27 março 2014

Resenha Crítica: "Fim de Temporada" (Ende der Schonzeit)

 Filmes sobre o Holocausto e que abordam a perseguição aos judeus na II Guerra Mundial não são uma novidade, mas "Closed Season" coloca-nos perante uma peculiar abordagem à temática, ao deixar-nos perante um judeu que conhece abrigo junto de Fritz (Hans-Jochen Wagner) e Emma (Brigitte Hobmeier), um casal alemão que se encontra com problemas para ter um filho.  O início da narrativa acontece em 1970, em Kibbuz Ruhama em Israel, quando Max, um jovem na casa dos vinte anos, procura Albert, visto que a mãe disse que era o seu pai biológico. A narrativa logo recua para 1942, com os flashbacks a darem-nos a conhecer Albert na sua juventude, quando conhece Fritz, um indivíduo que vive do trabalho da terra, tendo uma propriedade agrícola onde ainda cria gado. Albert encontrava-se em fuga, de forma a tentar ultrapassar a fronteira suíço-alemã, tendo em vista a fugir para a Suíça. Fritz lesionou-se a caçar, sendo ajudado por Albert, que mostra reconhecimento pelo acto ao acolher o jovem na sua casa, algo que vai contra a vontade da sua esposa, temendo que este seja descoberto pelos nazis, entre os quais constava Walter, um amigo do personagem interpretado por Hans-Jochen Wagner. O casal é sentimentalmente afastado, dormindo em camas separadas, com Fritz a ser infértil, algo que conduz este último a ter a ideia de Albert engravidar a esposa, de forma a ter um herdeiro, com o judeu a não assumir a paternidade após sair do local. Emma não gosta da ideia, nem Albert, mas acabam por ceder. As primeiras relações entre ambos são frias, marcadas por um notório constrangimento de parte a parte, exposto de forma sublime pela dupla de actores. Aos poucos, começa a gerar-se um certo desejo entre ambas as partes, sobretudo de Emma, algo visível na forma como esconde a gravidez para continuar as relações, mas também pela forma como gradualmente começa a tocar no seu companheiro, até se despir por completo e entregar todo o seu corpo. O ciúme cresce junto de Fritz, mas o mal está feito, com os cenários da casa, marcados por vezes por pouca iluminação a esconderem uma espécie de triângulo amoroso, com Albert a rechaçar os avanços de Emma, embora nem por isso deixe totalmente de continuar as relações com esta. A ideia de Albert engravidar Emma já por si só parecia trazer problemas, mas aos poucos estes começam a acentuar-se cada vez mais, colocando a segurança do primeiro em perigo, afastando ainda mais Fritz da esposa, enquanto a presença nazi no território torna esta casa num espaço algo claustrofóbico, onde os sentimentos fervilham e o desejo pode toldar a racionalidade de um acto deveras peculiar.

 Realizado por Franziska Schlotterer, "Closed Season" é capaz de nos deixar cientes dos perigos da presença nazi para um elemento judeu como Albert, mas nem por isso concentra as suas atenções nesta temática, tendo no relacionamento complexo do trio de protagonistas a força motriz do filme. Estes não são propriamente pessoas comunicativas. Fritz aparece como o cliché do homem rural rude, pouco dado a expressar sentimentos. Albert é um judeu em fuga, filho de um joalheiro, que encontra abrigo junto de um casal pouco dado ao calor amoroso. Isso é bem visível quando Fritz se encontra a beber no pub com os amigos no dia de aniversário da esposa, enquanto esta se encontra em casa, solitária, acabando por ter nas relações sexuais com Albert alguns momentos de prazer e desejo. Emma é uma mulher aparentemente recatada, visível nas suas roupas e comportamentos, mas que aos poucos muda perante a presença do jovem judeu. O quotidiano destes é marcado pelo medo, seja de Albert ser descoberto, seja de um esposo que teme ver a sua mulher envolvida sentimentalmente com outro indivíduo, seja uma esposa que começa a sentir desejo por outro homem. Hans-Jochen Wagner, Brigitte Hobmeier e Christian Friedel cumprem nos respectivos papéis, enquanto Franziska Schlotterer consegue abordar de forma algo convincente a história deste trio de personagens, embora descure um pouco o contexto histórico. Esta aproveita paradigmaticamente o espaço da casa, desde o local de refúgio de Albert, passando ao quarto onde o casal se encontra separado, passando pelo local onde o judeu e Emma têm relações. No exterior da quinta, Fritz trabalha a terra, parecendo demonstrar mais afecto pela vaca que vai ser abatida do que pela esposa, contrastando com alguma delicadeza de Albert. Por vezes parece que existe alguma frieza na forma como a história nos é exposta, mas esta faz parte do quotidiano destes personagens, ao longo deste subtil drama marcado por um apurado trabalho de fotografia, boas interpretações, embora a sua história seja marcada por alguma previsibilidade e um final de menor fulgor. No início do filme, bem como no seu último terço, encontramos um jovem em busca do seu pai biológico, uma busca pela identidade que culmina num desenterrar de memórias passadas, um aclarar de segredos por revelar e traições inesperadas, com o passado do trio de protagonistas a revelar-se complexo e pronto a despertar a nossa curiosidade em relação ao deslindar dos acontecimentos.

Título original: "Ende der Schonzeit".
Título em inglês: "Closed Season".
Título em Portugal: "Fim de Temporada". 
Realizador: Franziska Schlotterer.
Argumento: Franziska Schlotterer e Gwendolyn Bellmann.
Elenco: Brigitte Hobmeier, Hans-Jochen Wagner, Christian Friedel, Thomas Loibl, Rami Heuberger, Max Mauff,

Sem comentários: