21 novembro 2012

Resenha Crítica: "A Origem dos Guardiões"

 Inspirado na série de livros "The Guardians of the Childhood" de William Joyce, "A Origem dos Guardiões" chama desde logo à atenção por reunir o Pai Natal, o Coelho da Páscoa, Jack Frost, a Fada dos Dentes e o Sandman contra o Bicho Papão, ou seja, uma espécie de "Avengers" em versão de figuras associadas ao imaginário colectivo. Se a premissa chama desde logo à atenção, o mesmo se pode dizer do visual dos personagens. O Pai Natal surge tatuado, num visual a fazer lembrar um Cossaco Russo, o Coelho da Páscoa surge como uma espécie de Ninja, o Sandman como uma figura adorável que arquitecta e molda os bons sonhos (um personagem que beneficia imenso dos efeitos 3D), a Fada dos Dentes como uma espécie de colibri, enquanto o Bicho Papão (Pitch) faz vir à memória o visual de Hades de "Hércules", entre todo um vasto conjunto de personagens que evidenciam o cuidado colocado ao serviço da animação. Como é que estes personagens se reuniram para enfrentar o perigoso antagonista?
 Durante um momento de lazer no seu esconderijo, o Pai Natal, ou melhor, Norte, descobre que Pitch (mais conhecido como Bicho Papão) procura que as crianças de todo o Mundo deixem de acreditar nos guardiões e nos seus ideais de esperança e sonho para passarem a acreditar na sua pessoa e a serem dominados pelo medo e a escuridão. Habituado a ser ignorado por tudo e por todos, Pitch procura invadir a Terra e vingar-se dos Guardiões, algo que promete colocar a vida destes em perigo (que dependem do facto das crianças acreditarem na sua existência), que terão que contrariar este plano com a ajuda de um novo e inesperado elemento: Jack Gelado.
  Jack é um jovem que é invisível aos olhos de todos, cuja presença apenas é sentida por trazer consigo o Inverno e a Neve. Rebelde, espirituoso, Jack logo fica algo receoso de entrar neste grupo onde constam Norte, Coelhinho (Coelho da Páscoa), Sandman, Fada dos Dentes, um grupo recheado de idiossincrasias que procura a todo o custo que as crianças continuem a acreditar nas suas pessoas, ao mesmo tempo que Jack Gelado começa a conquistar o seu lugar no grupo e as trevas parecem cada vez mais estar a crescer.
 Realizado pelo estreante Peter Ramsey, "A Origem dos Guardiões" surpreende pela premissa invulgar de juntar vários dos personagens lendários do imaginário colectivo infantil, um grupo composto por personagens com visuais e personalidades excêntricas, enquanto o enredo apresenta a típica história da integração do elemento externo ao grupo (algo já visto em "Kung Fu Panda", também produzido pela Dreamworks, entre muitos outros filmes). Sem impressionar a nível da estrutura narrativa, parecendo muitas das vezes que a história não vai conduzir a lado nenhum e algo contido em termos de momentos de humor, a "Origem dos Guardiões" destaca-se pelo excelente trabalho a nível de animação, que ganha outra dimensão com os efeitos 3D, num caso paradigmático no qual vale a pena gastar o dinheiro extra para ver o filme na versão 3D.
 Se os efeitos 3D estão bem conseguidos, o mesmo se pode dizer da construção do diverso conjunto de personagens, que prometem fazer as delícias do público mais jovem, sobretudo Sandman, um personagem mudo que tem a capacidade de arquitectar os sonhos bons das crianças, ganhando uma maior dimensão com os efeitos 3D, enquanto Jack Gelado se destaca como o típico protagonista rebelde que procura encontrar o seu papel num grupo estranho à sua pessoa, o Pai Natal revela-se um bonacheirão de bom coração e o Coelho da Páscoa sobressai como um ninja furioso que promete ter um momento à "Gato das Botas". 
Embora os personagens sejam interessantes, bem como o seu visual e a evocativa banda-sonora, o filme perde algum fulgor no seu argumento e estrutura narrativa pouco original, que depende em demasia no conjunto de personagens carismáticos para o fluir da história (um pouco como "Avengers"), sendo notório que o argumento de David Lindsay-Abaire (argumentista de "Robots", ao lado de William Joyce), não consegue escapar aos clichés do género, numa história que encontra paralelos com filmes como "Kung Fu Panda" (a história do elemento excêntrico ao grupo), mas não convence na totalidade. Talvez por essa falta de conteúdo do argumento, Peter Ramsey não poupa nos momentos de acção, que colocam o grupo numa luta contra o tempo para continuarem a fazer com que as crianças acreditem em si e não sucumbam às sombras, que tomam conta do ecrã nos momentos de maior perigo.
Apesar da história não convencer totalmente, "A Origem dos Guardiões" confirma que estamos a ter um grande ano em termos de filmes de animação, onde não falta a presença de obras como "ParaNorman", "Frankenweenie", "Força Ralph", "Zarafa", "Brave", entre outros que têm conquistado o público e a crítica, provando que a animação está longe de ser um género exclusivo para crianças e que este ano vamos ter uma disputa acirrada para o Óscar de Melhor Filme de Animação. No caso de "A Origem dos Guardiões", o filme de Peter Ramsey surpreende por colocar todos aqueles personagens que fazem parte do nosso imaginário colectivo numa luta pela conquista do imaginário das crianças, das quais dependem para sobreviver, ou não dependessem todas as lendas da memória, do acreditar e da esperança. Essa esperança é mesmo uma das linhas de força do filme. A esperança nos sonhos, nas lendas, nos mitos, enquanto "A Origem dos Guardiões" transporta o espectador para um filme de animação emotivo, que promete apresentar o Pai Natal, Coelho da Páscoa, Fada dos Dentes e o Bicho Papão como nunca antes víramos. Cor, ilusão, muitas lendas da infância e acção, todos estes elementos surgem ao longo de "Rise of the Guardians", um filme de animação que coloca o visual à frente do argumento, proporcionando ao espectador alguns momentos agradáveis, mas longe de ser memorável. 


Classificação: 3 (em 5)
Título original: “Rise of the Guardians”.
Título em Portugal: “A Origem dos Guardiões”.
Título no Brasil: “A Origem dos Guardiões”.
Realizador: Peter Ramsey.
Argumento: David Lindsay-Abaire.
Elenco: Hugh Jackman, Chris Pine, Alec Baldwin, Jude Law, Isla Fisher, Dakota Goyo, Emily Nordwind.

Sem comentários: