28 março 2014

Resenha Crítica: "Os Judeus e o Dinheiro" (Jews & Money)

 O caso do assassinato de Ilan Halimi, um jovem judeu de 23 anos de idade, sujeito a três semanas de torturas, chocou a França (e não só), expondo não só anti-semitismo e racismo, mas também um país a fervilhar de intolerância, onde o estereótipo de que todos os judeus são ricos ainda parece estar bem vivo em alguns sectores da população. Esse é o caso do "gangue dos bárbaros" liderado por Youssof Fofana, um costa marfinense a viver em França, cujos elementos não tiveram problemas em raptar Ilan, levá-lo para uma casa localizada em Bagneux e pedir um resgate de 450 mil dólares, julgando que o mesmo era rico. Só que Ilan era um vendedor de telemóveis, a sua família não era rica e tudo corre pelo pior. Lewis Cohen parte deste caso particular do assassinato de Ilan Halimi, entrevistando a mãe da vítima, Mony Yin (a namorada de Ilan na época), alguns elementos do gangue, advogados, entre outros, para abordar questões ligadas com este crime e elaborar uma procura sobre o nascimento deste mito de que "todos os judeus são ricos" em "Jews & Money". É neste sentido que encontramos figuras como o prestigiado historiador Jacques Le Goff, Robert Chazan (Historiador de História Medieval na New York University), entre outras figuras, a prestarem alguns elementos introdutórios sobre as raízes deste estereótipo, remetendo para a Idade Média e a formação da Cristandade, passando pelo facto dos judeus por vezes estarem associados ao negócio dos empréstimos financeiros, até à "Bible Moralisée" onde encontrávamos iluminuras pouco simpáticas para com os judeus. A representação dos judeus com o saco de dinheiro e avarentos não era novidade, sendo que atravessou a história, com o anti-semitismo a esta presente em expulsões dos elementos judaicos de vários países, para além dos episódios mais recentes da Alemanha Nazi. Embora não apresente um estudo exaustivo sobre o nascimento do estereótipo, o documentário consegue ser eficaz a ilustrar que o anti-semitismo e esta ligação dos judeus ao dinheiro não é uma associação tão somente do Século XXI, mas sim de um longo período da História. No entanto, o fulcro do filme é o macabro assassinato de Ilan, que mostra estarmos perante uma sociedade que tarda em desfazer-se por completo dos preconceitos e intolerância, com o crime cometido em 2006 a expor um lado negro da humanidade, exibindo o quão errados são os estereótipos. O julgamento do caso foi conturbado, gerando uma enorme onda de solidariedade em defesa de justiça por Ilan, ao mesmo tempo que exibiu paradigmaticamente que o anti-semitismo continua bem vivo. Nem todos os judeus são ricos, isso é certo, algo que Lewis Cohen aborda com eficácia, partindo de um caso particular para abordar uma temática mais lata, interligando-a com a história da Europa, tendo em "Os Judeus e o Dinheiro" uma obra digna de reflexão, capaz de informar e até emocionar o espectador.

Título original: "Jews & Money". 
Título em Portugal: "Os Judeus e o Dinheiro". 
Realizador: Lewis Cohen.
Argumento: Lewis Cohen. 

Sem comentários: