12 janeiro 2013

Resenha Crítica: "White Vengeance"

 "Um mistério militar que durou dois mil anos a ser revelado". É com esta frase que começa "White Vengeance", o novo filme de época realizado por Daniel Lee, depois de ter desenvolvido "Three Kingdoms" e "14 Blades". Desta vez, a acção desenrola-se após o colapso da dinastia Qin, um período conturbado da história da China, na qual o território foi dividido em dezoito reinos, dos quais sobressaíram o Chu e o Han. 
 Mais interessado no entretenimento do que na veracidade histórica da representação destes eventos, "White Vengeance" acompanha a história dos soldados rebeldes Liu Bang (Leon Lai) e Xiang Yu (Feng Shaofeng), desde o primeiro dia em que se conheceram, nomeadamente, durante a revolta contra o imperador Qin. Xiang Yu e os seus homens fingiam ser soldados ao serviço do Imperador, Liu Bang encontrava-se noutro grupo, e os dois tinham as mesmas intenções. Apesar dos planos de ambos não terem corrido da melhor maneira, Liu e Xiang procuraram unir forças no interior do exército rebelde, iniciando uma amizade que viria a ser destruída pelo facto de Huai, o líder do Reino Chu, começar a semear a discórdia entre ambos.
 Irmãos de armas, Liu e Xiang são alvo de um plano para separá-los, através do decreto emitido por Huai, que passa por decretar que o primeiro a tomar Guanzhong, a capital do Qin, será considerado Lorde do local. Inicialmente a amizade entre Xiang e Liu mantém-se, mas quando o primeiro incumbe o companheiro de transportar a amada para casa, logo os homens de Liu procuram convencê-lo que este está a ser traído. Liu Bang decide seguir a opinião dos seus homens e decide invadir Guanzhong, assumindo o poder enquanto Xiang Yu pensava que este estava a transportar Yu (Li Yifei) para um local seguro. A partir deste acontecimento, a amizade entre os dois é quebrada, os ódios acendem-se, com Xiang Yu a procurar encontrar meios para vingar-se junto do seu conselheiro, Fan Zeng (Anthony Wong), ao mesmo tempo que Liu Bang procura manter o poder com a ajuda do seu precioso conselheiro, Zhang Liang (Zhang Hanyu). No meio deste quarteto encontra-se a bela Yu Ji, que se encontra na posse de Liu Bang sendo uma importante moeda de negociação com Xiang. Liu procura consumar a sua vingança ao organizar um banquete em Hong Men, onde pretende assassinar o seu antigo amigo e rival, um banquete que se revela pródigo em confrontos, indo colocar frente a frente os homens de confiança de cada um destes elementos, Zhang Liang (Zhang Hanyu) e Fan Zeng (Anthony Wong).
 Entre intrigas, mentiras, jogos de poder, mortes, amizades perdidas e amores interrompidos, "White Vengeance" revela-se um filme de época emotivo e recheado de momentos dramáticos, onde uma amizade é colocada em causa perante a cobiça e disputa pelo poder. Esta é uma temática que não é inovadora, o que surpreende é como o filme consegue conjugar bem esta faceta do desenvolvimento humano com as emotivas cenas de acção, deixando de lado a veracidade histórica em favor do entretenimento proporcionado ao espectador. Mais preocupado em contar a sua versão da história do que se aproximar dos acontecimentos dos quais tirou inspiração, Daniel Lee procura acima de tudo entreter o espectador, proporcionar um drama histórico interessante, que concentra as atenções da narrativa no relacionamento entre os personagens, no desenvolvimento da teia de traições, intrigas e jogos de poder que minam as diferentes relações. 
 Num universo narrativo maioritariamente masculino, esta teia de intrigas surge acima de tudo protagonizada por Liu Bang e Fan Zeng, dois amigos que destroem a amizade pela ânsia de poder, uma ânsia que espelha a quebra de valores no território perante a crise e a corrupção que o poder pode causar nas almas. Esta corrupção surge nos seus valores morais, na forma como cedem à tentação e aos poucos parecem esquecer que outrora tiveram uma amizade e valores que defenderam em comum, uma disputa que parece alargar-se a vários dos personagens que povoam a narrativa. Veja-se o próprio caso dos conselheiros de cada um dos protagonistas, cuja disputa ocupa uma das subtramas da narrativa, numa jornada onde os seres humanos revelam-se incapazes de resistir ao doce sabor do poder. Esta representação do poder como factor de corrupção surge não só numa representação da China num período fervilhante da sua história, mas também como um paralelismo do que acontece nos dias de hoje, sendo sempre visível essa associação do poder à corrupção das almas e dos corpos, com os seres humanos que povoam a história a terem uma sede enorme pelo mesmo.
 Esta representação da história do passado chinês apresentada em "White Vengeance" surge sempre algo anacrónica, com o argumento de Daniel Lee a utilizar a história e o passado da China para colorir a narrativa, mas deixando de lado grande parte dos eventos políticos e sociais que rodearam este conflito, para além da história entre Liu Bang e Fan Zeng apresentar sempre muitas liberdades ao serviço de uma narrativa que por vezes perde-se em demasia em diálogos e cenas que não levam a lado nenhum, ou melhor, a estenderem em demasia o filme, que se alonga por cerca de duas horas e vinte minutos. Se o ritmo do filme nem sempre é o melhor, o mesmo não se pode dizer das cenas de acção. Emotivas, bem coreografadas, as cenas de acção surgem em doses generosas, mas sempre sem se sobreporem à importância da narrativa, reflectindo o avultado orçamento do filme e o talento dos envolvidos no projecto, incluindo os actores.
 Com um elenco globalmente coeso, onde não faltam nomes talentosos como Leon Lai, Feng Shaofeng, Liu Yifey, Zhang Hanyu, entre outros, que incrementam a narrativa com os seus desempenhos, em particular Lai e Shaofeng, Liu Bang e Xiang Yu, "White Vengeance" conta ainda com um bom trabalho de fotografia de Tony Cheung, capaz de aproveitar os cenários que povoam a narrativa e de um guarda-roupa bastante satisfatório, numa obra algo irregular, que coloca o valor de entretenimento acima de tudo. Depois de realizar filmes de época como "Three Kingdoms" e "14 Blades", Daniel Lee volta a aventurar-se pelo género, voltando a apostar mais uma vez em mostrar a sua versão da história do que seguir os factos, proporcionando ao espectador uma boa dose de entretenimento, mas nada mais do que isso.

Classificação: 3 em 5.
Título original: Hóng Mén Yàn.
Título em Inglês: “White Vengeance”.
Realizador: Daniel Lee.
Argumento: Daniel Lee.
Elenco: Leon Lai, Feng Shaofeng, Liu Yiefei, Zhang Hanyu, Anthony Wong, Xiu Qing, Andy On, Jordan Chan.

Sem comentários: