29 março 2014

Resenha Crítica: "Dancing in Jaffa" (Dançar em Jaffa)

 Realizado por Hilla Medalia, "Dançar em Jaffa" propõe-se a apresentar-nos a Pierre Dulaine, um tetracampeão do mundo de danças de salão, que decide levar o programa "Dancing Classrooms" para Jaffa, a sua cidade natal. Esta é uma cidade marcada pelas divisões entre as comunidades judaicas e israelo-palestinianas, algo que Pierre vai procurar mudar ao tentar colocar as crianças a "dançarem com o inimigo", procurando ensinar estas crianças ideais de tolerância e a confiarem uns nos outros, reunindo cinco escolas distintas, após conseguir convencer vários pais e petizes. Neste sentido, "Dançar em Jaffa" desperta algum interesse não só devido à sua premissa, mas também pelo entusiasmo demonstrado por Pierre Dulaine em concretizar o seu desejo e conseguir incutir ideais de tolerância para a vida futura destes jovens. Num documentário temos de ter sempre em atenção que a presença da câmara de filmar pode influenciar inadvertidamente ou de forma propositada a acção dos intervenientes. Essa dúvida pode colocar-se sobre a sinceridade dos comportamentos de Dulaine em "Dançar em Jaffa", sobretudo quando este expõe demasiadas vezes (chegando a ser redundante) os seus objectivos para a câmara e até em momentos melodramáticos gratuitos, tais como a cena em que encontramos Noor a chorar junto à campa do seu pai e beijar a mesma, após ter sido chamada à atenção pelo seu colegas e professora. Noor é uma das jovens em destaque, uma rapariga israelo-palestiniana com dificuldades em efectuar amizades, bem como Lois, uma rapariga judia cujo pai não conhece devido à sua mãe ter recorrido a inseminação artificial. Temos ainda em algum destaque o jovem Alaa, um rapaz israelo-palestiniano de famílias com poucas posses, enquanto o filme nos deixa perante vários rapazes e raparigas a aprenderem a dançar, ao mesmo tempo que Pierre se reconecta com o território que o viu nascer. A narrativa por vezes parece seguir a cartilha dos reality-shows, apresentando-nos os concorrentes a treinar, alguns pedaços das vidas pessoais até chegar finalmente ao grande momento, com Hilla Medalia a perder a narrativa na sua segunda metade, tendo alguma dificuldade em explorar a sua premissa que é sempre mais interessante do que o seu desenvolvimento. Hilla mostra-nos ainda algumas características do território de Jaffa, desde as suas ruas, passando pelas suas gentes, os protestos, enquanto Pierre Dulaine procura colocar a sua ideia em prática colocando a dança como uma forma de aproximação entre jovens e adultos distintos, mas ao mesmo tempo tão iguais. Os pais reúnem-se para ver os filhos na competição, os jovens esquecem as divisões culturais que os separavam e as danças surgem como um meio para estes melhorarem os seus valores individuais e colectivos. "Dançar em Jaffa" é um documentário bem intencionado, mas Hilla Medalia raramente nos consegue transmitir o mesmo entusiasmo que Pierre Dulaine parece sentir em relação ao cumprimento do seu objectivo.

Título original: "Dancing in Jaffa".
Título em Portugal: "Dançar em Jaffa".
Realizador: Hilla Medalia
Argumento: Philip Shane e Hilla Medalia.
Elenco: Pierre Dulaine, Yvonne Marceau, Alaa Bubali.

Sem comentários: