dia do título.

"Mother's Day" estreia a 29 de Abril de 2016 nos EUA.

Divulgado um novo trailer de "Burnt"

 Foi divulgado mais um trailer de "Burnt" (À Procura de Uma Estrela), um filme protagonizado por Bradley Cooper. O filme é realizado por John Wells, através do argumento de Steven Knight. "Burnt" conta no elenco com Bradley Cooper, Sienna Miller, Uma Thurman, Daniel Bruhl, Riccardo Scarmacio, Emma Thompson, Lily James, Omar Sy, Jamie Dornan, Matthew Rhys, Alicia Vikander, entre outros.

 O enredo de "Burnt" centra-se em Adam Jones, um chef que perdeu tudo o que tinha devido às suas atitudes erráticas. Este procura recuperar o estatuto perdido ao assumir a cozinha de um restaurante que pode obter a sua terceira estrela Michelin. Para alcançar esse desiderato, Adam Jones precisa ter os melhores profissionais ao seu lado, incluindo a bela Helene (Sienna Miller).

"Burnt" estreia a 23 de Outubro de 2015 nos EUA. "À Procura de Uma Estrela" estreia em Portugal a 22 de Outubro de 2015.

Resenha Crítica: "A Surpresa" (De Surprise)

 "De Surprise" marca o regresso de Mike van Diem à realização de longas-metragens após ter dirigido "Karakter", um filme agraciado pelo Oscar de Melhor Filme em língua não inglesa em 1997, com o cineasta a ter recorrido ao Crowdfunding para ter retirado o seu novo projecto do papel num modelo onde os investidores também recebem uma parte das receitas de bilheteira da obra cinematográfica. O resultado final é uma obra cinematográfica agradável, marcada por uma mescla de leveza e melancolia, uma premissa interessante e uma narrativa onde são abordadas temáticas como o suicídio assistido (ou se preferirem "por encomenda") e a solidão, tendo como protagonistas uma dupla peculiar que a espaços nos surpreende e agarra ao enredo. Não falta algum romance, humor, mas também algum drama e reviravoltas capazes de dinamizarem a narrativa e a espaços surpreenderem-nos ou pelo menos não aborrecerem quando as esperamos, mas também uma simplicidade notória que joga a favor de "De Surprise". É uma obra que procura ficar com um pé na fantasia e outro na realidade, onde um indivíduo surge incapaz de sentir ou expor sentimentos, algo solitário e alienado da sociedade que o rodeia, procurando cometer suicídio, uma tarefa que parece ser incapaz de colocar em prática, pelo menos até conhecer a "Elysium", uma empresa secreta que presta esse tipo de serviços aos seus clientes. Este indivíduo é Jacob van Zuylen de With (Jeroen van Koningsbrugge), um excêntrico multimilionário que é praticamente incapaz de sentir emoções e sensações, com o seu quotidiano a ser marcado por um enorme sentimento de vazio, a ponto do falecimento da mãe servir de alavanca de ignição para aproveitar para colocar o seu plano em prática. A miríade de funcionários que envolve a sua propriedade, incluindo Cornald Muller (Jan Decleir), o administrador deste espaço, acaba por sabotar, ainda que involuntariamente, os planos do protagonista, algo que envolve uma série de gags (incrementados pela banda sonora), pelo menos até este ficar diante um elemento misterioso que atira um indivíduo de uma ravina. O indivíduo misterioso deixa cair uma placa onde consta o nome da Elysium e a morada da mesma. Esta é uma empresa secreta e ilegal dirigida por Mr. Jones (Henry Goodman), um indivíduo aparentemente simpático que propõe os mais diversos catálogos de mortes aos clientes (ou como este designa "viagens") incluindo um que é considerado "surpresa" que, como o título indica, será o escolhido por Jacob. É neste local que Jacob conhece Anne de Koning (Georgina Verbaan), também ela uma cliente, uma mulher que promete mudar o quotidiano deste indivíduo algo que promete ser recíproco. Supostamente não se deveriam contactar mas estabelecem logo diálogo quando se encontravam a escolher os respectivos caixões. Anne e Jacob voltam a quebrar as regras ao contactarem posteriormente e estabelecerem uma relação de proximidade e afinidade que resvala para o foro amoroso, uma situação que conduz o protagonista a duvidar deste serviço que encomendou a ponto de tentar adiar a sua colocação em prática.

As regras são claras: a decisão é irreversível, até para proteger os interesses da "empresa de viagens" que pretende ficar no anonimato. Esta situação conduz a que o protagonista seja alvo de Asif (Ankur Bahl), Moshin (Naveed Choudhry), Halim (Oliver Gatz) e Khuram (Ronny Jhutti), os quatro filhos de Mr. Jones, mas também procure a todo o custo reverter a decisão de vender a casa, após ter dado essa ordem, lidando com um advogado corrupto, enquanto descobre alguns segredos sobre Anne que prometem surpreendê-lo e trazer mais ingredientes a uma narrativa que gradualmente vai ficando mais condimentada e movimentada. A relação entre Jacob e Anne é um dos elementos centrais e fulcrais do enredo, com "De Surprise" a desenvolver com alguma eficácia a típica história de um homem e uma mulher cujas vidas mudaram a partir do momento em que se conheceram e começaram a conviver um com o outro. Ambos não podem ser mais diferentes, sobretudo a partir do momento em que conhecemos alguns segredos de Anne. Jeroen van Koningsbrugge consegue exibir alguma da dificuldade do seu personagem em sentir emoções, ou expor as mesmas, algo exibido desde logo nos momentos iniciais, quando este demonstra uma atitude algo fria diante da morte da progenitora e da venda da larga mansão da família. A partir do momento em que se começa a relacionar mais com Anne, não só encontramos Jacob a mudar um pouco os seus comportamentos, como Jeroen van Koningsbrugge exibe competência nestas transformações, quer nas cenas de maior seriedade e romantismo (veja-se quando a dupla se encontra a trocar uns passos de dança na praia), quer nas fugas rocambolescas e nos trechos de maior acção. Os poucos passatempos de Jacob passam por dançar, bem como coleccionar carros, com a atracção por estes a ser algo que marca a personalidade de Anne. Esta é uma mulher que pretende ser budista, que parece acreditar na vida após a morte e no karma, que aos poucos forma uma relação agradável com o protagonista, com Georgina Verbaan a explorar tanto um lado mais frágil e misterioso desta personagem como uma faceta pronta para a pancada. Não vai faltar humor físico em "De Surprise", mas também cenas de acção e alguns episódios peculiares, com a Elysium a surgir como um exemplo paradigmático da bizarria que envolve o universo destes personagens. Veja-se que estamos diante de uma empresa que procura prestar o serviço de eliminar os seus clientes de forma a cumprir os desejos dos mesmos, apresentando um leque alargado de opções, com Mr. Jones a parecer levar a sério este negócio. Quem também leva a sério o seu ofício é Cornald, um indivíduo de idade algo avançada que surge como um dos personagens secundários em maior destaque na narrativa, com Jan Decleir a incutir algum carisma a este indivíduo vetusto que procura zelar pelos interesses do protagonista e da propriedade do mesmo. 

A melancolia provocada pelo falecimento da esposa consome Cornald, tal como descobrimos que uma perda relevante conduziu o protagonista a apresentar dificuldades latentes em sentir. O sentimento de perda é algo de comum à dupla de protagonistas, com Anne a ser órfã, tendo sido adoptada pelo casal de vizinhos. Inicialmente parece bem mais frágil do que aquilo que é na realidade mas indica sentir algo de genuíno em relação ao protagonista, com "De Surprise" a conseguir criar uma empatia entre a dupla de protagonistas e o espectador a ponto de muitas das vezes aceitarmos as improbabilidades da narrativa. Jacob tinha aparentemente tudo para ser feliz mas, tal como em muitos casos de depressão, sente um enorme vazio na sua vida, com "De Surprise" a não surpreender na abordagem do indivíduo que conhece uma mulher que altera o seu quotidiano, embora também não seja uma comédia romântica totalmente inócua ou não abordasse algumas temáticas relevantes. É certo que falta profundidade na abordagem dos temas, incluindo na questão do suicídio assistido ou talvez o termo mais correcto seja "suicídio contratado", bem como na temática da depressão e até podemos questionar as divagações dos personagens sobre uma possível vida depois da morte, mas também existe uma procura sincera em nos deixar diante de figuras solitárias que chegam a uma situação onde preferem colocar um fim à sua existência ao invés de viverem num marasmo, com Jacob a começar aos poucos a repensar aquilo que pretende para o seu futuro. Não é propriamente uma temática agradável e o filme procura evitar encaminhar-se para situações mais profundas, embora a espaços não deixe de contar com um tom negro, com Jacob e Cornald a protagonizarem um episódio emotivo e comovente no último terço. Cornald cuidara da propriedade de Jacob com enorme zelo, com esta mansão a surgir como um espaço de largas dimensões que, quando o protagonista fica a sós, após dispensar os seus funcionários, ainda adensa mais a sua solidão. Temos ainda momentos estranhamente ternos, tais como o protagonista a dar a mão a Anne quando espera que um camião se dirija em direcção aos mesmos, acabando por sentir um calor humano que não esperava, num trecho de estranho romantismo ou não estivéssemos diante de uma obra cinematográfica que flutua sobretudo pelas águas do romance. O argumento é relativamente eficaz, tendo sido inspirado num conto da autoria de Belcampo, com Mike van Diem a criar uma obra agradável de acompanhar, que se encontra longe de surpreender mas é convincente o suficiente para nos prender, sobretudo devido à sua dupla de protagonistas e às situações peculiares em que Anne e Jacob são envolvidos.

Título original: "De Surprise".
Título em Portugal: "A Surpresa". 
Realizador: Mike van Diem.
Argumento: Mike van Diem.
Elenco: Jeroen van Koningsbrugge, Georgina Verbaan, Jan Decleir, Henry Goodman.

Novas imagens e fotos do set de "The Revenant"

O The Film Stage divulgou novas imagens e fotos do set de "The Revenant", um filme realizado por Alejandro González Iñárritu ("Birdman"). O filme conta no elenco com Leonardo DiCaprio, Domhnall Gleeson, Tom Hardy, Will Poulter, entre outros. O argumento do filme é baseado no livro "The Revenant: A Novel of Revenge" de Michael Punke.

Sinopse: Perdido no inexplorado deserto Americano, o caçador Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) é gravemente ferido e deixado como morto por um membro traidor da sua equipa, John Fitzgerald (Tom Hardy). Com a força de vontade como sua única arma, Glass enfrenta um ambiente hostil, um inverno brutal e tribos em guerra, lutando pela sua sobrevivência e motivado pela sede de vingança.

"The Revenant" estreia a 25 de Dezembro de 2015 nos EUA.


Resenha Crítica: "La sirène du Mississipi" (1969)

 Será possível resistir ao canto da sereia? Louis Mahé (Jean-Paul Belmondo), o protagonista de "La sirène du Mississipi", parece incapaz de o fazer, embora vários sinais e gestos indiquem que este deveria ser mais pragmático ao invés de seguir os impulsos. Diga-se que não é o primeiro dos protagonistas das obras cinematográficas realizadas por François Truffaut cujo quotidiano se altera por completo diante da chegada de uma figura feminina marcante. No caso, Catherine Deneuve a espaços quase que faz recordar a personagem interpretada pela sua irmã, Françoise Dorléac, em "La peau douce", uma hospedeira de bordo que se envolve com um indivíduo casado, numa obra cinematográfica onde François Truffaut dera novamente uma enorme atenção aos gestos, com a relação entre a dupla de protagonistas a ser pontuada por alguma sensualidade e erotismo. Também Deneuve surge como objecto de desejo em "La sirène du Mississipi", uma obra cinematográfica que teve como base o livro "Waltz into Darkness" de William Irish (pseudónimo de Cornell Woolrich), o mesmo autor de "The Bride Wore Black" que Françoise Truffaut adaptara livremente em "La Mariée était en noir". Se em "La Mariée était en noir" encontrávamos Jeanne Moreau como uma viúva que se procura vingar dos cinco elementos que contribuíram (voluntária ou involuntariamente) para a morte do esposo, com esta a saber utilizar o seu poder de sedução e inteligência, já em "La sirène du Mississipi" encontramos um marido que se procura inicialmente vingar da esposa que o enganara. As mulheres são figuras preponderantes das obras de François Truffaut. Desde "Jules et Jim", passando por "La peau douce" e "La Mariée était en noir", vários são os exemplos que podemos dar onde as mulheres surgem como figuras relevantes, algo que se repete em "La sirène du Mississipi". Tudo começa com uma troca de correspondência entre Louis Mahé e Julie Roussel (Catherine Deneuve), com este a pedi-la em casamento, ainda sem ter conhecido pessoalmente a noiva. Ele é um indivíduo algo solitário, aparentemente sem grandes amizades, dono de uma fábrica de tabaco e uma extensa propriedade na ilha Reunião, uma situação que lhe proporciona uma situação financeira desafogada. Dela inicialmente pouco sabemos, a não ser que mentiu na foto enviada, com a sua beleza a ter tanto de encantadora como a sua personalidade tem de misteriosa. É esperada num barco, onde também chegam várias gentes anónimas e encomendas. Diga-se que a personagem também se prepara para surgir como uma bela encomenda, quer no sentido literal, quer no figurado, com os seus longos cabelos loiros, face angelical e sorriso contagiante a prometerem contrastar com alguns dos seus actos. Aos poucos alguns factos das cartas não batem certo com a personalidade e gostos de Julie, mas a capacidade de sedução desta, bem como a ingenuidade de Louis e o provável entusiasmo por ter visto que a sua noiva superou as expectativas, conduzem a que o mesmo não ligue muito à situação. Nem uma carta de Berthe Roussel (Nelly Borgeaud), a irmã de Julie, a estranhar a falta de correspondência da familiar faz com que Louis desconfie da esposa, muito menos a frieza em relação à morte do canário de estimação. A confiança do personagem interpretado por Jean-Paul Belmondo em relação à esposa vai ao ponto de deixar que esta tenha total acesso à sua conta bancária privada e da empresa. Quando esta desaparece misteriosamente, deixando as contas quase a zeros e Berthe surge em busca da irmã, revelando que a personagem interpretada por Catherine Deneuve encontra-se a utilizar uma identidade falsa, Louis fica devastado, com o impacto a afectar o seu ego, a sua carteira e o seu "coração". Bem queima os objectos que esta deixou em casa, na maioria brancos, embora esta figura feminina esteja longe de simbolizar a pureza, mas nem por isso o fogo provocado pela traição deixa de alastrar pela sua alma.

Louis e Berthe contratam os serviços do detective Comolli (Michel Bouquet), um indivíduo zeloso no cumprimento da sua actividade, para provar que a falsa Julie, na realidade Marion Vergano, esteve envolvida no assassinato da verdadeira, decidindo ainda viajar, acabando por desmaiar no voo e ter de ficar temporariamente internado em Nice. No hospital, Louis depara-se com um vídeo na televisão onde encontra Marion a dançar num clube nocturno em Antibes, decidindo procurá-la com intenções de matá-la. Não consegue e acaba envolvido numa teia de sedução mútua, revelações, crimes, mentiras e reviravoltas, por um conjunto de locais distintos, com Catherine Deneuve e Jean-Paul Belmondo a exibirem um enorme talento e carisma como este estranho casal que tanto se ama como se repudia. A cena em que os dois se reencontram no quarto de hotel é paradigmática do quanto esta dupla funciona, com ambos a protagonizarem momentos magnéticos, onde não descolamos a atenção para saber o que vai acontecer, com Jean-Paul Belmondo e Catherine Deneuve a transmitirem a sensação de que poderiam ficar a falar durante horas que não perderíamos a atenção nas figuras que interpretam, algo que se vai repetir quando alugam uma casa em Aix-en-Provence. Descobrimos mais sobre Marion, uma órfã que parece desprezar a pobreza, também ela a ter ficado sem o dinheiro de Louis já que se encontrava a ser alvo de extorsão de Richard (Roland Thénot), o seu antigo companheiro, um indivíduo que víramos a discutir com esta, ainda que por breves segundos, na Ilha Reunião em momentos que foram presenciados por Jardine (Marcel Berbert), um dos poucos amigos do personagem interpretado por Jean-Paul Belmondo. O actor consegue expressar a raiva do protagonista e o sentimento de engano que assola a sua alma mas também as fragilidades emocionais do mesmo, surgindo como um personagem que em parte até foge do que esperamos ver de Belmondo, com este a dar vida a um homem de largas posses e pouco pragmatismo no que diz respeito ao amor e ao desejo. Deixa-se seduzir com facilidade. Diga-se que difícil seria se isso não acontecesse, com Catherine Deneuve a incutir um misto de fragilidade e sensualidade a Marion de que é complicado resistir, uma figura feminina que altera por completo o quotidiano de Louis a ponto deste cometer uns quantos actos onde a racionalidade parece ser colocada de lado. A certa altura chegam a protagonizar alguns momentos de grande intimidade, a ponto de formarem uma cumplicidade que não pareciam ter na Ilha Reunião, apesar de sabermos que existe muito a minar este envolvimento, incluindo os actos que Louis e Marion tomam ao longo do filme, com a relação entre ambos a fascinar-nos e ao mesmo tempo a deixar-nos com a sensação de que algo pode fazer perigar a mesma a qualquer momento. François Truffaut volta a dar uma enorme atenção aos gestos dos seus personagens e ao desejo que permeia as suas relações, com a cena em que Louis toca ao de leve nas pernas de Marion a fazer-nos recordar momentos semelhantes em "La peau douce", onde a sensualidade e algum erotismo se encontravam presentes. Temos ainda o momento em que este a descreve, existindo um desejo mútuo que a espaços os parece unir. Diga-se que Marion sabe o seu poder de sedução. Veja-se quando desabotoa os botões do seu vestido para Louis colocá-los no sítio ou utiliza uma roupa interior considerada mais sedutora, para o momento em que o personagem interpretado por Jean-Paul Belmondo entra no local onde se encontram instalados. Os cenários tropicais da Ilha Reunião são trocados pelos espaços citadinos franceses com o avançar da narrativa, enquanto François Truffaut envolve a sua dupla de protagonistas numa teia negra de acontecimentos, bombeados muitas das vezes ao ritmo da sublime banda sonora de Antoine Duhamel.  

A banda sonora é parte fulcral das obras de François Truffaut, tal como o trabalho das imagens (incluindo a nível de montagem) e a narração em off, com "La Sirène du Mississipi" a remeter-nos ainda para as célebres referências literárias e cinéfilas (não pode faltar uma ida ao cinema para a dupla de protagonistas ver "Johnny Guitar", de Nicholas Ray, um dos "heróis" dos elementos da Nouvelle Vague, entre os quais Truffaut, para além do filme ser dedicado a Jean Renoir) dos vários trabalhos do primeiro. A irreverência no trabalho do som e das imagens é exposta logo nos momentos iniciais onde nos deparamos com os anúncios para encontros colocados nos jornais, mas também quando François Truffaut decide jogar com as mesmas, tal como no momento em que encontramos Marion a escapulir-se, num pequeno quadrado que rapidamente toma conta do ecrã até então preenchido de negro. No entanto, mais do que o poder da imagem, "La Sirène du Mississipi" deixa-nos diante da força que o canto da sereia e do amor tem no protagonista, a ponto de nem o facto da sua conta ter sido esvaziada fazer com que o ódio tome por completo a sua alma ao longo de todo o enredo. No final a neve, também ela presente em "Tirez sur le pianiste", toma conta dos cenários. Não temos um tiroteio, mas temos a angústia e a certeza de um amor que a espaços se pode tornar venenoso, com os sentimentos de Marion em relação a Louis a nunca serem tão claros como os deste homem em relação à primeira, embora pareça certo que não são indiferentes um em relação ao outro. Catherine Deneuve procura que a personagem que interpreta tenha sempre algum mistério, que nos deixe sempre com a pulga atrás da orelha, com esta a ter tanto de frágil como de mimada e dissimulada, parecendo temer as dificuldades que teve outrora embora isso não justifique todas as suas opções. Quando grava um disco para Louis, que nunca chega ao destinatário, expõe um pouco dos seus sentimentos, exibindo que nutre algo de forte por este homem embora isso não a impeça de tomar atitudes erráticas e por vezes parecer interessar-se em demasia pelos valores materiais. François Truffaut já nos habitou ao papel transformador que uma mulher pode ter na vida dos homens, algo de que "Jules et Jim" é paradigmático. Em "La Sirène du Mississipi" deixa-nos diante do canto da sereia desta dupla de protagonistas que nos arrasta para o interior da sua relação convulsa, que nasce torta, a espaços endireita-se, embora a instabilidade seja a palavra de ordem da mesma ao longo de uma obra cinematográfica onde François Truffaut revela não só o seu engenho para dinamizar os seus filmes, trabalhar as imagens e extrair o talento dos seus intérpretes mas também a criar momentos que deixam marca no espectador.

Título original: "La sirène du Mississipi"
Título em inglês: "Mississippi Mermaid".
Título em Portugal: "A Sereia do Mississípi".
Realizador: François Truffaut. 
Argumento: François Truffaut. 
Elenco: Catherine Deneuve, Jean-Paul Belmondo, Michel Bouquet, Nelly Borgeaud.

27 setembro 2015

A Semana em Revista - 21 a 27 de Setembro de 2015

 Com o regresso das notícias ao blog e o modo mais aleatório como vamos publicar as resenhas críticas, decidimos fazer regressar "A Semana em Revista". Para quem não conhece, esta é uma espécie de rubrica semanal que consiste num post manhoso onde aproveito para efectuar um balanço do que foi feito no Rick´s Cinema ao longo da semana. Ou seja, as críticas publicadas, o post das estreias, as notícias mais lidas e eventualmente algum outro texto. É a espécie de rubrica ideal para quem apenas quer visitar este espaço uma vez por semana ou simplesmente mais um post para voltarem a ignorar (visto não ser em papel, nem para forrar a gaiola do pássaro serve). P.S. Obrigado a quem nos lê/atura (sem ofender as nossas pessoas ou familiares).

O primeiro destaque vai para as oito críticas publicadas ao longo da semana:

-
-
-
-
-
-
-
-

O segundo destaque vai para o post dedicado às estreias da semana:

-

O terceiro destaque vai para as notícias mais lidas da semana:

-
-
-
-
-
-
-
-
-