12 setembro 2015

Resenha Crítica: "The Birds" (Os Pássaros)

 A certa altura de "The Birds", encontramos Melanie Daniels (Tippi Hedren) à espera de Cathy (Veronica Cartwright), a irmã mais nova de Mitch Brenner (Rod Taylor), o interesse amoroso da primeira, à porta da escola de Bodega Bay. Nestes momentos à entrada da escola assistimos a Melanie a acender um cigarro meio nervosamente enquanto se senta no banco do recreio e apercebe-se que algo de desastroso prepara-se para acontecer ao reparar numa reunião gradual de pássaros em volta de um dos aparelhos deste espaço. Anteriormente, Melanie já tinha sido atacada por uma gaivota e assistido aos pássaros a atacarem um conjunto de colegas de Cathy, para além da notícia de um amigo de Lydia (Jessica Tandy), a mãe de Mitch, ter sido assassinado por pássaros. Em "The Birds", Alfred Hitchcock dá uma de várias lições de como manter o suspense ao longo do filme, com estes momentos a serem paradigmáticos da tensão criada, com o cineasta a preferir antes despertar o nosso medo e receio ao invés de proporcionar sustos avulsos que muitas das vezes perdem efeito após mais do que uma visualização do filme. Gera-se o medo em relação aos próximos passos dos pássaros, até Melanie entrar na sala de aula e avisar Annie Hayworth (Suzanne Pleshette), a professora e uma amiga que formara, com ambas a procurarem evacuar as crianças em segurança. O ataque logo acontece, com estas a terem de correr, bem como os petizes, com Melanie a conseguir trancar-se com Cathy e uma amiga desta última no interior de um carro. Este é um dos muitos momentos de tensão e perigo a rodear o enredo de "The Birds", uma obra cinematográfica realizada por Alfred Hitchcock, tendo como base um conto presente no livro "The Apple Tree" (posteriormente republicado como "The Birds and Other Stories") de Daphne du Maurier (a mesma autora do livro que servira de inspiração para o argumento de "Rebecca"), com o cineasta a justificar o epíteto de "mestre do suspense". Diga-se que não vão faltar diversos elementos presentes na obra do cineasta, tais como protagonistas com relações algo complicadas com a mãe; a personagem feminina principal loira; o romance inicialmente complicado entre os protagonistas; os momentos de tensão e mistério; a presença dos pássaros; personagens comuns que têm de lidar com situações de enorme dificuldade; a presença de um personagem a subir uma escadaria (neste caso Melanie), entre outros exemplos, numa obra cinematográfica que começa com um tom leve até terminar numa atmosfera opressora, de enorme dúvida, medo e claustrofobia. Os momentos iniciais já deixam algumas suspeitas quando assistimos a um amontoar generoso de gaivotas em terra quando Melanie visita uma loja especializada em pássaros para ir buscar o mainá adulto que encomendara. No entanto, o pássaro ainda não tinha sido transportado para a loja, uma situação que conduz a dona a ausentar-se temporariamente do espaço de atendimento para efectuar um telefonema, com Mitch a pregar uma partida a Melanie ao fingir que pensa que esta é uma empregada do espaço. Os momentos são de algum humor, com ela a não saber explicar praticamente nada, enquanto ele se diverte com a situação, apesar de estar mesmo interessado em adquirir dois periquitos para oferecer a Cathy no dia do seu décimo primeiro aniversário. Mitch logo revela que já sabia quem Melanie era, embora esta não se recorde do mesmo, com o primeiro a revelar algum desprezo em relação à segunda devido a outrora ter prevaricado a lei e não ter sido punida por isso.

Melanie é a filha do dono de um jornal bastante conhecido, de posses abastadas, enquanto Mitch é um advogado. Intrigada em relação a este homem, Melanie logo consegue a morada e o nome do mesmo através da matrícula do carro, adquirindo dois periquitos que procura oferecer a Cathy, acompanhados por uma carta. No entanto, Mitch não está na sua casa em San Francisco, a cidade onde ambos moram e encontra-se localizada a loja de animais, com um vizinho a salientar que o personagem interpretado por Rod Taylor passa os fins de semana em Bodega Bay. Persistente, Melanie decide ir até Bodega Bay, conseguindo a informação da morada de Mitch através de um simpático senhor no posto dos correios que lhe indica ainda a morada de Annie, tendo em vista a que a protagonista descubra o nome da irmã do personagem masculino principal. Com o objectivo conseguido, após ter ido de barco até à doca para chegar a casa de Mitch, Melanie logo é atacada por uma gaivota que a deixa a sangrar, com este a procurar cuidar da personagem interpretada por Tippi Hedren. Os dois logo acabam por conversar, com Mitch a convidar Melanie para jantar em sua casa, onde se encontram presentes Cathy e a aparentemente fria e austera Lydia. Melanie ainda reluta, acabando por alugar um quarto na casa de Annie, uma ex-namorada de Mitch, com quem forma amizade. Lydia não parece ficar muito agradada com a presença de Melanie, em parte devido aos rumores sobre o passado algo problemático desta mulher, embora Mitch, aos poucos, pareça começar a sentir uma empatia gradual com a personagem interpretada por Tippi Hedren. Elegante, de gestos delicados e personalidade forte, Melanie beneficia de uma sólida interpretação da então estreante Tippi Hedren, com esta a ter uma química relativamente convincente com Rod Taylor, com os elementos interpretados por ambos a desenvolverem um romance numa altura que se prepara para ser de verdadeiro terror para os habitantes de Bodega Bay. Melanie é convidada ainda para ir à festa de anos de Cathy, onde se encontram ainda presentes Lydia, Annie, bem como vários colegas da jovem, com o ambiente festivo e até de alguma intimidade entre a dupla de protagonistas a ser quebrado diante de um ataque de gaivotas. O frenesim é latente, a confusão também, com Alfred Hitchcock a procurar muitas das vezes explorar o comportamento dos seres humanos diante do medo. A partir daqui parece claro que algo se passa com os pássaros da região. Segue-se um ataque no interior da casa de Mitch com vários pássaros a entrarem pela chaminé, já para não falar nas aves que atacam as crianças à saída da escola, com o medo a apoderar-se gradualmente dos personagens ao mesmo tempo que aumentam os perigos, com Alfred Hitchcock a não poupar nas ameaças e situações claustrofóbicas que vão desde Melanie encontrar-se numa cabine telefónica ou no interior de um carro, com os ataques, apesar dos efeitos hoje parecerem algo toscos, a fazerem-se sentir. Esse efeito e sensação claustrofóbica criados por Alfred Hitchcock, que nos fazem temer os efeitos dos pássaros, advêm não só da sua capacidade em criar tensão em volta dos acontecimentos e do espectador, mas também do bom desenvolvimento dos personagens e dos seus relacionamentos, com o cineasta a não se esquecer da regra básica de que se não nos preocuparmos com os mesmos o impacto provocado pelas incursões ofensivas das aves seria sempre menor. Essa situação é visível na empatia criada por Melanie e Mitch, com estes a desenvolverem uma relação de maior afectuosidade, surpreendendo o lado mais amigável do mesmo, sempre próximo de Cathy, bem como da mãe. Se Cathy é uma personagem quase sempre simpática, já Lydia é uma mulher misteriosa e aparentemente fria, com Jessica Tandy a atribuir um distanciamento inicial à personagem que interpreta. Mais tarde percebemos que este distanciamento se deve a receios de Lydia, mas também a fragilidades emocionais, com Tandy a explorar essa evolução da personagem na narrativa, incluindo na relação com Melanie. 

 Ainda no campo dos relacionamentos entre os personagens, também temos o caso de Annie, uma ex-namorada de Mitch, agora amiga do mesmo, que forma amizade com a protagonista. Melanie evolui imenso ao longo do enredo, acabando por agir com coragem diante de situações perigosas, quando inicialmente fora apresentada como uma mulher aparentemente superficial. Os momentos que esta vai viver no último terço são de puro terror, com Alfred Hitchcock a aproveitar de forma exímia a casa de Mitch para criar o suspense em volta dos acontecimentos. Tapam as janelas com tábuas de madeira, tapam as portas ao máximo, enquanto o bom trabalho a nível de sonoplastia é visível quando os sons dos pássaros são audíveis no interior da casa e permitem gerar uma certa desconfiança do que poderá acontecer a Melanie, Mitch, Lydia e Cathy, com ninguém a parecer estar seguro. Aos poucos, assistimos à incursão dos pássaros sobre a casa, com o perigo a ser sentido após momentos de espera de enorme inquietação, com tudo a parecer ter sido preparado a preceito, incluindo o timing em que os acontecimentos ocorrem, com Alfred Hitchcock a brilhar na forma como parece controlar os ritmos da narrativa e as emoções do espectador. O próprio elenco cumpre a preceito e revela-se capaz de transmitir esta inquietação pela qual passam os personagens. Veja-se quando Melanie se encontra no sofá, encostada, com o medo a revelar-se em vários dos seus gestos, embora nem por isso deixe de apresentar coragem. Também Alfred Hitchcock teve alguma coragem ao realizar uma obra com uma premissa que aparentemente poderia parecer idiota, mas na prática resulta num dos grandes filmes de terror da História do Cinema, com o impacto causado por diversas cenas a manter-se independentemente do número de visualizações que tivermos feito do filme. Os ataques dos pássaros são sentidos e causam estragos, incluindo a morte de uma personagem relevante, embora o maior impacto surja naqueles momentos de espera nos quais não sabemos bem o que Alfred Hitchcock vai retirar da cartola. Essa situação é visível na cena descrita nas linhas iniciais do texto, mas também no ataque à casa, ou até num momento em que assistimos a uma inquietante entrada num bólide, com os nervos a andarem muitas das vezes à flor da pele. "The Birds" foi ainda o filme com maior orçamento de Alfred Hitchcock, com este a conseguir colocar-nos com receio dos possíveis efeitos dos ataques de corvos, gaivotas e afins, sempre sem justificar cabalmente estas incursões, algo que deixa espaço para múltiplas interpretações, numa obra cinematográfica inicialmente mal recebida pela crítica dos EUA, mas que tem vindo a ser revista em alta com a passagem do tempo. É mais um triunfo cinematográfico de Alfred Hitchcock, após já ter realizado obras como "Lifeboat", "Notorious", "I Confess", "Rear Window", "Vertigo", "North by Northwest", "Psycho", com "The Birds" a ter sido lançado depois destas três últimas, algo revelador da excelente colheita com que o cineasta brindou os cinéfilos.

Título original: "The Birds". 
Título em Portugal: "Os Pássaros".
Realizador: Alfred Hitchcock.
Argumento: Evan Hunter.
Elenco: Rod Taylor, Tippi Hedren, Jessica Tandy, Suzanne Pleshette, Veronica Cartwright.

Sem comentários: