13 setembro 2015

Resenha Crítica: "North by Northwest" (Intriga Internacional)

 Thriller inquietante, recheado de reviravoltas, episódios meio rocambolescos, mistério, uma banda sonora brilhante de Bernard Herrmann capaz de exacerbar os perigos que envolvem o protagonista, algum humor e Cary Grant ao seu melhor nível, "North by Northwest" mantém um valor cinematográfico e de entretenimento indelével, com a cena do último terço no Monte Rushmore a continuar icónica. É um filme inebriante, que desperta as mais variadas emoções, enquanto nos apresenta a um indivíduo que se depara com a caricata situação de um criminoso pensar que ele é um agente secreto, algo que o vai obrigar a ter de lidar com uma realidade distinta daquela à qual estava habituado, ao mesmo tempo que tem de enfrentar uma série de perigos, mentiras e reviravoltas, deparando-se inclusive com uma loira sensual cujos verdadeiros objectivos apenas são conhecidos no último terço desta obra cinematográfica. Estamos diante de uma obra cinematográfica que muito tem de Alfred Hitchcock: a participação especial do realizador; uma capacidade exímia em criar a tensão junto do espectador (veja-se a já citada cena no Monte Rushmore, filmada maioritariamente em estúdio, mas também a fuga do protagonista da estação do comboio ou a entrada do mesmo neste meio de transporte, a sua procura em invadir a casa dos antagonistas, entre outros episódios); um antagonista (Phillip Vandamm, interpretado por James Mason) relativamente polido a nível de gestos; uma personagem feminina que se encontra envolvida numa investigação que pode colocar a sua vida em perigo (Eva Marie Saint - como Eve Kendall); uma mulher loira como personagem feminina principal; a relação algo complicada entre o protagonista e a mãe (veja-se na cena em tribunal quando esta faz troça do filho); o MacGuffin, um elemento influente para os personagens mas que pouca importância efectiva tem para o espectador (neste caso sabemos que Vandamm exporta material secreto para o inimigo, sendo revelado no último terço que são microfilmes); o indivíduo comum que é envolvido num caso intrincado (o protagonista); o mistério, entre todo um conjunto de características, com "North by Northwest" a surgir como um filme onde os traços associados ao estilo do cineasta encontram-se bem salientes e utilizados de forma paradigmática e inspirada. Diga-se que é também uma das obras-primas de Alfred Hitchcock, com este a arrebatar-nos para o interior desta obra frenética onde Roger O. Thornhill (Cary Grant), um executivo que trabalha no ramo publicitário, é confundido por Phillip Vandamm (James Mason) e os seus homens com George Kaplan, um suposto agente secreto que se encontra a investigar o personagem interpretado por James Mason. Nesse sentido, Valerian (Adam Williams) e Licht (Robert Ellenstein) conseguem raptar Roger, transportando-o para uma casa em Glen Cove que pertence a Lester Townsend (Philip Ober), um funcionário das Nações Unidas que não se encontra presente no local. Roger logo procura comprovar que não é George Kaplan, mas os seus interlocutores, entre os quais Vandamm (a fazer-se passar por Townsend), Valerian, Licht e Leonard (Martin Landau, o braço direito de Vandamm), não se acreditam no mesmo, a ponto de o embebedarem e colocarem num veículo, até este embater noutro carro e ser detido pela polícia. A cena da fuga é intensa, marcada pelo estado embriagado do protagonista e o perigo que se parece avistar do mesmo, naquela que é uma das várias situações perigosas nas quais Roger vai estar envolvido ao longo do enredo, com Alfred Hitchcock a salpicar as mesmas de uma enorme tensão.

A polícia logo detém Roger, parecendo acreditar-se muito pouco na história deste personagem, algo que se vai repetir em tribunal, onde este se encontra acompanhado pelo advogado e pela mãe, com esta última a não parecer confiar no rebento. Em tribunal, Roger procura expor a história rocambolesca na qual foi envolvido, embora poucos se acreditem no mesmo, com a investigação à casa a servir apenas para ridicularizar o protagonista, com tudo a estar feito para descredibilizar o mesmo, incluindo a falsa presença da mulher de Townsend (este é viúvo), enquanto a sala encontra-se praticamente preenchida de livros nas estantes sem que se vislumbre as famosas bebidas alcoólicas. Perante toda esta situação caricata, Roger, com a companhia da sua mãe (Jessie Royce Landis), uma mulher que não tem problemas em ironizar com o filho, procura entrar no quarto de hotel onde George Kaplan encontra-se supostamente instalado. Quando entra no espaço e contacta com os funcionários, Roger logo percebe que nenhum teve contacto directo com George. Este inicialmente não sabe mas a situação é simples. A figura de George Kaplan foi criada pelos serviços secretos tendo em vista a que Vandamm temesse estar a ser seguido, surgindo sempre como uma figura ameaçadora do segundo. Quando Roger é confundido com George, para Vandamm logo o suposto agente ganha uma face, procurando a todo o custo capturá-lo e eliminá-lo. No entanto, Roger apenas vai saber desta situação com o avançar da narrativa, com Alfred Hitchcock a optar por uma estrutura episódica, colocando o protagonista de perigo em perigo, de descoberta em descoberta, de reviravolta em reviravolta, até descobrir a verdade e pelo caminho acabar a ter de ajudar mesmo os serviços secretos. O próximo passo de Roger, a seguir ao hotel, passa por tentar entrar em contacto com Lester Townsend nas Nações Unidas, mas este último logo acaba por ser assassinado por Valerian, com as autoridades a imputarem a culpa no personagem interpretado por Cary Grant, enquanto este procura escapar. Ao saber que George supostamente tem uma reserva de hotel marcada para Chicago, Roger decide tentar apanhar o comboio, algo que vai envolver uma procura imensa para escapar da polícia, apesar dos Serviços Secretos saberem da sua inocência, contando com a inesperada ajuda de Eve. Esta é uma loira misteriosa e sedutora, que procura ajudar o protagonista a esconder-se, iniciando um caso com este no comboio, embora os seus objectivos apenas se tornem claros no último terço do filme. Fora do Comboio, Roger ainda vai ter de fugir de uma avioneta, encetar uma perigosa fuga pela sobrevivência em pleno Monte Rushmore, enquanto Alfred Hitchcock gere os ritmos do enredo e da tensão com enorme mestria e Cary Grant espalha o seu carisma. Este tanto nos convence como o personagem pouco confiante que não sabe bem o que fazer nos momentos iniciais do filme, como consegue incutir as mudanças que Roger conhece ao longo da narrativa, com o protagonista a assumir uma postura mais corajosa na sua jornada pela busca pela verdade, acabando pelo caminho por apaixonar-se por Eve. Eva Marie Sant incute o mistério necessário a esta mulher, uma personagem feminina loira bem ao estilo de Hitchcock, misteriosa e sedutora, também ela com a vida em risco, em parte a fazer recordar a personagem interpretada por Ingrid Bergman em "Notorious", tal como irá ser efectuado um triângulo amoroso a fazer recordar esta obra cinematográfica (que curiosamente contava com a presença de Cary Grant). Por vezes assume alguma fragilidade, mas também algum poder de sedução, com Alfred Hitchcock a não poupar nos innuendos sexuais ao brindar-nos com cenas como o casal "enrolado" e logo muda para um comboio a penetrar um túnel numa alusão clara de que se está a passar algo mais entre ambos os personagens.

Eva Marie Saint forma uma dupla com enorme carisma e química com Cary Grant, com os personagens interpretados por ambos a combinarem bem na narrativa, enquanto assistimos ainda a elementos como James Mason com espaço para sobressair, com este último a dar vida a um indivíduo aparentemente calmo, de boas falas mas incrivelmente perigoso, tendo quase sempre os seus capangas a seu lado. Vandamm e os seus homens são o símbolo do perigo, embora a própria moralidade dos serviços secretos, capazes de colocarem a vida de uma mulher em risco, também seja colocada em causa pelo protagonista. O argumento é eficaz a explorar este conjunto delirante de episódios nos quais o protagonista é envolvido, enquanto Alfred Hitchcok cria algumas cenas que facilmente ficam retidas na memória, com o trabalho de câmara, montagem e a banda sonora de Bernard Herrmann a incrementarem e muito as situações. Veja-se desde logo a cena da procura de Roger em fugir de carro, embriagado, até embater com outros bólides e ser capturado pela polícia, já para não voltar a repetir outros dos exemplos citados que revelam um cineasta no topo da sua maturidade e qualidades. "North by Northwest" surge numa fase em que Alfred Hitchcock já tinha uma carreira estabelecida, embora nem por isso este revelasse menos ambição tendo realizado três clássicos num curto espaço de tempo: "Vertigo" (1958), "North by Northwest" (1959) e "Psycho" (1960). Esta marcaria também a primeira colaboração (e se não incorro em erro a última) de Alfred Hitchcock com a Metro-Goldwyn-Mayer, com "North by Northwest" a ser um dos dois filmes do estúdio filmados no formato VistaVision, uma situação que revela bem o poder de decisão do cineasta (viria a proibir o estúdio de diminuir a duração do filme, graças a ter direito à montagem final do filme) e a sua atenção aos pormenores que podem fazer a diferença. O cineasta utiliza os cenários com precisão, quer aqueles criados em estúdio, tais como no interior do edifício das Nações Unidas, quer nos cenários externos como na cena da avioneta que se aproxima de Roger, com Alfred Hitchcock a exibir na prática qualidades que lhe valeram a designação de "mestre". Diga-se que este parece ter pensado em tudo ao pormenor, com o próprio guarda-roupa dos personagens a sobressair, numa obra cinematográfica que nas mãos de outro cineasta poderia ter resultado num desastre completo. As linhas mestras do estilo de Hitchcock são utilizadas de forma orgânica, a história de Roger entrar em fuga, procurar descobrir o elemento com quem o confundem e a sua colaboração com os serviços secretos é exposta e explorada de forma bem elaborada, por vezes delirante, enquanto elementos como Cary Grant, Eva Marie Saint e James Mason contribuem para elevar a obra. Esta mescla improvável é visível em momentos como aquele em que Roger procura escapar com vida de um leilão onde é leiloada uma peça pretendida por Vandamm, com o protagonista a fazer um estardalhaço de todo o tamanho a ponto de ser detido pelas autoridades, conseguindo escapar com vida quando parecia estar encurralado. O resultado final é um filme marcado por muito mistério, alguma acção, romance e aventura, mas também humor, com Cary Grant a ter de exibir alguma da sua versatilidade a interpretar este personagem que partilha muito do seu carisma que a espaços quase que se vê a ter de ser um improvável James Bond.

Título original: "North by Northwest".
Título em Portugal: "Intriga Internacional".
Realizador: Alfred Hitchcock.
Argumento: Ernest Lehman.
Elenco: Cary Grant, Eva Marie Saint, James Mason, Jessie Royce Landis.

Sem comentários: