03 julho 2014

Resenha Crítica: "Cold Eyes" (2013)

Com um trabalho de câmara capaz de dinamizar e muito a sua narrativa inquietante, "Cold Eyes" é um exemplo paradigmático dos bons thrillers made in Coreia do Sul, com Jo Ui-seok e Kim Byung-seo a realizarem com engenho uma obra capaz de nos transportar para o interior de uma intrincada investigação desenvolvida por uma equipa dos serviços secretos. A investigação é intensa, a exploração da dinâmica de trabalho no interior de uma equipa dos serviços secretos é eficaz, sendo que a protagonista, interpretada por uma surpreendente Han Hyo-joo, é suficientemente complexa para conseguir despertar o nosso interesse em acompanhá-la. Uma das primeiras vezes em que encontramos Yoon-joo é quando a protagonista se encontra num teste a seguir Hwang (Sol Kyung-Gu), o líder de uma equipa dos serviços secretos da Coreia do Sul, procurando acompanhar todos os passos deste sem ser notada, embora falhe em alguns aspectos da prova. Apesar de não passar o teste com distinção, esta é convidada a integrar a equipa, onde constam ainda elementos com nomes de código peculiares como Squirrel (Lee Joon-Ho), Racoon, Flower Snake, entre outros. Esta agente novata fica com o nome de código Flower Hog, tendo na investigação a um violento assalto a um banco, o seu primeiro grande caso. O assalto, liderado por James (Jung Woo-Sung), é exibido de forma exímia pela dupla de realizadores, sendo exposta toda a elaboração e violência deste acto criminoso, com o trabalho de câmara e montagem a adensarem a inquietação em volta do mesmo. Por vezes filmado com a câmara na mão, este assalto é-nos apresentado de forma praticamente imaculada, enquanto a equipa de assaltantes comete um crime aparentemente perfeito, pelo menos até "Fatty", um dos elementos que contribuiu para o furto ser encontrado num dos vídeos de segurança. Se é exímio na exibição dos bastidores de uma investigação e das regras de uma equipa de segurança, bem como na exploração da interacção entre alguns dos seus elementos, em particular entre Yong-joo e Hwang, "Cold Eyes" já não revela a mesma argúcia no desenvolvimento do grupo que efectua o assalto. O elemento que mais sobressai deste grupo criminoso é James, um antagonista letal e eficaz no cumprimento dos crimes, que obedece a um superior e conta com alguns problemas por resolver, embora seja um personagem relativamente unidimensional. Nesse sentido, Lee Joon-Ho, no seu primeiro papel de antagonista da carreira, consegue fazer muito com o material que lhe dão, transmitindo a faceta perigosa, violenta e calculista do seu personagem, enquanto este procura manter-se longe do alcance das autoridades.

O enredo de "Cold Eyes" centra-se acima de tudo na procura de Yoon-joo e dos seus colegas em descobrirem os criminosos e deterem os mesmos, enquanto a protagonista procura desafiar os seus medos e aprender a cumprir as regras, ao longo de uma obra inquietante onde por vezes parece que estamos a viver a investigação junto dos personagens. Um dos pontos fortes de "Cold Eyes" passa exactamente pela capacidade de nos compelir a seguir a investigação, a acreditar na sua protagonista e na sua capacidade de observação, surgindo como um thriller que nunca perde o seu sentido de ritmo, marcado por alguma intensidade, uma banda sonora a preceito e um elenco competente. De Han Hyo-Joo, talentosa no seu primeiro papel como agente, já escrevemos um pouco, mas importa ainda salientar a forma como esta consegue mesclar uma aparente fragilidade (exposta no seu tique com os dedos) com um lado mais duro e adequado à sua profissão, revelando uma boa dinâmica com Sol Kyung-Gu. A dupla apresenta uma convincente relação entre mestre e discípulo, com Kyung-Gu a pontuar o seu personagem com um sentido de humor muito próprio e alguma rigidez, enquanto somos deixados perante uma investigação que se desenrola em cenários tão distintos como as ruas marcadas pela insegurança e os escritórios recheados de aparato tecnológico da agência de segurança. A investigação é apresentada de forma bastante completa, algo visível em elementos como a exposição e exploração da dinâmica de trabalho entre os agentes e os seus métodos de agir no terreno (veja-se quando estes dividem o território para procurarem capturar os criminosos), entre outros elementos que sobressaem ao longo deste envolvente filme de acção realizado por Jo Ui-Seok (já tinha realizado "Make It Big" e "The World of Silence") e Kim Byung-Seo (estreante). Estes destacam-se pela positiva ao conseguirem realizar um thriller intenso, marcado por uma protagonista complexa e uma investigação sempre interessante de acompanhar, sendo capazes de explorar assertivamente os territórios de Seul ao serviço da narrativa, para além de elaborarem algumas cenas de acção que facilmente ficam na memória, sobretudo no último terço, onde a busca atinge o seu clímax. Remake de "Eye in the Sky", "Cold Eyes" respeita a premissa do filme original, conseguindo superar o mesmo com êxito e afirmar-se como um thriller de pleno interesse.

Título original: "Gam-si-ja-deul".
Título em inglês: "Cold Eyes".
Realizador: Jo Ui-seok e Kim Byung-seo.
Argumento: Jo Ui-seok.
Elenco:  Sol Kyung-gu, Jung Woo-sung, Han Hyo-joo, Lee Junho.

Sem comentários: