20 novembro 2015

Resenha Crítica: "Hustle" (1975)

 Com um tom pessimista, alguma violência, uma narrativa pronta a expor as desigualdades no interior da sociedade e as diferenças no acesso à defesa, "Hustle" coloca-nos diante de um enredo marcado por uma atmosfera de malaise, onde a estranha relação entre um tenente da polícia e uma prostituta parece proporcionar os momentos de maior calor humano. O tenente é Phil Gaines (Burt Reynolds), um indivíduo que trabalha quase sempre em parceria com o sargento Louis Belgrave (Paul Winfield). Phil é um tipo duro, algo cínico e divorciado, que gosta de ingerir bebidas alcoólicas, mesmo quando se encontra em serviço. Este procura resolver os casos de forma rápida e eficaz, muitas das vezes sem levantar grandes questões, parecendo reverenciar diversos elementos associados ao passado. Burt Reynolds incute um estilo duro e sardónico a este personagem que coloca muitas das vezes a sua vida em risco, que inicialmente parece pouco interessado em enfrentar o sistema corrupto que o rodeia, tendo em Nicole Britton (Catherine Deneuve) a sua melhor companhia. Nicole é uma prostituta de origem francesa, que facilmente desperta a atenção pela sua enorme beleza, longos cabelos loiros, olhar misterioso e sedutor, com Catherine Deneuve a incutir uma certa delicadeza esta mulher que ganha a vida com o seu corpo. A personagem interpretada por Catherine Deneuve não parece ter grandes problemas com a sua profissão, embora também não seja um ofício que a entusiasma, uma situação que contribui para incutir alguma estranheza ao envolvimento entre Nicole e Phil. Ele defende a lei, apresenta uma personalidade vincada e uma brutalidade visível ao não ter problemas em pontapear um suspeito ou envolver-se em situações que podem colocar a sua vida em perigo. Ela transgride constantemente a lei com a sua profissão, embora mantenha uma relação relativamente estável com Phil. Catherine Deneuve e Burt Reynolds apresentam uma química relativamente convincente, com o personagem interpretado por este último a começar a demonstrar gradualmente alguma insatisfação e incómodo em relação à profissão de Nicole, parecendo querer levar a relação para um nível mais sério. Deneuve incute algum mistério, pragmatismo e delicadeza a Nicole, enquanto Reynolds exibe uma faceta dura e a espaços descontraída a Phil. O quotidiano deste homem e Louis é marcado pelo caso que envolveu a estranha morte de Gloria Hollinger (Colleen Brennan). Esta foi encontrada morta, na praia, com os relatórios médicos a indicarem que Gloria consumira drogas mas também que continha sémen em quantidade excessiva em diversos orifícios. Louis considera o caso estranho, bem como a presença de uma fotografia na carteira da jovem em que a vítima se encontra acompanhada por Leo Sellers (Eddie Albert), um advogado que conta com uma agenda muito própria. Sellers também é cliente de Nicole, surgindo como uma figura poderosa e influente, quase intocável, algo que inicialmente conduz o protagonista a deixar de lado esta pista, embora Louis considere que existem questões básicas que deveriam ter sido efectuadas antes de se encerrar o caso.

Santoro (Ernest Borgnine), o superior de Phil e Louis prefere arrumar desde logo o caso, com "Hustle" a apresentar uma versão nem sempre simpática da polícia e da sociedade, ou o personagem interpretado por Ernest Borgnine não fosse alguém que pretende acima de tudo fechar os processos ao invés de levantar questões sobre as novas pistas que aparecem sobre alguns acontecimentos mais nebulosos. Diga-se que Santoro ainda questiona se Gloria é filha de alguém importante, com "Hustle" a aproveitar para efectuar mais um comentário relacionado com as assimetrias sociais e o tratamento distinto que cada um tem consoante o seu estatuto na sociedade. Quem não tem problemas em levantar dúvidas é Marty Hollinger (Ben Johnson), o pai de Gloria, um antigo militar que combateu na Guerra da Coreia, tendo regressado psicologicamente afectado do conflito. Ben Johnson incute um estilo resiliente e agressivo a este antigo militar que não se conforma com o facto das autoridades descartarem o caso com uma facilidade inesperada. As autoridades concluem que Gloria cometeu suicídio, algo que Marty não concorda, ou pelo menos não quer acreditar. O momento em que Marty tem de identificar o corpo da filha é de uma enorme violência física e psicológica, com Robert Aldrich a exibir mais uma vez que não tem contemplações para com os personagens que povoam a narrativa de "Hustle". Gloria encontra-se nua, com Marty a desferir um soco em Phil devido a ninguém se ter dado ao trabalho de tapar o corpo da jovem. Louis pretende deter Marty, enquanto Phil compreende este indivíduo, algo visível quando comenta que concorda que o corpo da falecida deveria estar tapado. O personagem interpretado por Burt Reynolds tem neste momento uma demonstração de sensibilidade, algo que voltará a repetir em algumas situações do filme, com o último terço a brindar-nos com algumas surpresas em relação à sua conduta, sobretudo quando percebe que a justiça nem sempre parece servir para proteger aqueles que procura defender. Diga-se que "Hustle" foi lançado em 1975, uma década na qual foram lançadas obras como "Dirty Harry", "Death Wish", entre outras que nos colocaram diante de figuras que transgrediam muitas das vezes as leis para fazerem "justiça". Tal como no caso das duas obras mencionadas, "Hustle" beneficiou do final do Código Hays para a exposição da violência. Não falta um corpo morto a surgir na praia, tiroteios, nudez, temáticas como a prostituição, pornografia, incompetência a nível da polícia, entre outras que povoam este filme neo-noir. Diga-se que Robert Aldrich raramente teve grandes contemplações na abordagem das temáticas ao longo da sua carreira. Veja-se a representação pouco simpática que Robert Aldrich efectuou do studio system em "The Big Knife", ou o magnífico filme noir "Kiss Me Deadly" onde nos colocava diante de uma investigação pontuada por uma miríade de figuras moralmente ambíguas, ou "What Ever Happened to Baby Jane?", uma fita onde ficamos perante duas ex-vedetas que outrora efectuaram um enorme sucesso e agora se encontram votadas ao esquecimento. Vale a pena realçar que em todos os exemplos mencionados não faltam episódios trágicos no último terço, seja uma explosão, um suicídio, entre outras situações, algo que se repete em "Hustle". No caso de "Hustle", Robert Aldrich coloca-nos diante de uma narrativa onde não faltam elementos e temáticas como violência, prostituição, crimes, as limitações da lei, as assimetrias sociais, entre outros, com o cineasta a desferir-nos um murro no estômago no último terço, algo que acontece após ludibriar o espectador com a possibilidade de um destino mais apolíneo para Phil Gaines. Burt Reynolds tem em Phil Gaines um personagem que aos poucos consegue criar alguma empatia com o espectador, sobretudo quando exibe um lado mais frágil deste polícia, algo notório no relacionamento amoroso que este forma com Nicole e a amizade que mantém com Louis.

A relação entre Phil e Nicole é um dos elementos essenciais da narrativa, com esta mulher a permitir expor um lado mais humano e frágil do protagonista, uma figura complexa que procura deter os criminosos, embora tenha a consciência que o seu trabalho nem sempre permite proteger os inocentes. Veja-se quando Phil tem de deter novamente Jerry Bellamy (David Spielberg), um criminoso que fora condenado a prisão perpétua, embora tenha cumprido apenas cinco anos da pena. Phil assume uma postura pragmática da sua profissão, ao contrário de Louis, com este último a parecer sempre mais questionador, com Paul Winfield (do recomendável "White Dog") a sobressair como um representante das autoridades que procura combater algumas injustiças. O envolvimento de Marty na investigação leva a que Phil e Louis sejam obrigados a questionar algumas situações inerentes ao caso, em particular o envolvimento de Leo Sellers com Gloria. Ben Johnson interpreta um indivíduo com pouco a perder, que apresenta uma relação relativamente distante com Paula Hollinger (Eileen Brennan), a sua esposa, com esta última a contar também alguns segredos negros em relação ao seu passado. Diga-se que poucos são os personagens que contam com uma conduta praticamente irrepreensível ao longo do filme, com Robert Aldrich a apresentar-nos uma multitude de figuras que sobressaem ao longo da narrativa. Phil envolve-se com uma prostituta, procura cumprir o seu serviço sem questionar algumas situações mais complexas, bebe durante o horário laboral (em particular Bushmills), embora pareça gradualmente tomar consciência de que o caso da morte da filha de Marty pode envolver algo mais grave. Nicole prostitui-se para ganhar a vida. Louis não tem problemas em exercer actos de violência sobre indivíduos que se encontra a interrogar. Paula traiu o esposo no passado. Leo conta com alguns negócios obscuros. Santoro procura que a esquadra não tenha mais preocupações. Gloria prostituía-se, tendo protagonizado um filme pornográfico. Peggy (Catherine Bach), uma colega de Gloria, procura omitir alguma informação sobre a falecida. Ou seja, o enredo de "Hustle" é dotado de figuras que estão longe de serem um exemplo moral, com aqueles que procuram fazer justiça a poderem nem sempre ter o melhor dos destinos ao longo deste filme neo-noir. Não faltam os clubes nocturnos, os personagens moralmente ambíguos, a insegurança e violência, uma atmosfera de malaise, entre outras temáticas e elementos, com "Hustle" a parecer apresentar um tom desencantado em relação a uma época, um pouco como Robert Aldrich efectuara em "Kiss Me Deadly". Ainda existe espaço para algum romance e humor, com Phil e Nicole a formarem uma relação que tanto tem de estranha como de genuína, com estes a chegarem a ponderar uma viagem que prometeria ser idílica a Roma. Phil parece encarar o facto de Nicole ser uma prostituta como se de uma profissão normal se tratasse embora exiba gradualmente que nem sempre consegue controlar os seus sentimentos de forma pragmática. Os dois contam com diversos momentos de intimidade quer quando se encontram em casa, quer quando saem para ir ao cinema (não vão faltar referências cinéfilas ao longo do filme), quer para irem ao restaurante, com Deneuve a repetir o papel de uma mulher que se prostitui após o trabalho sublime que efectuou em "Belle de Jour". Burt Reynolds e Catherine Deneuve surgem como alguns dos destaques do filme, bem como Ben Johnson e Paul Winfield, com Robert Aldrich a colocar-nos diante de uma obra marcada por uma atmosfera negra e violenta, onde a justiça e a felicidade nem sempre são alcançadas.

Título original: "Hustle".
Título em Portugal: "A Cidade dos Anjos".
Realizador: Robert Aldrich.
Argumento: Steve Shagan.
Elenco: Burt Reynolds, Catherine Deneuve, Ben Johnson, Paul Winfield, Eileen Brennan.

Sem comentários: