07 dezembro 2015

Resenha Crítica: "The Lavender Hill Mob" (1951)

 No início de "The Lavender Hill Mob" somos colocados diante de Henry Holland (Alec Guinness) a viver recheado de luxos, em pleno Rio de Janeiro, com o protagonista a expor os eventos que antecederam a sua chegada ao território canarinho. Os episódios vão ser expostos num longo flashback, enquanto Henry conta com um interlocutor muito interessado nessas peripécias. Henry trabalhou cerca de vinte anos num banco, com as suas funções a passarem por assegurar que as barras de ouro eram transportadas em segurança desde a refinaria até ao interior do cofre da instituição bancária. O personagem interpretado por Alec Guinness é conhecido pela sua enorme eficiência e seriedade. Diga-se que os superiores de Henry ainda chegam a ironizar com a falta de criatividade e ambição do protagonista, embora estejam completamente enganados em relação aos planos deste indivíduo. Henry é um indivíduo aparentemente calmo, que habita na Residencial Balmoral em Lavender Hill, um espaço dotado de poucos luxos. Quem acaba de chegar a esta residencial é Alfred Pendlebury (Stanley Holloway), um empresário que dirige uma fábrica que tem como actividade o desenvolvimento de souvenirs, com o seu local de trabalho a permitir fundir metal, algo que desperta o desejo de Henry em colocar em prática o "crime perfeito". Henry pretende formar uma equipa, roubar os lingotes de ouro que costuma ajudar a transportar, criar um álibi perfeito, fundir o metal precioso e vender o mesmo em França. O plano parece demasiado arriscado, embora a entrada em cena de Lackery Wood (Sidney James) e Shorty Fisher (Alfie Bass), dois criminosos profissionais, traga alguma confiança a Pendlebury e Holland, apesar dos dois primeiros surgirem como duas figuras bastante peculiares. O assalto conta com um ou outro contratempo, embora o quarteto consiga colocar o mesmo em prática e furtar a carrinha de valores onde se encontram mais de duzentas barras de ouro. Holland consegue ludibriar os seus superiores, enquanto a imprensa trata-o como um herói e as autoridades encaram-no inicialmente como um aliado para a investigação. O que estes não esperavam é que Holland tivesse a perspicácia para organizar o furto das barras de ouro, com Alec Guinness a atribuir uma personalidade inicialmente passiva a este indivíduo dotado de alguma inteligência que decide colocar em prática um plano supostamente perfeito para finalmente poder viver rodeado de luxos e prazeres, algo que nunca conseguiu ao longo de toda a sua carreira profissional, com o actor a conceder uma certa mordacidade e malícia a este personagem. É o típico protagonista dos filmes de assalto que procura efectuar um golpe para enriquecer de forma fácil, com Henry a surgir como o líder inesperado de um grupo peculiar de criminosos, uma situação algo irónica, sobretudo se tivermos em conta que o personagem interpretado por Alec Guinness era conhecido pela sua inércia. Diga-se que o quarteto não tem como objectivo provocar mortos ou feridos, ou efectuar uma vingança, pretendendo "apenas" um meio rápido, ainda que arriscado, para ascender facilmente na vida. O golpe é efectuado com sucesso, embora a viagem de Holland e Pendlebury a Paris, tendo em vista a transaccionarem o ouro fundido, prometa contar com uma série de berbicachos. Estes elaboraram pisa-papéis em ouro, com o formato da Torre Eiffel, tendo em vista a ludibriarem as autoridades na alfândega, com Pendlebury a transportar estes objectos em conjunto com os souvenirs fabricados em chumbo, um plano que aparentemente parecia ter tudo para dar certo.

O plano dos protagonistas conhece um enorme revés quando seis raparigas inglesas compram seis pisa-papéis da Torre Eiffel em plena cidade de Paris. A empregada abre a caixa errada e vende seis pisa-papéis fabricados em ouro, algo que conduz Holland e Pendlebury a procurarem recuperar os objectos a todo o custo, enquanto perseguem estas jovens que se encontram numa excursão escolar. Esta situação possibilita um dos momentos mais inspirados do filme, com Holland e Pendlebury a descerem as escadas da Torre Eiffel de forma veloz, tendo em vista a procurarem encontrar as jovens, com a câmara de filmar, o trabalho de montagem e a banda sonora a contribuírem para adensar o momento vertiginoso que envolve a dupla de criminosos. Charles Crichton, o realizador de "The Lavender Hill Mob", consegue que o espectador praticamente compartilhe a sensação vertiginosa desta longa descida protagonizada por Holland e Pendlebury, enquanto estes descem apressadamente as escadas deste monumento elevado. Os dois ficam meio tontos, com a própria câmara a tremer por completo, algo que contribui para transmitir as tonturas de Holland e Pendlebury, enquanto a dupla procura recuperar os objectos antes que as autoridades inglesas percebam como o ouro foi transportado para fora do país. "The Lavender Hill Mob" mescla com sucesso elementos de filme de assalto com comédia, algo latente no tom leve que acompanha a narrativa desta fita produzida pela Ealing Studios, uma companhia de produção que ficou muito marcada pelo desenvolvimento de obras cinematográficas de humor. Veja-se exemplos como "The Man in the White Suit", "The Ladykillers", entre outras obras cinematográficas. Alec Guinness integrou o elenco de alguns dos filmes da Ealing Studios, com o actor a sobressair ao longo de "The Lavender Hill Mob" como um indivíduo aparentemente comum que se revela capaz de planear um assalto de larga escala. A dinâmica do grupo é explorada de forma precisa e concisa, com o argumento de T.E.B. Clarke a contar com alguns momentos de humor bastante inspirados ao mesmo tempo que exibe uma capacidade notória de avançar rapidamente com a narrativa. O enredo avança a um ritmo fluido, ao sabor das emoções intensas vividas pelos personagens, enquanto somos brindados com alguns momentos meio nonsense. Veja-se quando encontramos Henry e Alfred a lidarem com uma enorme burocracia em Paris para conseguirem apanhar um barco a tempo, ou a própria descida  das escadas da Torre Eiffel, ou uma fuga rocambolesca no interior de um carro da polícia, com as autoridades a parecerem muitas das vezes figuras fáceis de ludibriar. Alfred é outro dos personagens que se destacam, com Stanley Holloway a apresentar uma dinâmica convincente com Alec Guinness. Holloway interpreta uma figura mais nervosa, que conhece o protagonista num acaso, com ambos a terem um papel decisivo no roubo dos lingotes de ouro. O cenário da residência onde Holland e Pendlebury habitam é marcado por uma atmosfera relativamente calma, algo que não acontece quando Henry e companhia se encontram pelos territórios exteriores de Londres, uma situação notória em episódios como o assalto. "The Lavender Hill Mob" foi filmado em diversos espaços de Londres quer sejam as suas ruas, ou até os bancos e o espaço exterior do metro, com Charles Crichton a aproveitar relativamente bem os mesmos, embora poucas cenas igualem a descida da Torre Eiffel. Henry é um indivíduo anónimo que habita este espaço londrino, com a sua aparente timidez a não impedir que procure colocar em prática um plano que tem tanto de intrincado como de estapafúrdio, com "The Lavender Hill Mob" a conseguir reunir com sucesso a sua faceta de filme de assalto com os ingredientes de comédia, com o argumento de T.E.B. Clarke, o trabalho de Douglas Slocombe na cinematografia e o elenco principal a incrementarem e muito esta obra cinematográfica. O argumento permite explorar esta situação delirante de um indivíduo aproveitar o facto de quase todos aqueles que o rodeiam não esperarem que este tome uma atitude típica de um criminoso, com Henry a gerar facilmente a simpatia do espectador numa obra de assalto que se distancia do tom sério de diversos filmes do subgénero. Filmado a preto e branco, marcado por um assalto recheado de episódios e consequências rocambolescas, "The Lavender Hill Mob" mescla com sucesso elementos de filmes que envolvam furtos com ingredientes de comédia, com Charles Crichton a realizar mais uma obra cinematográfica bem sucedida da Ealing Studios, enquanto Alec Guinness explana algum do seu talento para a interpretação e apresenta um timing exímio quer para os momentos de humor, quer para as situações mais sérias.

Título original: "The Lavender Hill Mob".
Título em Portugal: "Roubei Um Milhão". 
Realizador: Charles Crichton.
Argumento: T.E.B. Clarke.
Elenco: Alec Guinness, Stanley Holloway, Sid James, Alfie Bass, Marjorie Fielding.

Sem comentários: