22 outubro 2014

Rick's Cinema - Cinco anos pela blogosfera

 Poderia estar aqui a repetir o texto enorme do ano passado e proporcionar mais uma seca valente a quem simpaticamente lê este espaço, mas vou tentar ser mais breve. Hoje, dia 22 de Outubro, o Rick's Cinema completa cinco anos de idade. Muito está por fazer e alguns objectivos foram cumpridos. O destaque ao cinema asiático foi dado e vai continuar a ser dado. A conjugação de críticas a estreias com filmes mais "antigos" mantém-se como uma "pedra basilar" deste blog, enquanto o formato das notícias mudou definitivamente. Os textos passaram a ser publicados num post individual, procurando diferenciar-me um pouco daquilo que encontro por vários blogs (e com isto não estou a criticar os mesmos, foi uma opção minha que o tempo dirá se foi certa ou errada). Se antigamente parecia quase um crime ter notícias num blog, nos dias de hoje não faltam blogs, sites, páginas do Facebook e afins que o fazem. Sendo sincero, quase que parece redundante andar a publicar um trailer à pressa para passado segundos nas minhas feeds aparecer a mesma notícia numa imensidão de páginas que sigo no Facebook. Com esta medida a publicação das notícias é agilizada, mais rápida e está menos dependente destas serem publicadas "na hora". Os projectos futuros para o Rick's Cinema estarão sempre condicionados pelo tempo livre que eu tenho ou não, bem como pela minha disposição. Neste momento, quem gosta deste espaço, agradeça a quem não me chama para entrevistas de trabalho ou não me contrata. Quem não gosta do Rick's Cinema culpe os mesmos por este ritmo que irá continuar enquanto existir vontade. Neste momento mais de noventa críticas estão em arquivo, mais de mil e quarenta foram publicadas. Sei o que quero, tal como sei o que não quero para o futuro deste espaço. Não quero ser só mais um blog que copia todos os press releases de forma acrítica, não quero ser o blog que tem medo de fazer críticas a assessorias de imprensa por ter medo de perder acesso às acreditações, não quero ter passatempos e inundar o blog de likes dos profissionais dos passatempos que muitas das vezes fazem like a quase todos os posts só para terem mais possibilidades de vencer os mesmos, não quero atingir a perfeição nem conquistar um lugar de destaque na blogosfera nacional e internacional. Quero sim continuar a escrever por gosto e tentar melhorar a cada texto. Nem sempre é possível. Por vezes o filme não ajuda, o talento é pouco e a inspiração anda em baixo. Quero escrever sobre quase todos os filmes que vejo tendo em vista a ter neste espaço uma espécie de diário, onde abordo de forma simples as obras cinematográficas que vejo ao longo das semanas. Quero continuar a dar destaque ao cinema asiático, mas também cobrir graves lacunas. Quero defender aquilo que gosto e criticar aquilo que não gosto independentemente do consenso dos tomates vermelhos. Quero escrever porque gosto e não porque escrever sobre o filme X dá mais visitas do que escrever sobre algo que eu queira. Acima de tudo quero ter o prazer que tenho a escrever, quero crescer como cinéfilo com este espaço e ao mesmo tempo partilhar as minhas opiniões com quem lê. As opiniões podem ser uma trampa, poderiam ser mais completas e informadas, mas acima de tudo se são textos escritos e publicados foi porque senti necessidade de o fazer.

 Existem milhares de pessoas a escrever melhor do que eu, tenho consciência disso e sei que nunca serei crítico, algo que não impede que um blog sirva para isso mesmo, para alguém como eu com pancada por cinema ter oportunidade de escrever. Pelo caminho vão sendo cometidos alguns erros, gralhas indesejadas, existindo sempre uma procura por melhorar e a certeza que por mais que tentemos evitar iremos continuar a errar. É comum do ser humano e a única promessa é tentar melhorar, sendo que a presença do Hugo tem permitido um maior controlo na revisão de críticas (um trabalho invisível mas que ajuda imenso). O Hugo Barcelos é outro dos elementos que queria destacar no blog. É um preguiçoso de primeira (e tem um mau gosto futebolístico do caraças). Escreve textos como o "Band of Brothers" e deixa-me a pensar no que ele poderia dar a este espaço se tivesse empenho (deveriam existir TCN todos os meses para ele se empenhar). Vejo as críticas ao "A Imagem que Falta", "Wadjda", "The Double" e afins e sei que não é por falta de conhecimento cinematográfico. Aliás, nem é por não saber escrever porque o sacana não teve o 18 na tese de mestrado (que defendeu com enorme classe) por acaso. Com isto, digo também que o Hugo tem um papel fundamental a rever os textos, por vezes até dos artigos que escrevo para a Take (só o texto da Garbo e da MGM foram com umas vinte anotações cada). Sozinho isto teria menos piada e provavelmente muito mais gralhas. Também tem uma paciência enorme quando eu o coloco a rever textos e mais textos quando ele poderia estar a fazer outras coisas e até a escrever os seus próprios textos. Este foi também o ano em que entrei nos CCOP, algo provavelmente impensável há uns tempos, um pouco por despeito de ter sido ignorado inicialmente, mas é impossível negar o meritório trabalho que o Tiago Ramos tem feito por lá. Com cinco anos de Rick's Cinema (e algumas paragens pelo meio), foram muitas as boas experiências e outras menos positivas. Já são quase quatro milhões de visualizações, sejam estas propositadas ou de pessoal que veio aqui parar por engano. Nunca conseguirei agradar a toda a gente, nem irei tentar. Não vou dizer que tenho o espaço mais original, pois não o tenho. Quero apenas agradecer a todos aqueles que acompanham esta jornada, comentando ou não o blog (e eu bem gostava de ter feedback sobre o que estou a fazer, seja este bom ou mau). Por fim a Take. Não me canso de dizer que parte do crescimento deste espaço também se deve à Take, onde voltei a ter coragem para escrever artigos, comecei a cobrir festivais, etc, etc, ou seja, quando comecei a sentir a responsabilidade de não defraudar os outros (obrigado ao Carlos e ao José pela oportunidade). Vou outra vez repetir-me, mas não poderia deixar de ser. Obrigado a todos aqueles que nos seguem, seja sonoramente (MUITO OBRIGADA Sofia Santos), seja silenciosamente, seja apenas quando são os TCN. É verdade que não se escreve para ter visitas, mas também não é menos verdade que é um prazer saber que são dão ao trabalho de ler o que aqui foi escrito. Não me quero alongar mais. O futuro é incerto, tal como o deste blog. A paixão pelo cinema essa sei que continuará ao longo do tempo.

5 comentários:

Carlos M. Reis disse...

Happy Birthday e obrigado eu pelo excelente trabalho e infindável dedicação tanto na blogosfera como na Take. Um abraço, que venham mais 15 anos, no mínimo. 15 anos sem o Sporting levantar o caneco, quero eu dizer. Na blogosfera, que venham mais 55!

Aníbal Santiago disse...

Obrigado :) Também espero ver o Cinema Notebook a comemorar muitos mais anos. És uma das referências que tenho na blogosfera e na Take. No entanto, também espero ver o Sporting a vencer vários títulos (conto que a vossa nova aliança a Norte corra lindamente hehehe).

Sofia Santos disse...

Parabéns Rick's.
Obrigado nós pelos 5 anos de serviço público. É muito bom entrar nesta casa e respirar paixão. Paixão pelo cinema, mas sobretudo paixão por escrever sobre cinema (entre outras coisas).
Obrigado pelas palavras, pelo companheirismo e por terem tornado este espaço uma referência e passagem obrigatória diária.
Parabéns Aníbal e parabéns ao Hugo, com uma belinha em anexo, por te mostrares tão pouco.

Queremos mais 5 e mais 5 e por ai adiante

Aníbal Santiago disse...

Obrigada. Por seguires o blog, pelos comentários e também por aturares aqui esta pessoa. Quanto ao Hu Barcelos espero que o Cinema Notebook organize edições dos TCN todos os meses hehehe.

Jorge Teixeira disse...

Parabéns pelo marco de meia década, tipo meio copo cheio de visível trabalho, dedicação e qualidade naquilo que se partilha, ou/e meio copo vazio do que ainda está por vir, por evoluir e por nos acompanhar nesta já longa presença na blogosfera. Continua, continuem e, se possível, sempre com ideias ou melhorias como a deste ano (o facto de diminuírem as notícias, ou na prática, condensá-las, é uma bela ideia que muito me agrada e me arruma as leituras). Obrigado nós ao Rick.

Cumprimentos,
Jorge Teixeira
Caminho Largo