30 março 2015

Festin 2015 - Conheça a programação

 Entre o magnífico "A Despedida" de Marcelo Galvão, o estimulante "O Rio nos Pertence", ou uma obra cinematográfica marcada por enorme leveza como "O Vendedor de Passados", para além do surpreendente "Quando Eu Era Vivo", não faltam filmes para destacar na sexta edição do Festin. A edição de 2015 do certame vai contar com oitenta e cinco filmes, entre longas e curtas-metragens de ficção, documentários e animação, prometendo trazer algumas surpresas e confirmações agradáveis aos cinéfilos. Para além de procurar dar destaque aos filmes em língua portuguesa, o Festin sobressai ainda por ser um dos poucos festivais de cinema nacionais que procura dar o devido destaque ao riquíssimo cinema brasileiro que infelizmente continua a chegar em doses homeopáticas às nossas salas de cinema em circuito comercial. O ano passado foi exemplo disso, com o festival a contar com filmes magníficos como "Elena" e "A Memória que me Contam", bem como o interessante "Cores" e a divertida comédia "Vendo ou Alugo", entre várias outras obras cinematográficas. É já no próximo dia 8 de Abril de 2015 que começa a sexta edição do Festin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa. O festival abre com a longa-metragem de ficção "O Vendedor de Passados", uma adaptação cinematográfica do livro de José Eduardo Agualusa. Com um tom leve e uma premissa interessante, o filme realizado por Lula Buarque de Hollanda conta no elenco com elementos como Lázaro Ramos (o protagonista), Aline Moraes, Odilon Wagner, entre outros. Se o livro de José Eduardo Agualusa tem como pano de fundo o território de Angola, já o filme realizado por Lula Buarque de Hollanda desenrola-se no Brasil, com o cineasta a abordar temáticas ligadas com a identidade e a memória, a dicotomia entre o ser e o parecer, uma sociedade que vive de aparências e o desejo que por vezes podemos ter em alterar o nosso passado, numa obra cinematográfica marcada por uma enorme leveza. O filme tem a seguinte sinopse (via Festin): "Se o passado determina aquilo que somos, uma boa forma de mudar um presente pouco auspicioso é modificar o que nos levou até ele. Esta é a especialidade do protagonista que, através de recursos tecnológicos e muita fantasia, reinventa a história dos seus clientes a ponto de influenciar sua vida atual. Mas a sua existência relativamente pacífica é abalada com a encomenda de uma misteriosa cliente que vai desencadear um processo de envolvimento com o trabalho muito pouco saudável para ele – embaralhando as contas do seu próprio passado". "O Vendedor de Passados" é exibido em antestreia mundial na secção de Competição de longas-metragens, onde constam ainda mais mais nove obras cinematográficas, oriundas do Brasil e Portugal.

 Do Brasil chega-nos ainda uma obra-prima, "A Despedida", um filme realizado por Marcelo Galvão que conta com Nelson Xavier como protagonista. É uma obra cinematográfica belíssima, emocionalmente devastadora, sensível e profundamente humana, onde Marcelo Galvão nos deixa diante de um filme que promete não sair tão depressa da memória e marcar o seu lugar na Sétima Arte. O filme já foi exibido no prestigiado Festival do Gramado (edição de 2014), tendo recebido os mais variados elogios da crítica e o carinho do público, para além de ter vencido quatro dos principais prémios do certame (Realização, Actor, Actriz e Fotografia). "A Despedida" conta com a seguinte sinopse: "Baseado em factos reais, o filme narra a história de um homem de 92 anos que, após presenciar claros indícios de que a sua vida está a chegar ao fim, decide despedir-se de tudo que é mais importante na sua vida e viver uma última noite de amor com uma mulher 55 anos mais nova". Entre as dez longas-metragens em competição, oito são brasileiras, pelo que vamos aproveitar a deixa de termos começado os destaques pelos filmes canarinhos para ficarmos pelos mesmos. Em competição encontra-se ainda "O Rio nos Pertence", uma obra cinematográfica realizada por Ricardo Pretti que faz parte da "Operação Sonia Silk". A "Operação Sonia Silk" é uma pro­dução da DAZA, TB Pro­duções e Alum­bra­mento, em co-pro­dução com o Canal Brasil e a Teleim­age, da qual resultaram os filmes de ficção “O Rio nos Per­tence” e “O Uivo da Gaita”, com a terceira obra cinematográfica a ser “O Fim de Uma Era". Provavelmente uma das obras cinematográficas brasileiras mais desafiadoras e estimulantes entre aquelas que vão ser exibidas na sexta edição do Festin, "O Rio nos Pertence" é um filme de dicotomias onde o próprio território do Rio de Janeiro aparece representado de forma dual. Entre o sonho e o pesadelo, a realidade de um enigmático cartão-postal e a memória de duas mortes traumatizantes, um Rio de Janeiro poético e ao mesmo tempo assustador, uma possível perseguição e reencontros inesperados, "O Rio nos Pertence" surge como um filme algo surreal, estimulante e envolvente, capaz de despertar a nossa curiosidade e atenção. A história é marcada por fragmentos de memórias do passado que assolam o presente, de figuras que parecem espectros que vagueiam sem rumo aparente, a começar pela protagonista, uma mulher misteriosa cujos actos nem sempre são inteligíveis que se sente a ser alvo de uma perseguição. O filme é protagonizado por Leandra Leal, com o elenco secundário a ser composto por Mariana Ximenes e Jiddú Pinheiro. 

 Outro dos filmes com uma forte presença feminina é "Apneia", uma obra cinematográfica realizada por Maurício Eça. O elenco do filme é composto por elementos relativamente conhecidos do público, tais como Marisol Ribeiro, Marjorie Estiano e Thaila Ayala. A história centra-se sobretudo na personagem interpretada por Marisol Ribeiro, uma jovem adulta que padece de apneia e leva um estilo de vida sem rumo e grandes regras. Maurício Eça deixa-nos diante da "cultura do vazio", com as personagens interpretadas por Marisol Ribeiro e Thaila Ayala a terem um quotidiano marcado por saídas nocturnas, conversas muitas das vezes vazias e poucas perspectivas em relação ao futuro. Ainda no campo das figuras femininas vamos ter "Jogo de Xadrez", uma obra cinematográfica que mescla drama prisional, elementos de filmes de fuga da prisão e vingança, tendo como pano de fundo a história de Mina (Priscila Fantin), uma mulher que se encontra detida devido ao envolvimento num escândalo de corrupção. "Jogo de Xadrez" é realizado por Luis Antonio Pereira, contando no elenco com nomes como Priscila Fantin, Carla Marins, Antonio Calloni, Fabio Nascimento, entre outros. Da prisão para uma casa que facilmente se torna num espaço opressor, onde o oculto e a loucura parecem andar lado a lado, temos "Quando Eu Era Vivo", um filme realizado por Marco Dutra que conta no elenco com Marat Descartes, António Fagundes, Sandy Leah, entre outros. O filme tem a seguinte sinopse: "Separado da mulher e sem emprego, Júnior retorna à casa do pai. O que lá encontra já não é o mundo da sua infância mas um ambiente que lhe parece cada vez mais inóspito e opressor. Obcecado pelo próprio passado e pela história da família, vai entrando num universo cada vez mais irreal, no limite entre a sanidade e a loucura, onde se misturam o mundo dos vivos e dos mortos". Dos espaços fechados de uma casa para um road movie intenso e delirante, a secção competitiva conta ainda com "Uma Dose Violenta de Qualquer Coisa" de Gustavo Galvão. O filme conta no elenco com Vinícius Ferreira, Marat Descartes, Leonardo Medeiros. Os representantes canarinhos nesta secção terminam com "Alemão", um filme que narra a história de cinco polícias infiltrados que trabalham no terreno para preparar a invasão do Complexo do Alemão. As identidades destes polícias acabam por ser descobertas, algo que vai colocar as vidas dos mesmos em perigo. O filme é realizado por José Eduardo Belmonte. "Alemão" conta no elenco com António Fagundes, Cauã Reymond, Caio Blat, Gabriel Braga Nunes, Marcello Melo Jr., entre outros. Por último, mas nem por isso menos importantes, vamos salientar as únicas longas-metragens portuguesas em competição. Começamos por "Porta 21", um filme realizado por João Marco (vale a pena recordar que a primeira longa-metragem do cineasta, "Além de Ti", também foi exibida no Festin). O filme conta no elenco com Pedro Monteiro, Tânia Silva, Isadora Mateus e André Canário. A sinopse de "Porta 21" é a seguinte (via Festin): "O filme narra a trajetória de um escritor cuja obra ainda inédita é roubada por um amigo. Entre vielas estreitas e outras sombras do mundo urbano, tenta pôr a história a limpo e reescrever a sua própria obra". Na secção competitiva temos ainda "Lura", uma obra cinematográfica realizada por Luís Brás. O filme protagonizado por Filipe Vargas conta com a seguinte sinopse: "Manuel muda-se para a casa agora abandonada que já foi da sua família. Ele tem ideias de reconstruir a sua vida, mas aos poucos vai sendo impregnado pelo enorme peso do passado que acaba por tornar-se mais importante do que o presente". Vale a pena salientar que a presença portuguesa se vai fazer sentir na secção competitiva de curtas-metragens. Nesta secção constam vinte e duas curtas-metragens, oriundas de países como Portugal, Brasil, Angola e Cabo Verde.

O cinema brasileiro continua em destaque na Mostra de Cinema Brasileiro que conta com a exibição de três longas-metragens e cinco curtas (exibidas numa única sessão de 75 minutos). É nesta secção que é exibido "Não Pare na Pista: A Melhor História de Paulo Coelho", um filme biográfico sobre Paulo Coelho. O filme é realizado por Daniel Augusto, contando no elenco com Júlio Andrade, Ravel Andrade, Fabiana Gugli, Fabiula Nascimento, Enrique Diaz, entre outros. Esta secção conta ainda com "Um Filme Francês", uma obra cinematográfica realizada pelo prolífico Cavi Borges (vale a pena ler mais sobre este cineasta no artigo do site Revista de Cinema). O enredo de "Um Filme Francês" centra-se em Cléo, uma cineasta que vai fazer o seu primeiro filme, tendo no cinema francês e na nouvelle vague as suas grandes inspirações. Cavi Borges vai ainda estar presente como convidado do festival, para além de ser o produtor de "Setenta", um documentário realizado por Emília Silveira que consta na secção Maratona de Documentários. "Setenta" tem a seguinte sinopse: "Em 1970, setenta presos políticos são trocados pelo Embaixador da Suiça e mandados para o Chile. Este documentário reencontra dezoito personagens desta história, quarenta anos depois. Eles trazem o relato de quem conheceu a dor e a violência, sobreviveu, construiu sua própria história e continua a acreditar que é possível melhorar o mundo". Ainda no âmbito da Maratona de Documentários vamos contar com obras como "(Entre) Cenas" de Rui Simões, um documentário sobre a rodagem de "Os Maias – (Alguns) Episódios da Vida Romântica", adaptação cinematográfica do romance homónimo de Eça de Queirós, pelo realizador João Botelho. Outro dos destaques é "A Nação que Não Esperou por Deus", realizado por Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen. O filme marca o regresso de uma obra cinematográfica realizada por Lucia Murat ao Festin, com a cineasta a elaborar um documentário sobre os índios Kadiwéu. Sinopse: "Em 1999, Lucia Murat filmou Brava Gente Brasileira, um filme de época que contou com a participação dos índios Kadiwéu, que vivem no Mato Grosso do Sul. A Nação Que Não Esperou Por Deus é um documentário sobre essa tribo. Nesses 15 anos, a luz elétrica chegou à aldeia e, com ela, a televisão, as novelas e todo o mundo do entretenimento. Cinco diferentes igrejas evangélicas se estabeleceram na reserva, todas lideradas por pastores índios. Ao mesmo tempo, os Kadiwéu voltaram a lutar pela demarcação de suas terras, retomando áreas em mãos de pecuaristas. O documentário procura mostrar esses diferentes caminhos".

Fora da competição encontra-se ainda a "Mostra Globo Filmes" que conta com diversos títulos co-produzidos pela Globo Filmes. Entre estes títulos encontram-se "Amazônia" de Thierry Ragobert; "Confia em  Mim" de Michel Tikhomiroff; "Confissões de Adolescente" de Daniel Filho e Cris D’amato; "Entre Nós" de Paulo Morelli; "Irmã Dulce" de Vicente Amorim; "Loucas Para Casar" de Roberto Santucci; "Os Caras de Pau" de Felipe Joffily; "S.O.S. Mulheres ao Mar" de Cris D’amato; "Tim Lopes - Histórias de Arcanjo" de Guilherme Azevedo; "Tim Maia" de Mauro Lima. Destes filmes vamos destacar "Entre Nós" e a adaptação cinematográfica de "Confissões de Adolescente". Relativamente bem recebido pela crítica, "Entre Nós" conta com um elenco recheado de nomes talentosos e bem conhecidos do público, como Caio Blat, Carolina Dieckmann, Maria Ribeiro, Paulo Vilhena, Martha Nowill, entre outros. O filme conta com a seguinte sinopse: "Isolados numa casa de campo, jovens amigos decidem escrever e enterrar cartas destinadas a eles mesmos para serem abertas dez anos depois. Porém, após uma tragédia ocorrida naquele mesmo dia, os amigos ficam dez anos sem se ver. Agora este reencontro irá trazer à tona antigas paixões, novas frustrações e um segredo mal enterrado". Já "Confissões de Adolescente" é baseado na série de televisão homónima, exibida entre 1994 e 1996 na TV Cultura e na TV Bandeirantes. Por sua vez, a série foi baseada no livro de mesmo nome escrito por Maria Mariana. O filme conta no elenco com Sophia Abrahão, Bella Camero, Malu Rodrigues, Clara Tiezzi, Cássio Gabus Mendes, entre outros. As secções do Festin não se ficam por aqui. Veja-se o caso da Festinha 2015, uma mostra dirigida a grupos escolares do 1º e 2º ciclo do ensino básico (6-12 anos),  que este ano conta com 3 longas-metragens e 8 curtas-metragens (as curtas serão exibidos numa sessão de 60 minutos. Entre as longas-metragens, vale a pena destacar "O Menino no Espelho" de Guilherme Fiuza Zenha e "O Segredo dos Diamantes" de Helvecio Ratton, duas obras cinematográficas brindadas por críticas positivas (quatro estrelas) por parte do recomendável crítico Pablo Villaça. 

 Rivais no futebol mas unidos no Festin, Brasil e Argentina reúnem-se com a sexta edição do festival a contar com uma Mostra de Cinema Argentino. Em parceria com o Instituto Cervantes, o Festin apresenta quatro longas-metragens produzidas na Argentina, sendo que três serão exibidas no próprio Instituto Cervantes. A mostra conta com a exibição de "El Crítico", um filme realizado por Hernán Guerschuny; "El Hombre de al lado" de Gastón Duprat e Mariano Cohn, uma obra cinematográfica que conta com um interessante percurso em festivais de cinema, tais como, Mar del Plata Film Festival, Sundance Film Festival, Rio de Janeiro International Film Festival, entre outros; "Mercedes Sosa, la voz de Latinoamérica", um documentário sobre a cantora argentina Mercedes Sosa, realizado por Rodrigo H. Vila; "Tango Negro", um documentário realizado por Dom Pedro que defende a ideia de que o Tango surgiu em meados do século XIX por iniciativa de antigos escravos negros que foram esquecidos pela História nacional. O maior destaque desta secção parece ir para "El Crítico", uma obra centrada em Télles, um severo e prestigiado crítico de cinema que está saturado das comédias românticas e convencido que o melhor da sétima arte já morreu. Se a Argentina conta com uma mostra, Timor-Leste conta com uma homenagem. Esta consiste na exibição de "FRATERNURAS – Domin Maun-Alin", realizado por Maria João Coutinho e Simion Doru Cristea, seguida da mesa-redonda "Timor, Janela Aberta".  Ainda no âmbito das mesas-redondas, vamos contar com os debates: "Cinema x Televisão" (presença do diretor da Rede Globo em Portugal, Ricardo Pereira; o presidente da Globo Filmes, Edson Pimentel; o apresentador da RTP, Mário Augusto; o diretor da empresa de distribuição portuguesa Cinemundo, Nuno Gonçalves, e o produtor e realizador Cavi Borges); "Culturas digitais e consumos alternativos do Audiovisual: oportunidades e desafios para o Cinema em Português" (presença de Rodrigo Saturnino, José Luís Garcia, Jorge Martins Rosa e Marta Sofia Pinho Alves). Esta última mesa-redonda tem como objectivo "debater as oportunidades e os desafios que a cultura digital apresenta ao cinema em português, nomeadamente no âmbito das redes de computação. Considerando não apenas os dispositivos tecnológicos, a produção da imagem e a sua divulgação, será dada uma atenção especial à emergência de novas dinâmicas de consumo e aos novos processos de circulação do audiovisual que emergem a partir da utilização da Internet, incluindo tópicos como a partilha através das redes peer-to-peer, a pirataria e as versões do video-on-demand".

 A edição de 2015 do Festin vai decorrer entre os dias 8 e 15 de Abril. Podem ler mais informações sobre o Festival em: http://festin-festival.com/

Sem comentários: