24 setembro 2013

Resenha Crítica: "Metallica: Through the Never" (Metallica Como Nunca Antes)

 A relevância dos Metallica no mundo da música é praticamente inegável, com esta banda norte-americana formada em 1981 a marcar gerações, gerar legiões de fãs e a exibir uma longevidade impressionante. "Metallica: Through the Never" apresenta-nos a um emotivo concerto dos Metallica, marcado por um alinhamento composto por algumas das principais músicas da banda (deixando de lado alguns álbuns mais recentes), intercalado com uma história risível protagonizada pelo personagem interpretado por Dane DeHaan, que apenas parece servir para cortar alguns dos momentos mais emotivos do concerto e nos deixar a pensar no que poderia ter sido o filme se Nimród Antal tivesse deixado de lado este apêndice praticamente inútil. A história que surge esporadicamente a cortar o concerto é muito simples, com Trip (Dane DeHaan) a ter de ir buscar um objecto misterioso que os Metallica precisam para o concerto, encontrando pelo caminho corpos enforcados, prédios em destruição, um motim violento contra as autoridades que orgulharia Jorge Jesus, entre outros elementos. Enquanto isso, observamos alguns momentos memoráveis do concerto dos Metallica, que beneficiam claramente do som na sala IMAX, que permite praticamente colocar-nos no interior do espectáculo (chega a um certo momento em que pensamos estar prestes a ser atingidos pelo suor do cabelo de Robert Trujillo), ao mesmo tempo que nos deixamos "embalar" pela poderosa voz de James Hetfield e os dinâmicos elementos do grupo musical. Não faltam músicas como "Master of Puppets", "Enter Sandman", "For Whom the Bell Tolls", "Nothing Else Matters", entre muitas outras, que surgem incrementadas por um soberbo trabalho a nível de cenários, onde contamos com caixões pelo ar, raios a remeter para a capa do álbum “Ride the Lightning”, uma estátua a simbolizar a justiça a ser destruída (símbolo da capa do álbum “And Justice For All”), cruzes a surgir do palco (mais uma referência, desta vez a “Master of Puppets”), tinta vermelha a imitar sangue a cobrir o chão do palco entre outros elementos, que proporcionam um concerto que sobressai em grande nível. 

 Quem também poderia ter sobressaído é Nimród Antal, tendo material e uma banda que poderiam e deveriam ter resultado num filme-concerto memorável, mas ao invés disso prefere intercalar-nos uma história pueril pelo meio do concerto, que parece estar ali apenas a fazer perder tempo, quando queríamos mais músicas, mais banda, mais espectáculo e emoção. Não nos enganemos, este é um filme feito para fãs dos Metallica e apenas para estes, que certamente terão alguns problemas em controlar-se silenciosamente na sala sem repetir algumas das letras das canções que mais gostam, pelo que a procura de Nimród Antal em inserir lá pelo meio uma historieta torna-se desnecessária, embora esta esteja bem realizada e Dane DeHaan não tenha um mau desempenho, mas acaba por nunca atingir o nível de interesse do concerto. Percebemos que existe uma tentativa de homenagear o “pessoal invisível” que trabalha de forma incansável nos bastidores do espectáculo e se depara com adversidades várias, que procuram expor na narrativa os ideais de transgressão dos Metallica, latente no confronto entre os elementos amotinados e a polícia, mas esses valores surgem expostos de forma bem mais paradigmática nas músicas e atitudes dos elementos da banda, enquanto estes últimos dão uma lição de como controlar um concerto, não perder o público e sempre sem desafinarem. Ficamos assim perante um filme-concerto para os fãs mais acérrimos, que apresenta alguns momentos de grande fulgor e emoção, mas que se perde quando nos resolve "agraciar" com uma história pueril em paralelo com o concerto, resultando numa obra que nunca chega a atingir o nível de excelência que os Metallica mereciam.

Classificação: 3 (em 5).

Titulo origina: “Metallica: Through the Never”.
Título em Portugal: “Metallica Como Nunca Antes”.
Realizador: Nimród Antal.
Argumento: Nimród Antal.
Elenco: Dane DeHaan, James Hetfield, Lars Ulrich, Kirk Hammett, Robert Trujillo, Mackenzie Gray.

Sem comentários: