27 junho 2014

Resenha Crítica: "Happy Christmas" (2014)

 "Happy Christmas" expõe mais uma vez a capacidade de Joe Swanberg em trabalhar com poucos recursos e realizar obras simples mas capazes de nos envolverem na sua narrativa. No caso de "Happy Christmas", este recupera a colaboração com Anna Kendrick, iniciada no recomendável "Drinking Buddies", e volta a colocar-nos perante personagens a lidarem com dilemas típicos da chegada ou quase chegada aos trinta anos de idade. Os diálogos são credíveis, sendo que um dos maiores méritos do filme passa exactamente pelo facto de facilmente nos identificarmos com os personagens e de quase sentirmos estar junto destes. Diga-se que o trabalho de câmara contribui para esta situação de proximidade, com Swanberg a seguir sempre os personagens, muito a fazer recordar o que David O. Russell efectuou em "American Hustle" (para dar um exemplo recente), enquanto os actores surgem competentes no seu trabalho e facilmente nos deixam quase como se fizéssemos parte das vidas dos seus personagens. Por vezes parece que nem estão a representar, mas a interpretar versões ficcionais de si próprios, remetendo para as raízes mumblecore do filme, um movimento artístico do cinema "independente" dos EUA, não faltando interpretações e diálogos naturalistas, personagens entre os vinte e os trinta anos de idade, entre outros elementos. Os cenários são relativamente simples e diminutos, com boa parte do filme a desenrolar-se nos espaços interiores e a centrar-se na sua maioria em seis personagens. Três destes personagens são Kelly (Melanie Lynskey) e Jeff (Joe Swanberg), um casal, e o seu filho Jude, de dois anos de idade ("interpretado" por Jude Swanberg, um bebé que facilmente rouba as atenções). Jeff tem um trabalho ligado ao cinema, enquanto Kelly é uma escritora que parou praticamente de trabalhar para cuidar do filho, visto que não ganham o suficiente para coloca-lo numa creche. A chegada de Jenny (Anna Kendrick), a irmã mais nova de Jeff, uma mulher que terminou recentemente com o namorado, conduz a um romper do quotidiano destes personagens, com esta problemática mulher de vinte e sete anos a mostrar uma irresponsabilidade que lhe promete trazer algumas adversidades. Essa situação é visível quando Jenny consome álcool e droga em excesso numa festa onde foi com a companhia de Carson (Lena Dunham), a sua melhor amiga, algo que a leva a ter de ser transportada para casa por Jeff. Jenny vive temporariamente no porão da casa de Kelly e Jeff, com o filme a explorar a relação desta com o irmão, mas também com a cunhada. Kelly não parece confiar muito em Jenny, mas gradualmente vai formando uma relação de amizade com esta, bem como com Carson, com o trio a explorar um lado feminino de ver a vida quando estas estão no ecrã, sempre sem grandes moralismos ou "pregações" feministas.

Carson e Jenny acabam por compelir Kelly a voltar a escrever, com esta a contar muitas das vezes com o apoio da segunda que a aconselha a colocar algum erotismo nas obras e a torná-las mais comerciáveis. Nesse sentido, acabamos por ficar perante um comentário entre o contraste da arte feita pela amor à arte, em oposição à arte feita para vender e pagar as contas, neste caso, através da literatura. Esta dicotomia logo nos faz colocar em evidência o cinema de Swanberg, com obras como "Happy Christmas" a claramente não prometerem chegar a um público mais lato e arriscamos até a provavelmente nem agradar a muitos espectadores, embora estejamos perante um trabalho pessoal de um realizador, feito com poucos recursos mas com a sua "voz". Jenny bem salienta que o trabalho de Kelly é excelente mas não o compreende, mas facilmente percebe os livros de pendor erótico, algo no qual a personagem interpretada por Melanie Lynskey não é especialista. Temos um contraste latente entre Kelly e Jenny, embora ambas formem laços de enorme proximidade. Kelly parece ter perdido alguma confiança com a maternidade, sente-se algo insegura perante as constantes saídas do marido para trabalhar, procurando manter a coesão do lar, embora anseie por voltar a escrever. Jenny é irreverente e sonhadora, apesar de ser pouco prática, apresentando um comportamento destrutivo que a conduz a arranjar vários problemas. Esta acaba por representar muitos dos jovens adultos a chegar à casa dos trinta anos de idade, sem grandes objectivos e ideias em relação ao que fazer no futuro, ainda algo irresponsáveis e por vezes a cometerem actos que não se distanciam assim tanto da adolescência (por vezes a fazer recordar a personagem interpretada por Olivia Wilde em "Drinking Buddies"). Anna Kendrick destaca-se como esta jovem irreverente, com "Happy Christmas" a contar com um conjunto de interpretações coesas por parte do elenco, sobretudo no sector feminino. Veja-se o caso de Melanie Lynskey, como uma mulher que procura regressar à sua actividade profissional, tendo visto toda a sua vida mudar devido ao nascimento do filho. Kelly e Jeff amam o filho, algo que é visível na forma atenta e carinhosa como cuidam do mesmo e dedicam o tempo das suas vidas, mas nota-se que ainda estão a lidar com todas as mudanças que este trouxe ao seu quotidiano, com "Happy Christmas" a revelar alguma competência na abordagem destas questões relacionadas com o casal, embora nem sempre acerte quando esboça algumas divergências entre os personagens interpretados por Lynskey e Swanberg (que geralmente resultam em nada).

Estas mudanças são visíveis na própria sexualidade entre ambos os elementos do casal, algo que Kelly desabafa com Jenny e Carson, sentindo-se pouco sensual perante o marido. Jenny quebrou um pouco a rotina do casal, trazendo alguns problemas, mas também alguém com quem podem desabafar e expor as suas inquietações. Esta inicia uma relação com Kevin (Mark Webber), o baby-sitter de Jude, um indivíduo que tem uma obscura banda musical e vende (e consome) drogas. Claro que nem sempre tudo corre bem na relação, com Joe Swanberg a apresentar uma estrutura narrativa que, apesar de algo previsível, nem sempre escolhe os caminhos mais fáceis. Isso é particularmente visível na forma deste evitar um contundente "viveram felizes para sempre", com a fidelidade do cineasta, argumentista e actor a parecer estar nos seus personagens, algo que explica a manutenção da capacidade de errar de Jenny, enquanto esta se mantém junto do irmão e da cunhada. A narrativa de "Happy Christmas" desenrola-se maioritariamente na casa de Kelly e Jeff, na sala do estúdio do segundo, onde a personagem interpretada por Melanie Lynskey escreve o livro, e na habitação de Kevin, com Joe Swanberg a aproveitar pouco os espaços exteriores de Chicago, enquanto nos deixa perante um número reduzido de personagens. Swanberg aproveita ainda para separar muitas das vezes estes elementos em grupos diminutos, não sendo raras as vezes em que encontramos dois personagens juntos, por vezes três, dando espaço para desenvolver os relacionamentos entre estes e as suas personalidades. Nesse sentido, encontramos situações como Kelly e Jeff; Kelly e Jenny; Kelly, Jenny e Carson; Carson e Jenny; Jenny e Kevin; Jenny e Jeff; enquanto a câmara de filmar acompanha atentamente as rotinas destes personagens. O tempo da narrativa é nas vésperas de Natal, mas o espírito natalício está longe de conquistar tudo e todos, com Joe Swanberg a estar mais interessado no quotidiano destes seres humanos, apresentando-nos personagens que quase parecem reais, cujas situações estão longe de poderem ser consideradas implausíveis. Poderia existir um maior cuidado a nível da cinematografia, uma utilização mais inspirada da iluminação, uma maior exploração das temáticas lançadas e uma maior ambição a nível narrativo, parecendo por vezes que Swanberg resolveu reunir um grupo de amigos para fazer um filme e improvisar muito, embora o resultado final seja bastante satisfatório. "Happy Christmas" surge assim como um filme bastante simples, sobressaindo pela forma eficaz como Joe Swanberg trabalha essa simplicidade e elabora uma obra envolvente que não promete mudar a nossa vida, nem arrebatar-nos, sobressaindo sobretudo pelos seus personagens e diálogos.

Título original: "Happy Christmas".
Realizador: Joe Swanberg.
Argumento: Joe Swanberg.
Elenco: Anna Kendrick, Melanie Lynskey, Lena Dunham, Joe Swanberg, Mark Webber.

Sem comentários: