24 abril 2013

Resenha Crítica: "La Piscina"

 Pode uma piscina transformar-se num local sagrado e à parte do Mundo, onde um grupo de seres humanos aparentemente alienados da sociedade encontra conforto? "La Piscina", a primeira longa-metragem do cubano Carlos Machado Quintela, mostra-nos que é possível e que em Cuba existe um cineasta que merece ser olhado com atenção. Obra minimalista, pura de sentimento, recheada de silêncios e uma profunda humanidade, "La Piscina" acompanha quatro alunos e um instrutor de natação de uma piscina em Cuba. Quintela trata a piscina como um espaço quase sagrado, apenas deixando a câmara de filmar aproximar-se dos personagens humanos com dez minutos de duração do filme. Até lá, as atenções da câmara de filmar vão para a piscina, o espaço de reunião e união entre personagens, transmissora de uma aparente calma que esporadicamente é quebrada pelos trovões e tempestades, habitada por diferentes gentes que têm em comum o gosto pela natação. 
 Mais do que um cenário, a piscina é o personagem principal de "La Piscina", é o local primordial de um enredo que pode ser minimalista e pouco dado a grandes expansões emocionais, mas incrivelmente interessante e merecedor da nossa atenção. A história é bastante simples, acompanhando um instrutor (Raúl Capote) de uma piscina em Havana, onde dá aulas a crianças com deficiências físicas e mentais. Diana (Mónica Molinet) só tem uma perna, Rodrigo (Felipe Garcia) também não consegue andar, Oscar (Carlos Javier Martinez) teima em não falar, Dani (Marcos Costa) tem síndrome de Down. É sobre estes personagens que se debruça a narrativa, enquanto explora os seus comportamentos, expõe as suas diferenças, problemas e ansiedades, num caso de uma obra onde um gesto pode valer mais do que muitas palavras. 
 Carlos Machado Quintela consegue fazer algo que parecia impossível. Tornar interessante uma obra que se desenrola maioritariamente numa piscina, num ritmo contemplativo (pronto a explorar a piscina e os seus habitantes) e com poucos diálogos. É óbvio que a obra beneficia imenso da sua curta duração, mas é sublime a forma como o cineasta explora as diferenças entre os diferentes personagens, mostra como estes procuram ultrapassar as suas dificuldades, dando ao espectador uma obra simples mas incrivelmente bela. Essa beleza vem não só do meritório trabalho de fotografia, mas também da forma delicada como Carlos Machado Quintela nos apresenta a sua história e o seus personagens, não caindo no facilitismo de utilizar as limitações físicas e mentais dos personagens para os tornar em "coitadinhos", mostrando-os como aquilo que eles são: seres humanos que podem, devem e merecem todo o nosso respeito. "La Piscina" contempla os seus personagens e cenários, dá-nos a conhecer um grupo de pré-adolescentes com problemas, enquanto nos encanta com uma simplicidade única, sendo capaz de esculpir uma obra que é bem mais do que a sua premissa inicial indica.

Classificação: 4 (em 5)

Título original: “La Piscina”
Realizador: Carlos Machado Quintela.
Argumento: Abel Arcos.
Elenco: Carlos Javier Martínez, Felipe García, Marcos Costa, Marlen Rivero, Mónica Molinet, Raúl Capote.

Sem comentários: