22 agosto 2012

Resenha Crítica: "Piranha XXL"

Perante o relativo sucesso de “Piranha 3D”, o remake do célebre “Piranha” de Joe Dante, realizado por Alexandre Aja, a Dimension Films achou que seria boa ideia desenvolver uma sequela do remake, com o original título “Piranha 3DD”. Sem Alexandre Aja como realizador, mas com John Gulager (realizador dos três filmes da saga “Feast”), “Piranha 3DD” desenrola-se após os eventos do primeiro filme, onde um cardume de piranhas famintas atacou o Lago Victoria, no Arizona, e causou o pânico entre todos os que estavam no local.
Um ano após estes sangrentos acontecimentos, as redondezas do Lago Victoria transformaram-se num autêntico deserto, levando tudo e todos a afastarem-se do local onde os carnívoros seres pré-históricos atacaram. O que ninguém esperava é que estas piranhas estivessem de volta, prontas para causar o caos e o terror no parque aquático “Big Wet”, um local que é co-propriedade de Maddy (Danielle Panabaker) e do seu padrasto Chet (David Koechner). Maddy é uma jovem estudante de biologia, que, ao regressar a casa, se depara com o facto do seu padrasto Chet (David Koechner) ter adicionado uma secção temática adulta no parque, onde constam strippers “certificadas”. O regresso, após um intenso ano de estudos, leva também Maddy a encontrar velhos amigos, tais como o ex-namorado Kyle (Chris Zylka), Barry (Matt Bush), que tem uma paixão secreta pela jovem, e as suas amigas Shelby (Katrina Bowden) e Ashley (Meagan Tandy). Será este quinteto que, durante a narrativa, terá de enfrentar as perigosas piranhas, que não só vão atacar o lago das proximidades, mas também o parque aquático, causando o terror e uma matança generalizada.
Se “Piranha 3D” até conseguiu captar com alguma eficiência a aura de “filmes b” demonstrada em “Piranha”, já “Piranha XXL” fica mais próximo do trash, nunca conseguindo atingir o nível dos dois filmes anteriores, que, diga-se, não eram propriamente memoráveis. No entanto, embora os primeiros sejam dois exemplos de filmes de terror baratos que até conseguem gerar algum interesse, “Piranha 3DD” nunca passa do sofrível, procurando mesclar o terror com o humor negro e grotesco, tendo como resultado final uma trabalho tão artificial como o volume dos seios de alguns elementos do elenco feminino.
É difícil encontrar pontos positivos numa obra que mescla um argumento pobre, onde os diálogos são pouco elaborados, os personagens são estereotipados ao máximo, os efeitos especiais são entre o manhoso e péssimo, salvando-se apenas um Christopher Lloyd como o excêntrico Mr. Goodman e David Hasselhoff como uma versão canastrona de si próprio. Diga-se que a participação de Hasselhoff, sem ser brilhante, consegue incutir algum humor ao filme, ao fazer uma paródia de si próprio.
Se Lloyd e Hasselhoff até conseguem gerar algum interesse nos seus personagens, o mesmo não se pode dizer do restante elenco. Até podem não ser maus actores, mas torna-se sofrível ver nomes como Danielle Panabaker, Matt Bush, David Koechner, Chris Zylka e Katrina Bowden, que nem numa série do CW teriam lugar, a interpretar os protagonistas do filme, pouco podendo fazer perante o fraco material escrito por Patrick Melton e Marcus Dunstan.
O argumento da dupla de realizadores deambula entre o sofrível e o medíocre, procurando mesclar o humor negro com o terror, não conseguindo ser bem-sucedidos em ambos os quesitos, sobretudo por nunca conseguirem desenvolver uma história minimamente sólida, procurando criar algo a vaguear entre o trash e o kitsch, onde o espectador depara-se com momentos tão emocionantes como uma piranha numa vagina, um personagem a cortar o seu pénis e um grupo de adolescentes com as hormonas ao rubro.
Em suma, com uma fotografia pouco cuidada, uma realização desinspirada, um argumento débil e interpretações pouco memoráveis, é difícil encontrar pontos positivos em “Piranha XXL”. Os momentos de humor negro roçam o grotesco, as falas dos personagens são medíocres, salvando-se apenas Christopher Lloyd e David Hasselhoff, sobretudo este último, que tem perfeita noção do quão pouco sério é o filme em que está a participar. Além disso, como elogiar um filme de terror onde os sustos são inexistentes, o suspense é nulo e tudo parece passar ao lado do espectador? Poderia elogiar-se a beleza de algumas protagonistas femininas, mas isso não chega para tornar um filme interessante. “Piranha XXL” acaba, assim, por não passar de um filme que procura transmitir emoções tão falsas como o tamanho dos seios de algumas das protagonistas femininas, onde o espectador torce pelas piranhas e não pelos protagonistas.

Classificação: 0.5 (em 5)

Ficha técnica:
Título Original: “Piranha 3DD”.
Título em Portugal: “Piranha XXL”.
Título no Brasil: “Piranha 2”.
Realizador: John Gulager.
Guião: Patrick Melton, Marcus Dunstan, Joel Soisson.
Elenco: Danielle Panabaker, Matt Bush, David Koechner, Chris Zylka, Katrina Bowden, Gary Busey, Christopher Lloyd, David Hasselhoff.

Sem comentários: