28 agosto 2013

Resenha Crítica: "Noiva Prometida" (Fill the Void)

 Nem sempre os nossos sonhos e objectivos se concretizam ao longo da vida, que o diga a jovem Shira (Hadas Yaron), a protagonista de "Noiva Prometida", um delicado drama realizado por Rama Burshtein, marcado por cenários fechados, diálogos penetrantes e tradições para respeitar, onde uma morte conduz a uma série de acontecimentos improváveis. A morte é de Esther (Renana Raz), a irmã de Shira, após dar à luz o seu filho. Perante esta morte, a mãe de Shira propõe que a jovem case com Yochay (Yiftach Klein), o marido da falecida, com receio que este case com outra mulher e não tenha oportunidade para voltar a ver o neto. Yochay e Shira não tinham previsto esta possibilidade. Yochay ainda lida com a perda da esposa, enquanto Shira lida com a perda da irmã, algo que aconteceu poucos dias antes desta ir conhecer o seu noivo, um jovem bem aparentado e perto da sua idade, por quem esta se sentia atraída, ao contrário do que sente pelo cunhado. Este sentimento de perda gradualmente consegue unir Shira e Yochay, com os dois estranhamente e demoradamente a estabelecerem alguns laços, enquanto a estreante Rama Burshtein nos apresenta a um pouco da sua visão sobre a cultura e hábitos sociais de um grupo de judeus hassídicos em Tel Aviv, sempre com algum romantismo e candura à mistura, embora não apresente a dicotomia destes elementos com o mundo secular. Não falta a presença de festividades como o Purim, festividades religiosas relacionadas com o nascimento do filho de Esther e Yochay, os célebres casamentos arranjados entre famílias, para além do vestuário próprio apresentado pelos personagens masculinos e femininos, tudo com um enorme respeito e cuidado a nível das representações deste grupo conservador. 

 Sem maniqueísmos, com um argumento simples, um trabalho de fotografia belíssimo e um conjunto de personagens bem construídos que estão longe de serem paradigmas de virtudes e defeitos, "Fill the Void" surpreende-nos pela positiva com este drama humano assaz interessante, delicado e recheado de didactismo, que nos apresenta aos hábitos e costumes de um grupo de judeus ortodoxos, deixando de lado os estereótipos pejorativos e apresentando uma perspectiva muito própria da realizadora Rama Burshtein. Esta foi a primeira mulher judaica ortodoxa a realizar uma longa metragem, tendo "Noiva Prometida" uma obra que inicia da melhor maneira a sua carreira, onde o amor pode aparecer nos lugares mais inesperados e uma perda pode resultar numa união improvável. Burshtein é bastante eficaz a representar esta relação entre Shira e Yochai, preenchendo a mesma de silêncios cortantes e diálogos longos, dando espaço para os dois crescerem junto do espectador, ao mesmo tempo que a cineasta nos apresenta a uma perspectiva algo apolínea dos casamentos arranjados entre famílias, nomeadamente a casos como o de Shira, que pode escolher se aceita ou não o noivo seleccionado pelos pais, embora a narrativa omita as situações onde as jovens são coagidas a aceitar estes casamentos. No caso de Shira, existe uma certa candura a rodear a relação, com a dor a rodear os envolvidos e o amor a florescer de forma gradual e sentida, ainda que com vários revezes e dificuldades. 

 Se Shira tem de ser deparar com a situação de se casar ou não com o seu antigo cunhado, já Frieda (Hila Feldman) é conhecida por continuar solteira, algo considerado estranho numa sociedade onde quase todas as jovens parecem ter no casamento um desejo a cumprir. Esta chegou a ser comparada a Charlotte Lucas de "Pride & Prejudice" pela crítica de cinema Stephanie Merry do The Washington Post, algo que advém também da própria cineasta ter sugerido em entrevistas a inspiração das obras de Jane Austen, com os personagens a moverem-se num mundo onde "as regras são rígidas e claras". Burshtein apresenta-nos a essas regras, através de um conjunto restrito de personagens, sabendo utilizar alguns dos estereótipos de forma delicada, orquestrando uma relação amorosa credível e complexa, que beneficia da escolha acertada de Hadas Yaron e Yiftach Klein, como o casal que marca a narrativa. "Noiva Prometida" promete uma carreira feliz para Rama Burshtein na realização cinematográfica, tendo na sua obra de estreia efectuado um drama aparentemente simples, marcado por uma relação sentimental complexa e uma enorme delicadeza na representação dos afectos.

Classificação: 4 (em 5).

Título original: “Lemale et ha'halal"
Título em inglês: “Fill the Void”.
Título em Portugal: “Noiva Prometida”.
Realizadora: Rama Burshtein.
Argumentista: Rama Burshtein.
Elenco: Hadas Yaron, Yiftach Klein, Irit Sheleg, Chayim Sharir, Razia Israeli.

Sem comentários: