28 março 2013

Resenha Crítica: "A Melhor Oferta" (La Migliore Offerta)

 De acordo com Virgil Oldman (Geoffrey Rush), o protagonista de "La Migliore Offerta", existe sempre algo de autêntico numa falsificação de uma obra de arte. Esta é uma afirmação que se aplica também às obras cinematográficas de Giuseppe Tornatore, um cineasta italiano que mesmo numa obra menor do seu currículo como "La Migliore Offerta" consegue dar algo de único ao espectador. Com um conjunto de cenários e decorações quase barrocas, dominadas por obras de arte e requinte, acompanhadas por uma evocativa banda sonora do mestre Ennio Morricone, "La Migliore Offerta" acompanha a obsessão hitchcockiana de um leiloeiro por uma estranha e bela mulher que padece de agorafobia. Este prestigiado leiloeiro é Virgil Oldman, um indivíduo com gostos requintados, coleccionador de arte, solitário, viciado no seu trabalho e obcecado com retratos de mulheres que tem nos quadros da sua sala secreta. 
 O quotidiano de Virgil centra-se em liderar requintados leilões de arte, conseguir pechinchas em leilões ao avaliar algumas obras como falsas que são posteriormente adquiridas pelo seu amigo (Donald Sutherland), comer pratos requintados e beber os melhores vinhos, estando quase sempre solitário, numa narrativa que se desenrola quase sempre num local e tempo indeterminado. A sua casa é o paradigma da sua pessoa. Requintada, arranjada, faustosa mas vazia de calor humano. A vida de Virgil muda quando recebe o telefonema de Claire (Sylvia Hoeks), uma jovem herdeira de um interessante património familiar, que pretende vender os seus bens e decide contactar o famoso leiloeiro, a pedido do seu falecido pai. Virgil fica relutante com o comportamento da jovem que se recusa inicialmente a aparecer devido à doença, mas aos poucos começa a desenvolver um interesse por Claire e nos objectos da sua casa.
 Claire e Virgil são duas figuras solitárias, bizarras e peculiares. Virgil não larga as suas luvas com medo de tocar nos objectos que outros tocaram, quer ver os telemóveis afastados o mais longe possível, mantém uma casa enorme para viver de forma solitária, apenas parece manter uma relação de amizade com Billy (Sutherland) e com o jovem Robert (Jim Sturgess), um indivíduo que recupera relíquias. Claire é um mistério, uma mulher escondida por detrás de uma parede, com um comportamento histérico e frágil, que desperta a atenção do protagonista e do espectador, enquanto Giuseppe Tornatore consegue transformar a sua presença em algo de místico. Na casa de Claire, Virgil descobre as peças de um autómato assinado por Jacques de Vaucanson (a narrativa regularmente apresenta toques de "A Invenção de Hugo") que procura construir ao lado de Robert, cataloga peças de arte, mas as maiores peças que procura juntar centram-se na descoberta desta mulher misteriosa, ao longo de um drama recheado de reviravoltas, intrigas, arte e uma interpretação de grande nível de Geoffrey Rush. 
  A obsessão hitchcockiana do protagonista por Claire, o amor de de Virgil pela arte e a ténue linha entre a falsificação e a originalidade surgem como algumas das principais linhas condutoras da narrativa de "La Migliore Offerta", uma obra elegantemente filmada por Giuseppe Tornatore, onde tudo parece ser passível de ser falsificado, incluindo os sentimentos. Se Virgil parece ter uma habilidade inata para avaliar uma obra de arte, o mesmo não se pode dizer em relação à sua habilidade de avaliar os sentimentos dos seres humanos, algo que o leva constantemente a ter dúvidas sobre aqueles que se aproximam da sua pessoa, pelo menos até conhecer a misteriosa Claire. Ao longo do filme, várias são as questões levantadas em relação a esta personagem intensamente interpretada por Sylvia Hoecks. Quem é Claire? Estará a fingir ou a dizer a verdade sobre a sua condição? Irá sair do seu quarto? Será que os seus sentimentos por Virgil são verdadeiros? Aos poucos Tornatore vai levantando o véu e o espectador vai sendo surpreendido por uma história que apesar de todas as suas qualidades fica sempre aquém das imagens em movimento. 
 Composto por magníficos sets de filmagens, obras de arte luxuosas, um ambiente misterioso, uma banda sonora bela e capaz de adensar a narrativa, "La Migliore Offerta" não poupa no requinte que rodeia as imagens em movimento, enquanto nos apresenta a história de um leiloeiro que desenvolve uma obsessão por uma estranha mulher. Esta obsessão poderia facilmente sair de um filme de Hitchcock (por exemplo, "Vertigo"), tendo em Geoffrey Rush um intérprete à altura, conseguindo dar credibilidade ao personagem, mesmo quando o argumento o envolve em situações caricatas. O argumento é o grande problema da obra cinematográfica, nunca ficando à altura do restante material apresentado por "La Migliore Offerta", colocando os personagens num conjunto de redundâncias e algumas situações demasiadamente implausíveis e incoerentes que esporadicamente atiram com o espectador para fora da narrativa, embora raro seja o momento no qual possamos dizer que não fomos entretidos.
 Balançando entre o thriller, o romance e o drama, "La Migliore Offerta" nem sempre se revela a melhor oferta a nível cinematográfica dada ao espectador, mas surge como uma bela peça de arte, cujo valor pode não ser o mais elevado mas entretém a todos os níveis, ao mesmo tempo que nos delicia com os magníficos planos, os sets barrocos, as obras de arte, as boas interpretações de Geoffrey Rush e Sylvia Hoecks, bem como uma banda sonora evocativa. A juntar a tudo isto temos toda uma sensualidade e mistério que rodeiam a herdeira, qual misteriosa princesa encantada que se encontra presa num castelo soturno, uma prisão auto-imposta, que rompe com a rotina de Virgil e transporta a sua obsessão das obras de arte para uma obra de arte humana, que o conquista e aparentemente se deixa conquistar, dando uma sensualidade a uma narrativa marcada pelo mistério, intriga, suspensa, arte e uma realização elegante de Giuseppe Tornatore. A certa altura do filme, Virgil comenta que o valor de um quadro não está na sua beleza mas na sua autenticidade. Mais belo do que autêntico, "La Migliore Offerta" não é a melhor oferta do currículo de Tornatore mas merece claramente a visualização. 

Classificação: 3.5 (em 5) 
Título original: "La Migliore Offerta". 
Título em Portugal: "A Melhor Oferta". 
Realizador: Giuseppe Tornatore.
Argumento: Giuseppe Tornatore.
Elenco: Geoffrey Rush, Jim Sturgess, Sylvia Hoeks, Donald Sutherland, Philip Jackson, Liya Kebede.

1 comentário:

erfelipe disse...

Sem dúvida uma crítica coerente. Decepcionei-me com o filme, e como o texto diz, Geoffrey salvou grande parte do enredo.