26 novembro 2012

Resenha Crítica: "A Simple Life"


 Ao longo da vida, vários são os pequenos e simples momentos que se tornam especiais e recordamos na nossa memória. O visionamento de "A Simple Life", um filme realizado por Ann Hui, revela-se uma dessas experiências aparentemente simples mas que causam um grande efeito e impacto quando as experienciamos. Com uma grande simplicidade, sem grandes momentos de catarse, aparentemente sem grande emoção, a narrativa de "A Simple Life" acompanha de forma contemplativa a terna relação de respeito e amizade entre Ah Tao e Roger.
 Ah Tao é uma mulher idosa, que serviu a família de Roger durante sessenta anos. Roger é um produtor de cinema que mantém uma forte ligação de amizade com Ah Tao. Apesar de já ter estado no estrangeiro, Roger é o único elemento da família que ficou por Hong Kong, ou seja, é o único elemento com uma ligação afectiva com Ah Tao, uma funcionária dedicada que parece saber todos os pormenores e segredos do produtor. Quase sem se falarem, estes parecem saber o que o outro pensa, o que o outro deseja, até Ah Tao sofrer um ataque cardíaco, que a leva a tomar a decisão de abandonar a profissão. Roger logo se oferece para proporcionar à sua empregada as condições para instalar-se em sua casa, mas esta toma a inesperada decisão de querer ir para um lar. Sem poder contrariar a opinião de Ah Tao, o produtor logo cede ao desejo da idosa e decide proporcionar as melhores condições possíveis no lar, sendo uma visita regular, num local marcado pela solidão das almas que o habitam. 
 Apesar de reclamar com o tempo que Roger perde a visitá-la e com o dinheiro que este gasta, Ah Tao tem nestes pequenos momentos com o seu antigo chefe um bálsamo para a solidão, momentos nos quais sobressai a sua felicidade, entusiasmo e cumplicidade, algo paradigmaticamente representado nas cenas em que esta está ao telefone com o produtor, nos momentos em que saem para passear, enquanto Andy Lau e Deannie Yip surpreendem com duas interpretações de grande nível. 
 Acompanhado por magníficas interpretações de Andy Lau e Deannie Yip, "A Simple Life" revela-se uma experiência arrebatadora que conquista pela sua simplicidade. Num tempo em que as notícias sobre a crise económica e financeira e sobre o aumento do desemprego surgem em cada vez maior quantidade e cada vez mais deprimem os cidadãos, ameaçando colocar em causa o estado social e a esperança da população, é sempre curioso e inspirador ver um filme tão terno que mostra o melhor da humanidade. Este lado bom da humanidade surge apresentado através de Ah Tao e Roger, duas figuras cujos laços que os ligam são bem mais fortes do que a ligação entre funcionário e patrão, entre avó e neto, entre amigo e amiga, sendo notório sempre uma grande gratidão para tudo o que um representou na vida do outro. O título do filme em inglês não poderia adequar-se melhor ao estilo de vida dos protagonistas e aos momentos apresentados: "A Simple Life".
 É uma vida simples que estes dois levam na sua vida particular, uma vida pontificada por pequenos grandes momentos nos quais tudo parece ter uma grande importância ao longo da narrativa, na qual é possível apreciar a realização inspirada de Ann Hui. Nada parece ser deixado ao acaso pela cineasta. Os gestos dos personagens, os diálogos, o toque, o conhecimento que um tem do outro, numa obra onde tudo flui de forma simples e terna, na qual a banda sonora melancólica dá o mote para a beleza dos momentos que encontramos, sempre acompanhados por grandes doses de humanismo. Sobre este filme, o crítico Roger Ebert escreveu " It expresses hope in human nature", e não poderia ser uma descrição mais acertada sobre "A Simple Life". Ao mesmo tempo que encontramos um lar preenchido por figuras solitárias, seres humanos cujos momentos de fulgor parecem simples memórias do passado, também encontramos Roger a constantemente visitar a sua antiga funcionária, a fazer o que muitos filhos e familiares não fazem, enquanto aos poucos percebemos que estes dois têm uma grande ligação de dependência que foram formando ao longo da vida. 
 Criado pela sua funcionária, Roger desde cedo estabeleceu com esta uma relação afectiva. Sem família, Ah Tao viveu toda a sua vida para servir as diferentes gerações da família de Roger. Quando um precisou de ajuda, o outro esteve sempre lá para apoiar, independentemente de ter muito trabalho, de ser dispendioso, os laços de amizade parecem sempre serem mais fortes, algo que surge representado ao longo dos vários momentos aparentemente simples do filme, mas recheados de grande significado, nos quais é possível encontrarmos uma grande partilha de valor sentimental. Veja-se os momentos em que Ah Tao e Roger vêm algumas fotografias antigas e recordam momentos vividos, a selecção da nova empregada de Roger feita por Ah Tao na qual esta mostra conhecer todos os pequenos detalhes sobre o primeiro, a forma como brincam sobre momentos da vida pessoal de ambos, enquanto aos poucos se torna praticamente impossível não ser conquistado por estes personagens simpáticos, com os quais gostaríamos de parecer.
 Esta forte ligação estabelecida entre o espectador e os personagens surge não só dependente do magnífico desempenho da dupla de protagonistas, mas também no elaborado argumento de Susan Chan, inspirada em alguns momentos da vida do produtor Roger Lee, ao mesmo tempo que Ann Hui revela uma delicadeza sublime na forma como conduz cada momento da narrativa, sempre tendo como pano de fundo o cenário cultural e social de Hong Kong. Não deixa de ser curiosa a procura de Hui em pontuar a narrativa de elementos que evidenciam bem o diferente conjunto de línguas falado no território, a emigração, ao mesmo tempo que nos apresenta ao fluir do dia a dia dos protagonistas, tudo de forma simples e harmoniosa. Com uma grande simplicidade, sem grandes momentos de catarse, "A Simple Life" arrebata-nos para o interior da vida simples destes dois personagens, duas figuras solitárias, que dependem um do outro, uma relação de afecto e respeito que surge apresentada de forma terna e apaixonante, num filme surpreendente que mostra o melhor da humanidade e promete tardar em sair da memória.

Classificação: 5 (em 5)
Título original: Táo Jiě”.
Título em inglês: “A Simple Life”.
Realizador: Ann Hui.
Argumento: Susan Chan.
Elenco: Andy Lau, Deanie Ip, Wang Fuli, Anthony Wong, Paul Chun.

Sem comentários: